Artigo: PERDAS CULTURAIS NO RIO: CINE ODEON, CINE LEBLON, RUA DA CARIOCA …, de Sonia Rabello

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Recentemente publicamos duas postagens sobre o fechamento, em breve, de um dos últimos cinemas de rua da cidade, que foram: CINEMA LEBLON, TOMARA QUE RESISTA e  CINEMA LEBLON, NOVIDADES.

O artigo da jurista Sonia Rabello que reproduzimos abaixo, publicado em seu site no último dia 09 lança um novo olhar sob o assunto, analisa os possíveis motivos pelos quais “estes pontos culturais não se sustentem” e retoma a questão do Planejamento Urbano no Rio de Janeiro: lembra-nos de que o novo Plano Diretor eliminou o instrumento do Solo Criado previsto no plano de 1992 – ainda por ser implementado, todavia – e que “a cidade não tem qualquer previsão institucional que permita impedir a inevitável apropriação, pelos proprietários de imóveis, de todos os ganhos pela aplicação dos índices construtivos dados a eles, de graça, pela legislação”.

O aspecto levantado pela autora foi mencionado neste Blog em julho/2012 na postagem RIO + 20 LEIS URBANÍSTICAS.

Boa leitura.

Urbe CaRioca

CINELÂNDIA
Internet



Sonia Rabello

Espaços culturais no Rio – como o tradicional Cine Odeoncom 90 anos de funcionamento e 10 anos de investimentos da Petrobras -, e o Cine Leblon – ponto de referência histórica da trajetória de ocupação urbana do bairro – anunciam fechamento. Outros negócios, mais lucrativos, são a causa de suas extinções.

Três perguntas. A primeira e a mais importante – a Cidade e os seus moradores querem evitar o fechamento destes tradicionais pontos de cultura? E as demais perguntas: há como evitar? A cidade preparou-se para impedir?

Quanto à primeira pergunta, não há quem possa responder, já que no Rio não se consulta sistematicamente a sociedade civil organizada (no caso, as associações de moradores e as associações culturais) para absolutamente nada. Mas, imaginamos que os cidadãos ficam sentidos e tristes ao ver, a cada mês, seus pontos de atividades tradicionais não se sustentarem mais, seja no Leblon, seja na Cinelândia, seja nas tradicionais lojas da Rua da Carioca.

Portanto, não se trata de uma questão pontual; ela é sistemática e diz respeito a quanto o planejamento urbano no Rio não está preparado para evitá-la.

O que faz com que estes pontos culturais não se sustentem?

Não há dúvida que…
(…)
______________

Ler na íntegra AQUI


CINEMA ODEON – INTERIOR
Internet


  1. O Cinema Leblon é mais uma vítima dessa ânsia de se tombar e preservar qualquer edificação na cidade. Querer manter cinemas de rua , indo contra a tendência dos shoppings , é como exigir que o sujeito venda sua TV de LED e compre as antigas TV preto e branca de tubo.
    Não existe nada a ser conservado no Cine Leblon. Mas se quiser preservar a fachada , que se misture com um prédio comercial moderno , que atenda as necessidades reais e não imaginárias de parte de uma população.

  2. É UM ABSURDO E PROVA O QUE MAIS UMA VEZ VEM SE NOTANDO A MUDANÇA NO ESTRUTURA E CONCEPÇÃO DA ARQUITETURA DO RIO DE JANEIRO E PRINCIPALMENTE MAIS UM CINEMA QUE SE DESPEDE DA CIDADE CARIOCA. ASSIM COMO SE FORAM O PALÁCIO EM 2007 QUE EXIBIU EM SUA ULTIMA SESSÃO O FILME HOMEM ARANHA 3 E TAMBÉM O ODEON.

    O MAIS ESTRANHO É AINDA COMENTAREM QUE O RIO ASSIM COMO O BRASIL É CAPITAL DA CULTURA.

    SEM FALSO MORALISMO E HIPOCRISIA, É MAIS UM PEDAÇO QUE SE VAI NO TEMPO, PROVANDO QUE NO BRASIL O QUE VALE MESMO É APENAS INCENTIVO PARA FALCATRUAS E MENSALÕES DA VIDA, CULTURA DO POVO , PARA QUE ???/ , PRECISAMOS DO POVO,MAS COM POUCO DICERNIMENTO DO QUE LHE CERCA PARA APENAS SERVIR COMO REBANHO EM VOTAÇÃO, E LÁ SE VEM OUTUBRO E MAIS PROMESSAS E MENTIRAS NA REPÚBLICA DAS BANANAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *