Artigo – A “REINVENÇÃO” DO RIO E A DESIGUALDADE SOCIAL, de Sonia Rabello

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page


No início de dezembro último a professora e jurista Sonia Rabello comentou, em sua página na web, matéria publicada no jornal The New York Times em novembro/2013 intitulada A Divided Rio de Janeiro, Overreaching for the World onde o periódico aborda os eventos internacionais que a cidade receberá e comenta a situação atual do Rio de Janeiro, o que inclui as obras gerais que estão sendo realizadas – cita inclusive a demolição do Elevado da Perimetral e a falta de habitação na Zona Portuária -, e problemas de toda ordem, com destaque para os recentes protestos da população, e as desigualdades sociais.

Segundo o NYT ‘This is a city divided on itself’Pena.

Embora o jornal americano tenha publicado o artigo há mais de  dois meses, a violência na Urbe CaRioca que, infelizmente, cresce a cada dia, fez oportuno relembrar o assunto.

Tomara que este quadro mude para que, em breve, o Rio de Janeiro não seja mais a Cidade Partida* de Zuenir, mas a Cidade Inteira** de Magalhães.


Abaixo, o artigo da professora e ex-Procuradora Geral do Município.
Urbe CaRioca
 

São Conrado e Rocinha
Imagem:  economia.ig.com.br

Sonia Rabello
Recentemente, o jornal americano “The New York Times” publicou uma matéria especial sobre as ações governamentais e as decisões “desorientadas”, na tentativa de se “reinventar um Rio de Janeiro antes da Copa do Mundo e das Olimpíadas”, acrescentando que as obras no Centro histórico da Cidade têm acentuado a visível desigualdade social.
Em um “tour crítico” pela “Cidade Maravilhosa”, a questão do planejamento foi alvo da crítica internacional, uma vez que as diferenças entre os investimentos recentes da atual gestão municipal e as demandas de infraestrutura e mobilidade urbana da Cidade são visíveis.
Além disso, nesta corrida de mudanças feitas na base do rápido e nem sempre bem feito (e sem discussão com os vários segmentos da sociedade), às vésperas de grandes eventos internacionais, o NYT destaca que esse cenário comprova os esforços das autoridades regionais para “reinventar” uma cidade que era do terceiro mundo, com uma economia de primeiro mundo, mas que os protestos populares mostraram problemas “intratáveis nesta cidade, onde a diferença de classe e a corrupção são quase tão imóveis quanto as montanhas. É uma cidade dividida”, destaca o texto.
A preservação histórica e as desigualdades
O NYT salienta também a falta de um plano governamental quanto à avaliação e garantia de preservação das zonas urbanas históricas do Rio, evitando o sacrifício “por um mar de torres de escritórios”.
Há poucas semanas, este blog comentou sobre o fato de o projeto inicial de “revitalização” da Região do Porto que deveria incluir, além das alterações em mobilidade urbana e na infraestrutura, a revitalização das moradias já existentes na região e a criação de novos complexos habitacionais, com o repovoamento da região. E a questão foi também levantada pelo jornal americano ao citar que “promessas recentes do prefeito para inserir 2.000 unidades de habitação pública são tardias e vagas, anunciadas para apaziguar detratores, enquanto não perturbam os investidores”.
A matéria diz ainda que ao mesmo tempo que ocorre a promoção da dita “revitalização” desta região, a Cidade o Rio cresce de forma descontrolada na Zona Oeste, acrescentando ainda a Vila Olímpica como exemplo de empreendimento que será valorizado com os grandes eventos, em detrimento de obras emergenciais.
Como bem disse  o fundador do Observatório das Favelas, Jailson de Souza e Silva, em entrevista ao NYT, a participação da população nos programas do governo “é a chave” para a solução das disparidades sociais nestes locais.
Para nós, que vivenciamos e lutamos diariamente por uma participação nas mudanças na Cidade que é de todos, esta é a realidade nua e crua, conhecida e debatida há muito tempo.
Tentar “reinventar” sem planejamento e discussão é contribuir ainda mais para as diferenças de uma Cidade que há anos sofre e clama por mudanças reais e não paliativas. A esta altura, a política para “inglês ver” já está desgastada. Só não enxerga quem não quer a quantas anda esse enredo. Basta um “tour”…
___________________________
*Cidade Partida – Livro de Zuenir Ventura, Companhia das Letras, 1994
**Cidade Inteira. A Política Habitacional da Cidade do Rio de Janeiro – Org. de Sérgio F. Magalhães, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, 1999

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *