CINEMA LEBLON, NOVIDADES

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Em CINEMA LEBLON, TOMARA QUE RESISTA comentamos o assunto depois de nota divulgada naquele mesmo jornal dando conta das negociações entre o Grupo Luiz Severiano Ribeiro e as Lojas Marisa sobre o aluguel do prédio.


Hoje há novidades, segundo uma reportagem no jornal O Globo, sobre o fechamento do cinema.


O Globo

A idéia dos proprietários é construir um prédio comercial, também com cinemas. Foi o que fizeram no lugar do magnífico e finado Cinema São Luiz. O motivo alegado para a proposta: uma crise financeira que perdura há dez anos, afirmaram.




AO CINEMA DE RUA, SEM MEDO DA CHUVA
Cinemagia


Questionam o tombamento do imóvel, o que, até aqui, preservou a arquitetura singela art-decò, e, não obstante as dificuldades mencionadas, manteve o cinema em funcionamento: não fosse tombado ali já haveria mais um prédio envidraçado com 40m de altura, igual a tantos na Cidade Maravilhosa; e as ruas não teriam continuado tão animadas durante os últimos anos.

Aliás, não fosse a Área de Proteção do Ambiente Cultural – APAC do Leblon todas as construções baixas do quarteirão situado entre as ruas Carlos Gois e Cupertino Durão já teriam igualmente ido abaixo, substituídas por panos de vidro contínuos sobre mais farmácias e agências bancárias no andar térreo.


Curiosamente o Grupo empreendedor é dono dos cinemas que existem no Shopping Leblon, a dois quarteirões do cinema de mesmo nome, o que certamente contribuiu para esvaziar a sala de rua antiga – assim como tantas outras, é verdade. Foram inaugurados em dezembro/2006. Não havia crise financeira, por certo.

Recentemente o espaço do Cinema Leblon passou a abrigar também temporadas de ópera internacionais com transmissões ao vivo. Parecia uma ótima solução para atrair o público que não frequenta as sessões pipoca-blokbusters e preencher outros horários. As sessões estavam sempre esgotadas. 

Ainda curiosamente, neste caso a Prefeitura não apelou para a fórmula milagrosa – e questionável – que pretende manter atividades sob ameaça de extinção, como as lojas da Rua da Carioca, os ateliês que funcionam na antiga Fábrica Bhering, e a dança da Gafieira Estudantina: a declaração de utilidade pública para fins de desapropriação, confete para a mídia.

Será que os proprietários, de fato, pretendem fazer mais cinemas?

Não cremos.

Parece ser apenas mais um empreendimento imobiliário à vista cujo projeto, segundo a mesma notícia, felizmente o pedido recebeu a negativa dos órgãos de Proteção do Patrimônio Cultural da cidade.

E você, caro leitor do Urbe CaRioca, o que acha?




O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *