E O CARIOCA VEIO DE FILIPEIA PASSEAR PELO CENTRO DO RIO…

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page


… ou CONCEIÇÃO E AS FARAONAS
Ailton Mascarenhas, dez./2012

CrôniCaRioca

GALINHA D’ANGOLA
Wikimedia Commons
                                         

Ladeira João Homem
Morro da Conceição, Centro
Imagem: Internet


Fui passear pelas bandas da Praça Mauá, um programa inusitado, manhã de Domingo, mas é que me lembrei de umas aulas de desenho quando ainda estava na FAU*, procurei pela Ladeira João Homem, não achei, mas achei coisas raras.




No Mosteiro de São Bento missa com canto dos tempos medievais: no pátio do Colégio São Bento, linda vista para o Porto, apreciei estas bandas atuais do nosso Rio para comparar depois com o futuro Porto Maravilha dedicado as Olimpíadas – deveria ser a nós.



CD Jubilate DEO
Monges do Mosteiro de São Bento e Coral Bento de Nurcia



Subindo e descendo ladeiras, lá adiante, a Rua do Jogo da Bola, a Pedra do Sal com alguns curiosos degraus esculpidos na própria rocha, depois os Jardins do Valongo e o Observatório, acima um conjunto antigo de construções, a Fortaleza da Conceição, hoje conhecido como ‘alguma coisa’ Cartográfico, antiga defesa do Rio contra os navegantes desbravadores e ocupadores das terras dos outros, franceses e tais – estava escrito na placa. Outras tantas ladeiras e já descendo, isso tudo no Morro da Conceição, de novo nas redondezas da Mauá.



PEDRA DO SAL
Blog Roda de Samba da Pedra do Sal


Na Rua Visconde de Inhaúma achei uma igrejinha de Fátima, cansado sentei e assisti um pouco de missa e aí eu vi que tinha um ‘patiozinho’ ao lado com um barulhinho bom; saí e fui ver, comi uma empadinha de galinha, boa!





Engasguei e não havendo líquidos por perto, tive que sair tossindo  e engasgado por uma rua lateral, a Travessa Teófilo Otoni. Saí na Barão do Rio Branco, passei em frente ao IPHAN, e, ainda cansado e rouco das tossidas, achei a Igreja da Candelária e entrei, já perto de meio-dia: um deslumbramento, outra missa à Medieval, com música de Mozart, uma baita orquestra, afinadíssimo Coral e regida pelo maestro Karabichevsky.


Detalhe do interior da Igreja da Candelária
Foto Fácil www.foto-fácil.com



Quase acabando, saí, vi de novo a exposição dos Impressionistas no CCBB, tudo a pé, e continuando, agora no Centro, pela Cinelândia, Arcos da Lapa… 



ARCOS DA LAPA, CENTRO
Blog Mundi



Aí, caramba! Lá na Lapa tinha um encontro de música dos morros, funks maneirosos, lascivos, som ensurdecedor, nas alturas, tudo ao contrário das missas, a moçada animada regada a cerveja e as meninas rebolando as bundinhas arrebitadas. Caí fora, não era a minha praia, fui procurar um restaurante árabe e me lembrei do Cedro do Líbano, lá no Saara, cheguei e estava fechado.



Cedro do Líbano, CENTRO
Blog Art Rio

Peguei o Metrô na Central. Mas tive que atravessar a Pres. Vargas. Domingo só abrem as entradas do lado de lá, uma travessia ‘ótima’ prá quem já está cansado de andar!




Fui pro Largo do Machado, não houve maneira de não abastecer, parei na Adega e dois chopps desceram fácil, mandei um caldo verde, outros chopps e uns bolinhos de bacalhau, rolava na TV da adega um filme péssimo, mas vi.



LARGO DO MACHADO, CATETE**
Blog Minha Alma Canta


Descansado fui continuando… Belo programa.


Sou andarilho, cansaço e distância não me amedrontam, andarilhos não têm destinos muito certos, tanto que no Domingo passado eu estive lá na Floresta da Tijuca, fui de ônibus aqui da Tijuca onde moro.


Rugendas, “Desmanche de uma floresta”, c.1820-1825.
Centro de Documentação D. João VI



Esta floresta não deixa de ser um belo jardim onde a natureza é que tem vez, ao contrário do Inhotim em Minas. Lá uma intenção cultural e mercantil,  aqui um derradeiro trabalho para devolver ao urbano próximo a água dos rios, o clima, resumindo, a vida, só conseguida após replantio do que tinha sobrado do verde, tirado pelas culturas dos cafezais e cana de açúcar. Lá em Minas caminhos bem demarcados com os jardins  belíssimos margeando, o tratorzinho levando e trazendo gente para as casas com obras de arte, lanchonetes, restaurantes; aqui na floresta as trilhas, os riachos, os barulhos da mata.

FLORESTA DA TIJUCA
gloritacajaty.com



O transporte à maneira do Inhotim cairia muito bem na Floresta da Tijuca. Trilhas e trilhas andei, uma delas chega ao Centro de Visitantes, tem banheiros, água gelada do bebedouro e uma exposição legal sobre a Floresta: tem uma enorme maquete com o relevo montanhoso do Rio, legenda com uns botões ao lado, nomeados, apertando, acende uma luzinha na intenção do que se quer ver, olha lá o Corcovado, o Pão de Açúcar, o Pico do Papagaio…

FLORESTA DA TIJUCA
Blog Sapatômica


SANDÁLIA DE BORRACHA
Internet

De sandália de dedo, uma imprevidência, andei muito por lá, a Capela Mayrink estava cheia, iniciaria uma missa, não assisti, mas não havia como não parar no bar da Pracinha do Alto quando já voltava. Disparei um monte de telefonemas, não achei ninguém, nem liguei, continuei com as minhas  caipiras – de lima com limão – e descendo a ladeira a pé pela Estrada Velha da Tijuca fui admirando as casas, numa delas com varanda tinha uma cachorra, dessas que guiam cegos, deitada de lado e com as patas encostadas na parede e a cabeça pra frente apoiada no chão olhando pra Mim? Feliz, se refestelando, talvez, olhei pra ela com inveja…


Casa na Estrada Velha da Tijuca
Panoramio



Adiante tinha um arbusto na calçada pequena, quase não existe, eflorescência com um monte de bolinhas alaranjadas e verdes, dei uma olhada, não reconheci e continuei descendo, meus pés, com o esforço e o atrito da alça da sandália no peito do pé já estavam meio machucados. Botei um guardanapo entre a alça do chinelo e o pé para melhorar o pisa-pisa, não adiantou, tive que tirar e andar ora com, ora sem o chinelo, uma aventura.


TrekNature

Lindo gramado à frente e pasmem… 3 galinhas d’Angola ciscando, nunca tinha visto elas por lá, TÔ FRACO TÔ FRACO, e eu, EU TAMBÉM EU TAMBÉM, um achado, adiante mais duas agachadas olhando para uns cinco urubus que davam conta de um cachorro morto, todos se arrancaram quando cheguei perto.



Contei prá um colega sobre as galinhas de Guiné todo satisfeito com a minha descoberta e ele disse que isto é assim mesmo, lá se faz Macumbas e parece que elas fazem parte da celebração, não acreditei.

Talvez esta história devesse se chamar Conceição e as Faraonas, Conceição é a santa padroeira e as galinhas são as Faraonas.


NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO
Internet



NOTAS

*FAU = FAUUFRJ, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro

**Agradeço ao amigo andarilho Aílton por mais esta maravilhosa colaboração e aproveito para contar – caso não saiba – que a imagem do monumento que está no meio do Largo do Machado, lugar do descanso, chopp e bolinho de bacalhau, é justamente uma imagem de Nossa Senhora da Conceição!  

  1. Só mesmo a disposição "concentrada" do Ailton para essa empreitada a pé e com sandálias de borracha.
    Amigo, você é mesmo um grande observador de tudo… e tudo fica mais divertido sob o seu olhar.
    Adorei essa sua nova "investida" em terras cariocas.
    bjs

  2. Cida, também gostei demais!! Ailton revelando outros talentos. Deu vontade de fazer o mesmo, mas, pegando carro, ônibus e táxi também, pois não tenho mais pernas nem joelhos para tal aventura. Tenho slides das nossas aulas de desenho na Ladeira João Homem guardados em algum lugar. Não deu tempo de procurar, ainda!
    Vem pro Rio passear!!
    bj

  3. Andréa, adorei!!!!! Ailton, além de relembrar o Rio, me diverti muito com a forma como retratou a sua longa caminhada. Se não tivesse dado tantas paradinhas para beber umas e outras, estaria com o Reino dos Céus garantido pelo tanto de missas que assistiu. Beijo
    Cida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *