O NOVELÓDROMO CONTINUA: O ESTRANHO CASO DO VELÓDROMO DO RIO – 3

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

VELÓDROMO DO RIO
Lockring
No dia 17/07/2012 o Blog Urbe CaRioca publicou o texto O ESTRANHO CASO DO VELÓDROMO DO RIO, quando relatou as contradições entre declarações de governantes e membros do COB sobre a demolição do Velódromo do Rio e venda do terreno à iniciativa privada, ou adaptação do mesmo para os Jogos Olímpicos 2016.

O equipamento foi construído para os Jogos Pan-Americanos de 2007, portanto, há apenas cinco anos, ao custo de R$14milhões. Na época estava prevista a ampliação de sua capacidade caso o Rio de Janeiro viesse a sediar os Jogos Mundiais. Além disso, o edital para o concurso do Parque Olímpico indicava três construções destinadas às competições como existentes, entre as quais, o Velódromo.

A seguir, no dia 19, o texto intitulado O ESTRANHO CASO DO VELÓDROMO DO RIO – 2 deu sequência aos questionamentos apontados anteriormente dando conta da inauguração de um Centro de Treinamento no interior do Velódromo, em abril último, o que trouxe mais perplexidade diante da decisão pela a demolição do equipamento, à vista dos novos investimentos e utilidade daquele espaço.

Cabe lembrar que, instalada a polêmica, o prefeito da cidade manifestou-se contrário à demolição e anunciou que estudaria a forma de adaptar o velódromo do Pan 2007 para os Jogos Olímpicos, embora já houvesse lançado edital de licitação para a elaboração de um novo projeto (!).
O VELÓDROMO DO RIO AINDA EM OBRAS
Diário do Rio
Eis que surge mais um capítulo do NoVelódromo. A Newsletter Ex-Blog divulgou as seguintes considerações e dados:

VELÓDROMO: CONTABILIDADE DE CUSTOS!

1. O Velódromo do PAN-07 foi feito segundo as normas internacionais e pela mesma empresa que fez o Velódromo dos JJOO de Atenas. Mas surgiram impedimentos para seu aproveitamento nos JJOO-2016. Pode ser, pois as normas das federações internacionais de todos os esportes são dinâmicas. As questões básicas levantadas foram: a) o aumento das cadeiras de 3 mil (havia previsão e espaço para o outro lado) para 5 mil. Algo muito barato. E b) os pilares centrais que prejudicariam a visão dos Juízes europeus. Suponhamos que toda a cobertura teria que ser mudada e não apenas a parte central.      

2. O Velódromo do PAN-07 custou 14 milhões de reais. Atualizando os valores, seriam hoje -exagerando- 20 milhões de reais. Mas…, foi divulgado o novo valor: R$ 115 milhões de reais. O último número -exagerado- foi apresentado à imprensa duas semanas atrás: 55 milhões de reais. Agora, esse número aparece dobrado. Mais de cinco vezes o PAN-07 atualizado. Duas vezes a revisão de duas semanas atrás. Inacreditável de Almeida, diria Léo Batista sobre um gol perdido.

O teor da matéria publicada – de onde foram extraídos os dados da Newsletter -, o edital de licitação (que serve para duas coisas segundo entrevista da Presidente da EOM), e os acertos com a cidade de Goiânia demostram que todas as declarações “demolir não dá”, “vamos adaptar”, “suspender tudo” – são, então, mentirosas.

VELÓDROMO DO RIO
Pesquisa Internet

Se assim for de fato, estará comprovado que o cidadão nada mais é do que um boneco de marionete. Talvez seja uma questão de tempo para que nossos gestores mexam as cordinhas novamente. E que o assunto, desaparecido da mídia, retorne, mantendo-se tudo decidido como afirmado antes da polêmica, obviamente nada benvinda em período pré-eleitoral.

Enquanto as marionetes descansam, corre na internet um abaixo-assinado pela manutenção do equipamento.

Abaixo, mais dois vídeos com declarações e depoimentos de técnicos e atletas.

1. Vídeo YTLondres360

2. Vídeo – matéria Estadão

Único velódromo do Rio de Janeiro pode não ser aproveitado para a Olimpíada em 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *