O ESTRANHO CASO DO VELÓDROMO DO RIO

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

VELÓDROMO DO RIO
Pesquisa Internet

Foram várias idas e vindas durante os últimos dias.

A anunciada demolição do Velódromo já havia sido ensaiada há cerca de um ano e meio, conforme notícia de abril/2011. O assunto saiu da mídia e ficou esquecido. Agora a demolição foi novamente anunciada, bem como foi divulgado que será construído um novo velódromo com “padrão olímpico”.

Muito estranho. O Velódromo da Cidade foi construído para os Jogos Pan-Americanos de 2007, portanto, há apenas cinco anos. Foi previsto o aumento para o dobro da capacidade de espectadores caso o Rio de Janeiro viesse a receber uma edição dos Jogos Olímpicos, como, de fato, acontecerá.
Velódromo do Rio. Treinamento.
globo.com

As declarações dos responsáveis são pouco convincentes.

De uma hora para outra, nada mais serve: de repente, passou a não ser possível alcançar o “padrão olímpico” como previsto, vestiários são poucos e duas pilastras atrapalhariam a visão dos juízes. Quer dizer que os juízes do Pan-Americano enxergavam melhor? Poderíamos convocá-los, então, solução mais rápida e barata. Aumentar os vestiários não deve ser tão complicado.

Quanto às pilastras, se o argumento é verdadeiro, quem sabe uma obra poderia eliminá-las? Os muitos pilares da Estação Uruguai do Metrô estão sendo substituídos por um número menor com outro tipo de estrutura, obra seguramente muito mais complexa. Sem entrar no mérito da inexplicável demolição da marquise do Maracanã, autorizada pelo órgão federal de proteção do patrimônio cultural, o gigante vai receber uma cobertura nova, evidentemente sem pilares.

No mesmo fim-de-semana em que o assunto volta à baila, uma notícia internacional impressiona: na Suíça um prédio antigo de seis mil toneladas que seria demolido foi deslocado por 60 metros, e salvo. Moradores solicitaram a sua permanência enfatizando a importância cultural para a região. Houve uma soma de forças para a preservação do prédio. A operação demandou um ano de estudos e custou US$12,7 milhões.

Antiga fábrica em Zurich, Suíça
Reprodução Internet via globo.com
Não somos a Suíça, mas, tirar dois pilares deve ser bem mais baratinho. Quem sabe uma cobertura nova ou adaptada com pilares externos? Tecnologia certamente não faltará, nem bons engenheiros. Naturalmente, os custos de uma solução e outra serão avaliados e comparados.

Quando deixou de ser viável? Ou seguro? Afirmam que o nível dos atletas do Pan é inferior (!). E que para os olímpicos é inseguro (!!).

Mesmo quem não entende de esportes sabe que nada impede que nos Jogos Panamericanos um atleta bata recordes olímpicos. Evidentemente foi uma desculpa ou uma brincadeira: seria o mesmo que confessar que os responsáveis submeteram os atletas de 2007 a riscos.

PARQUE OLÍMPICO – Projeto vencedor
Pesquisa Internet

O noticiário de 12/07/2012 trouxe mais um detalhe intrigante: informou-nos que além de o Velódromo ser demolido o terreno será VENDIDO à iniciativa privada. Curiosamente, não mencionou onde o novo velódromo seria construído. E, dois dias após a polêmica ter sido instalada, mais uma notícia surpreendente: o Prefeito anuncia que estudará forma de adaptar o velódromo do Pan para Jogos Olímpicos.
O anúncio da demolição e venda do terreno à iniciativa privada deve ter repercutido mal, por isso o recuo. A futura venda faz lembrar os poeminhas VENDO O RIO, que parecem estar cada vez mais atuais.

                                                TV UOL, 13/7/2012

Ontem, 16/7/2012, uma nova surpresa.

O noticiário na televisão informa que em 2009 foi apresentada proposta de reforma do Velódromo para resolver os problemas, orçada em US$35 milhões, cerca de R$70 milhões, o dobro do que custou arrastar o prédio na Suíça. E que, “há 10 dias o Comitê Olímpico Municipal que coordena a construção do Parque Olímpico anunciou que o velódromo não poderia ser utilizado nos jogos e que um novo seria erguido no mesmo locale que a divulgação dessas informações fez o Prefeito e o Comitê … suspenderem… por enquanto, a decisão de demolir o equipamento”.

Reforma, demolição e venda do terreno, demolição e velódromo novo no mesmo local, demolição não e adaptação sim, e, finalmente, tudo suspenso, consequência da exposição na mídia, é o que afirma a repórter.



Pelo menos até a notícia seguinte.

E ela chegou rapidamente. No mesmo dia em que é declarada a suspensão, a imprensa farejadora, mais uma vez presente, conta que o edital de licitação para projetos de arquitetura eengenharia para construção de outro velódromo foi publicado também no dia 16! E que a Empresa Olímpica Municipal decidirá o que fazer até o início de setembro “antes da licitação”, marcada para o dia 05/9.
VELÓDROMO DO RIO
Globo on line
O contribuinte merece o máximo respeito por parte dos gestores da coisa pública. O estranho caso do velódromo do Rio parece estar longe dessa obrigação.

As declarações contraditórias formam um verdadeiro novelódromo. Verdadeiro ou falso. Aguardemos os próximos capítulos.

Comentários:

  1. Parece um novelódromo mesmo…. Esta temporada de obras para a Copa e as Olimpíadas ainda vai dar muito o que falar…
    Muito boa a edição do seu texto, com uma ótima seleção de imagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *