O “BRAINSTORM” DO ALCAIDE

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

‘GUARATIBA, E AGORA, QUE O PAPA FOI EMBORA?’


Internet
 Este seria o título de nova análise sobre o bairro para onde o Rio se expande como já foi explicado neste blog em
A CIDADE CRESCE PARA… GUARATIBA.

Os últimos acontecimentos que culminaram com a transferência dos eventos finais da Jornada Mundial da Juventude da Zona Oeste para a Praia de Copacabana e o impressionante anúncio da Prefeitura feito em primeiro lugar pela voz dos religiosos inspiraram o ‘poeminha’ abaixo, que pretende abrir série sobre mais um desmando legislativo-urbano carioca.




Um passarinho que contou como, na cabeça do alcaide, tudo se passou.

Blog Urbe CaRioca


Guaratiba, Campo da Fé, Julho 2013
Imagem: Conexão Jornalismo


O BRAINSTORM DO ALCAIDE

Andréa Albuquerque G. Redondo


“Chove chuva, chove sem parar”!* E a lama? E a lama?
Diz o Tom que só em março “É a lama, é a lama”!
“E o vento, ventando”* – Justo lá no Campo Santo?
Tenha dó, caro Jobim, já é Julho, é o fim!
“Pois eu vou fazer uma prece”*, diz Ben Jor,
Faço para o outro Jorge, para o Papa de tão longe!
Diz que é do fim do fim-do mundo, é a terra do alfajor.
O aspone me pergunta, sem rodeio nem receio.
_ “Sim. Nada. Guaratiba nada em lama, nada em água”,
Penso, aflito, quase solto um nome feio!
Mas que “zebra”, mas que “mico”! E agora, como fico?
É limão do mais azedo, pior que limão galego.
Quem podia imaginar? Como hei de consertar?
Pensar, pensar… Falta pouco, antevejo!
Se Tempesta é Tempestade, um brainstorm há de ajudar!

Guaratiba, o povo longe, parecia a perfeição.
Papa Pop, o povo sofre, lama… água… limão… nada…
Sim, agora enxergo, já vislumbro! Farei uma limonada!
Pop vem de popular, vamos capitalizar!

Ninguém sabe, é complicada, essa tal de lei urbana.
Já estava até previsto, condomínio prá bacana!
Mudo um pouco, sutileza, é sucesso, com certeza!
Um concurso de projeto, democrático, é maneiro!
Andem logo, façam o PEU! Que não tenho o dia inteiro!
Ninguém sabe e nem entende, todos acham uma beleza!

Sou sabido, é de graça, aproveito o patrocínio.
Nem preciso propaganda prá milhares me aplaudirem.
Nem Cabral nem Dona Dilma. Eu faturo! Não concorrem!
Vamos lá, sem alarido, vou fazer uma surpresa!
Para ser muito querido, basta usar de esperteza!

Como fez o Garotinho lá em Nova Sepetiba,
Faço outro parecido, quase igual, em Guaratiba!
Arquiteto é que não gosta… Paciência! É bonitinho…
Que me importa se afundar? E se for um manguezal?
É arcaico? Nem te ligo, o que vale é canetar! Sou mais eu, eu sou o tal!

Um detalhe ainda falta, é lote particular.
Afinal, se paga imposto! Verba é feita prá gastar!
E o dinheiro da igreja? Como vou justificar?
Fez aterro, virou lama! Haverá de se importar?
Ela é rica, benfazeja! É prá pobre, há de dar!


Resolvido o problema!
Acabei com o dilema!
Adiante com a mentira!
Essa é minha, ninguém tira!
Eu me amo, sou benquisto!
Acabemos com esse quisto!


VOU FALAR COM NOSSO BISPO!


ÁGUAS DE MARÇO, de Antônio Carlos Jobim
Tom Jobim e Elis Regina, 1974

NOTAS

Wikepedia – Brainstorming is a group or individual creativity technique by which efforts are made to find a conclusion for a specific problem by gathering a list of ideas spontaneously contributed by its member(s). The term was popularized by Alex Faickney Osborn in the 1953 book Applied Imagination.Osborn claimed that brainstorming was more effective than individuals working alone in generating ideas, although more recent research has questioned this conclusion.[1] Today, the term is used as a catch all for all group ideation sessions.

Obs: Em tradução livre podemos dizer que é “uma tempestade no cérebro”.


** Das músicas Chove Chuva, de Jorge Bem, e Águas de Março, de Antônio Carlos Jobim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *