ADEUS, TERRENO DO BATALHÃO, ADEUS, PRAÇAS EM BOTAFOGO…

Parte do terreno do 2º BPM – Botafogo, que poderia ser transformado em uma praça, mas dará lugar a mais um empreendimento imobiliário, por obra e graça do senhor governador e do senhor prefeito.
Os postsque cuidaram do assunto aqui no Urbe CaRioca foram:


luchar Desmons – Panorama da Cidade do Rio de Janeiro tomado de Santo Antônio a voo de pássaro – 1854. Vista tomada do Morro de Santo Antônio, vendo-se o quartel da Rua dos Barbonos (atual Evaristo da Veiga), hoje quartel da polícia Militar.

 Texto: Paisagem do Rio de Janeiro, George Ermakoff
Imagem:  Iba Mendes Pesquisa a partir da Biblioteca Nacional Digital do Brasil


Os três primeiros trataram especificamente do terreno onde funciona o QG da Polícia Militar, Batalhão da PM que fica na Rua Evaristo da Veiga, Centro do Rio. Infelizmente, a licitação para demolição do prédio histórico foi aberta pelo governo estadual em dezembro.


O Globo

O último, longo, tratou da sanha que é a venda de áreas públicas e de imóveis próprios municipais e estaduais nas administrações do Governador Sérgio Cabral e do Prefeito – reeleito – Eduardo Paes, que os gestores sobrepõem ao interesse da coletividade e ao bom urbanismo. O texto contém análise específica sobre o caso do Batalhão da PM em Botafogo e propõe que sua área seja transformada em uma praça, área livre e verde da qual o bairro tanto precisa.
Bem que eles poderiam ter lido outra notícia na imprensa, dias atrás: Oásis urbanos,alívio em tempo de calor recorde.
Como se vê pela notícia de NO JORNAL de hoje, a fúria imobiliária que assola o Rio continua cada vez mais forte.
  

O Globo
Publicado em 09/01/2013
Nova vizinhança em Botafogo
Fabio Rossi/2-8-2007

O 2º BPM (Botafogo) vai perder espaço. Um despacho do governador Sergio Cabral publicado no Diário Oficial de segunda-feira determina a elaboração do edital de venda de parte do terreno onde o prédio está instalado. Cabral também mudou por decreto o uso da área, que poderá receber um empreendimento imobiliário.



Botafogo, Rio de Janeiro – Vista aérea
Foto: Pulsar Imagens


NOTA 1

Trecho de VENDO O RIO, NO ESTADO – ESTUDO DE CASO: BOTAFOGO

Botafogo e Humaitá são bairros densamente ocupados, “respiram” mal, há poucas “tomadas de ar”. Nessa ótica, a lindíssima orla de Botafogo não conta: com os sucessivos aterros fica distante da malha urbana edificada, fora do dia-a-dia de quem transita pelas ruas e prédios dos bairros. Igualmente não se considera o Mirante do Pasmado, longe dos aglomerados edificados.

A configuração da área verde da Rua Lauro Muller afasta o caráter de espaço público de bairro. Na prática serve apenas aos edifícios que a cercam. Em frente ao Morro Santa Marta há uma pracinha pequena. O terreno em frente, bem maior, seria originalmente uma praça. Em algum momento seu destino mudou e lá existe um Posto de Gasolina.

NOTA 2


O posto de gasolina mencionado na NOTA 1 que fica em terreno ANTES destinado a uma praça, também teve seu futuro modificado pelo secretário que usava guardanapo. Para saber, ler BOTAFOGO: A PRAÇA CEIFADA ANTES DE NASCER.

  1. Boa Andrea,
    esse anonimo deve ser um defensor das farras do nosso governador e do prefeito playboy.
    Sou nascido e criado na São Clemente e fiquei muito triste em saber de mais um espigao subindo, justamente no local onde joguei bola, assistia aulas de educação física e ainda se promoviam festas juninas comunitarias no local. Esses dois deveriam ser processados e julgados pelo povo. A propósito, sabe de alguma coisa a respeito da PLC do vereador Carlo Caiado sobre o espaço vendido na Sao Clemente?

  2. Prezado Anônimo,
    Ainda assim, o que o Blog propõe é que se dê outro destino aos mesmos que seja bom para a cidade e para seus moradores. Vender para o mercado imobiliário é pequeno, é mesquinho, só revela falta de interesse público, compatível com a ausência de estadistas nos dois cargos máximos do nosso Estado e Município. Praça para o de Botafogo. Inúmeras possibilidades para o da Evaristo da Veiga. Que consigam dinheiro de outro modo, por exemplo, sem superfaturamento das obras públicas.

    Obrigada pelo comentário. Prefiro que se identifique na próxima vez.

Deixe uma resposta para Felipe Abreu Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *