DIVERSOS – 05/9/2012 – Dois assuntos: A Bola da Copa e os Tombamentos

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

 
CARAMBOLA
Star Fruit – New Asian Cuisine
 
 
1 – A BOLA DA COPA – Entre os nomes “Bossa Nova”, “Brazuca” e “Samba”, foi escolhido o segundo. Difícil seria dizer qual o pior. A Bossa Nova tem o seu lugar privilegiado na cultura brasileira. O Samba igualmente, embora o ritmo pareça ter mais afinidades com o esporte do que o outro gênero musical lembrado para a redonda.

O nome sugerido pelo Blog Urbe CaRioca, enviado ao jornal O Globo, foi CARAMBOLA. Modéstia à parte, o nome era ótimo. Além de conter ‘bola’ nele mesmo, misturada com ‘caramba’, expressão de admiração e surpresa, a fruta – exótica, mas adaptada aqui – é amarela, uma das cores da nossa bandeira, e sua seção tem formato de estrela. Haveria coisa melhor? Em inglês chama-se star fruit. Os estrangeiros logo entenderiam a analogia com símbolo da vitória que todos almejam.

Quem se lembra de “Caramba, Carambola! Sou do samba, não me amola!, Pro Brasil eu vou fugir!”?

Brazuca vai pegar, que jeito? O professor Sérgio Rodrigues disse que é um nome ‘triste’, ‘bola fora’. Discussões ortográficas à parte, brazuca lembra bazuca (cruzes!), e bra em inglês, o idioma que se tornou internacional, é peito/seios/sutiã…



Carambola é o nome perfeito para a bola defutebol da Copa do
Mundo 2014. Nome bem brasileiro, a fruta adaptada aos
trópicos é  amarela, uma das nossas cores, e guarda
uma estrela no seu interior.

Sugestão do nome: Patricia Redondo 
Ilustração: Nelson Polzin, Julho 2012


Pior pelo o que explicou o professor na Revista Veja: “Se não é a grafia, o que sobra para criticar em Brazuca, a bola? Sua carga cultural idiota, só isso. O fato de que, brazuca ou brasuca, a palavra é um sinônimo tolo de brasileiro. O termo nasceu em Portugal com tom depreciativo (o sufixo “uca”, o mesmo de mixuruca, deixa isso claro), numa espécie de contraponto ao nosso “portuga”. Até aí, tudo bem: a própria palavra brasileiro tinha uso pejorativo antes de ser assumida em espírito de desafio pelos nativos desta terra.

O problema é que, ao ser adotado por aqui, brazuca/brasuca virou um clichê patriótico viscoso, folclórico e carregado de autocomplacência, primo da malemolência, da ginga e da incrível musicalidade dos mulatos inzoneiros que habitam este gigante adormecido. É por isso que Brazuca é bola fora – e Brasuca não seria melhor.” O Blog concorda: bola fora. Nome mixuruca.

E o que tem um blog urbano-carioca com isso? Ora, o Maracanã, hoje desfigurado, já foi o templo sagrado do futebol mundial nessas terras cariocas. Bolas! Tomara que volte a ser!

A propósito, para quem não viu, vale ler a CrôniCaRioca BOLO DE FUTEBOL.

 ***

2 – TOMBAMENTOS – Ontem o Blog publicou TOMBAMENTO, A PANACEIA DO MOMENTO, quando analisou o uso desse instrumento da legislação de patrimônio cultural que algumas vezes é aplicado indiscriminadamente. Menciona quatro casos: a Antiga Fábrica de Chocolates, a gafieira Estudantina, o condomínio Santa Leocádia e o casario da Rua da Carioca.

Hoje o noticiário informa que o Opportunity Fundos de Investimentos comprou os sobrados da Carioca por R$53 milhões.

Será que a Prefeitura irá também desapropriá-los?

NOTA: Após a publicação desse post foi noticiado que, segundo os compradores dos sobrados existentes na Rua da Carioca, há a possibilidade de que os inquilinos permaneçam nas lojas. A notícia é: Inquilinos serão responsáveis por reformas nos casarios da Rua da Carioca.



Rua da Carioca, Centro
Foto: Alessandro Costa/Agência O Dia
 

 

Comentários:

  1. Pois é, né? Perdemos uma chance de termos um nome mais bacana para bola. Mesmo que não fosse minha sugestão, que fosse um nome sem todos os poréns pertinentemente apontados no seu texto…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *