DESAFIO ÁGORA – RELATÓRIO ENTREGUE AO PREFEITO DO RIO, PRESIDENTE DO C40

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

NOTA 1: Ontem pela manhã tivemos ciência da decisão proferida pelo juiz Eduardo Antônio Klaunser, que, ao contrário do esperado, não atendeu ao solicitado pelo MPRJ. Entre outros aspectos considera que “Nenhum fato novo justifica a ampliação da medida deferida e a paralisação da implantação do campo de golfe para as Olimpíadas”. A decisão, entretanto, não invalida o resultado do Desafio Ágora da Prefeitura: PRESERVAR O PARQUE MUNICIPAL ECOLÓGICO MARAPENDI ÍNTEGRO foi a proposta com maior aceitação e visibilidade.

Caso o Prefeito do Rio, presidente do C40, queira ouvir a voz da sociedade civil carioca, respeitar o Parque Ecológico Marapendi, e garantir a construção da Avenida Prefeito Dulcídio Cardoso, que protege a reserva, nada o impedirá. É a oportunidade que tem para apresentar-se como um verdadeiro estadista.

    Luti Guedes, coordenador do Ágora Rio, entrega o Relatório Final ao prefeito Eduardo Paes; 24/11/2014 – Foto: Site Desafio Ágora

DESAFIO ÁGORA – RELATÓRIO ENTREGUE AO PREFEITO DO RIO, PRESIDENTE DO C40


O relatório final do projeto Ágora com as 25 propostas apresentadas pelos cariocas – comentadas por órgãos da Prefeitura e por outros participantes – foi entregue ao Prefeito do Rio na última segunda-feira. Os leitores do blog tem ciência de que a proposta do Urbe CaRiocaPRESERVAR O PARQUE MUNICIPAL ECOLÓGICO MARAPENDI ÍNTEGRO’ foi a ideia mais debatida e comentada entre as 378 apresentadas. Em termos de pontuação foi a segunda colocada, mesmo com a enxurrada de votos negativos e estrelas sem brilho concedidos pelos predadores da cidade, que não conseguiram anular os muitos votos positivos e constelações trazidos pelos defensores da Cidade Maravilhosa, do Meio Ambiente, e do desenho urbano que contorna a Lagoa de Marapendi (v. reportagem no Globo Esporte).


A nosso pedido, os organizadores incluíram a descrição da ideia correta, antes considerada por eles, erroneamente, para “eliminar o Campo de Golfe”. A descrição inserida no documento final é:

Descrição:
Manter a continuidade da reserva ambiental ao longo de toda a margem norte da Lagoa de Marapendi, área protegida há mais de meio século, cuja parte destinada ao Parque vem sendo implantada há décadas durante sucessivas administrações públicas, mediante a doação de áreas à cidade gradativamente, na medida em que condomínios de edifícios, residências e prédios comerciais são construídos conforme códigos de obras baseados no Plano Piloto para a Baixada de Jacarepaguá, de autoria do arquiteto Lucio Costa.
A proposta também implica em garantir a possibilidade de completar a Avenida Prefeito Dulcídio Cardoso (antiga Via 2), idealizada por Lucio Costa para separar as terras destinadas à ocupação urbana e protege a área de reserva, além de consistir em alternativa ao trânsito da Avenida das Américas através de uma “via calma” que margeia a restinga e proporciona lazer contemplativo, passeios a pé, de bicicleta ou veículos.
Do ponto de vista urbanístico, ambiental e cultural, perder a continuidade da reserva e do parque de Marapendi é inaceitável. Quaisquer outros interesses envolvidos devem partir dessa premissa e a ela serem adaptados, inclusive a intenção de construir um campo de golfe para os jogos olímpicos de 2016, que deve, no mínimo, respeitar os limites impostos pela via parque e pela existência da restinga protegida.


Do mesmo modo, os responsáveis incluíram nossas respostas à SMAC e à Empresa Olímpica:


À Secretaria Municipal de Meio Ambiente,
Obrigada pelo comentário, do qual discordo com veemência. Não preciso explicar os motivos porque certamente vocês os conhecem. Essas afirmações são sofismas. Enganarão a muitos, pois o assunto é extremamente complexo. A cimenteira funcionou perto da Avenida das Américas e a parte mais importante da APA é a que fica mais próxima da Lagoa, protegida pela divisão criada por Lucio Costa ao projetar a Via 2, e que foi devastada pela obra do campo onde a vegetação nativa estava resguardada e não degradada. Se quiserem recordar algumas das explicações sugiram que revejam o primeiro artigo do Blog Urbe CaRioca – PACOTE OLÍMPICO 2 – O CAMPO DE GOLFE E A APA MAREPENDI 
http://urbecarioca.blogspot.com.br/2012/11/pacote-olimpico-2-o-campo-de-golfe-e.html – e vários que estão em EXTRA! SOBREVOANDO O CAMPO DE TODOS OS POSTS. Entre os mais recentes sugiro GOLFE – PARA NÃO ESMAGAR A RESERVA AMBIENTAL, HÁ  ALTERNATIVA neste link
O GOLFE, O ARTIGO, A RÉPLICA E A TRÉPLICA  neste link
Ab. Andréa Redondo / Blog Urbe CaRioca
À Empresa Olímpica,
Sugiro dirigir as explicações ao Sr. Fausto que escreveu a seguir. Obrigada pelos esclarecimentos, mas nada justifica retirar uma parte do Parque Ecológico Marapendi. Nada. Que não sugerissem o Golfe ao COI. O esporte, salvo engano, não constava do dossiê da candidatura. Ou seja, foi proposto depois da escolha da cidade. Corrijam-me, por favor, se eu estiver enganada. Se estou certa, ou não fizessem lá, ou fizessem em outro lugar. Não faltam. Japeri? Teresópolis? Itanhangá adaptado? Búzios?
Não quiseram mais um campo de golfe no Rio, mas dar viabilidade a um empreendimento imobiliário agraciado com mais valia trocada por terras públicas e o sacrifício um parque definido há meio século. Na minha visão e na de muitas outras pessoas, atos inconcebíveis e inaceitáveis. Obrigada pelo contato, mas no momento não é possível responder ponto por ponto, argumentos já explicados em várias análises publicadas, e também feito no artigo da americana Elena Hogdes – 
O GOLFE, O ARTIGO, A RÉPLICA E A TRÉPLICA

A quem interessar o relatório final pode ser conhecido neste link. Segundo a página, “no dia 4 de dezembro, às 20h, o prefeito apresentará a todos os cidadãos e cidadãs da cidade o caminho que cada ideia seguirá dali em diante através de uma videoconferência”.


_____________________________

NOTA 2: “Enquanto o Prefeito lê o relatório, aguardemos a palavra do Juiz da 7º Vara de Fazenda Pública sobre o parecer do Ministério Público – RJ, que pede a suspensão da licença ambiental.” (parágrafo final deste post, retirado devido à publicação comentada ontem em O JUIZ E O GOLFE – ÚLTIMAS NOTÍCIAS: MESMO PREVISÍVEIS, DECEPCIONANTES).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *