S.O.S. PATRIMÔNIO CULTURAL – AUDIÊNCIA PÚBLICA NA ALERJ EM 11/05/2015

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O grupo S.O.S. Patrimônio Cultural foi criado na rede social Facebook em 22/06/2014, como desdobramento de outro grupo também atuante, o Rio Antigo. 

Ambos difundem o Patrimônio Cultural da cidade e defendem a preservação da memória urbana, tanto através do resgate de histórias e imagens antigas, quanto pela manutenção da história viva contada pelas construções e paisagens que atravessaram gerações.

Membros do grupo fizeram um levantamento de bens abandonados e degradados que necessitam de cuidados imediatos – com 40 inicialmente, a lista já atinge o triplo e contém imóveis de outros municípios fluminenses – com o intuito de levar o problema a vereadores e deputados, para discutir políticas públicas e buscar ações pela preservação e restauro de bens culturais, e providências emergenciais.

O convite para uma reunião da Comissão de Cultura da Alerj gerou a audiência pública marcada para 11/05/2015, conforme cartazes.

Esperamos que a proposta do grupo – construir um espaço neutro onde os objetivos dos grupos de história da cidade e do país se façam representar numa causa maior, a PRESERVAÇÃO DE BENS NATURAIS E HISTÓRICOS, e estabelecer canais de comunicação entre os diversos órgãos públicos e a população interessada no tema – frutifique e dê visibilidade à questão.

Segue lista com levantamento dos primeiros 40 bens culturais:

ESTADO
1) Convento do Carmo, na Praça XV – prédio histórico onde morou Dona Maria, a Louca; durante anos esteve sob a responsabilidade da faculdade Cândido Mendes; retomada no governo Sérgio Cabral para ser instalada a sede do INEPAC no prédio. Abandonada há quase 5 anos;
2) Museu da Cidade, na Gávea – pertence ao Estado e está cedido ao Município – fechado há 7 anos;
3) Museu do Primeiro Reinado, em São Cristóvão – fechado;
4) Museu Carmen Miranda;
5) Prédio do ex-Museu do Índio , no Maracanã;
6) Museu dos Esportes – não confirmamos se está funcionando na Barra da Tijuca. Nesse caso, a falha seria somente de divulgação;
7) Museu dos Teatros;
8) Museu Laura Alvim –  ficava dentro da Casa de Cultura Laura Alvim;
9) Museu de Artes e Tradições Populares;
10) Casa de Oliveira Viana;
11) Fazenda Columbandê, em São Gonçalo – abandonada, com risco de incêndio e invasão;

MUNICÍPIO
 12) Prédio do Automóvel Clube do Brasil, no Passeio Público – fachada recentemente restaurada; interior está ruindo;
 13) Monumento ao General Osório, Praça XV;
14) Conjunto arquitetônico do Campo de Santana, Praça da República – em especial os portões e vasos das colunas de entrada e inúmeros postes de época depredados (foram retirados alguns vasos e o florão de um portão);
15) Conjunto arquitetônico do Passeio Público e antigos quiosques – local em péssimas condições;
16) Lei/fiscalização de tratamento paisagístico que impeça fiação aérea à frente dos bens;
17) Estações dos bondes de Santa Teresa e todo o sistema do transporte;
18) Casa de Banho de D. João, atual Museu da Comlurb, no Caju;
19) Chafariz da Pirâmide de mestre Valentim, na Praça XV;
20) Chafariz da rua Riachuelo – poluição visual;
21) Chafariz de Paulo Fernandes, na rua Frei Caneca;
22) Chafariz do Lagarto, também do mestre Valentim, na rua Frei Caneca;
23) Estátua em frente ao Teatro João Caetano – recentemente restaurada, já vandalizada;
24) Fazenda Capão do Bispo, em Del Castilho: precisa de restauro urgente, com guarita e vigia;
25) Fonte dos fundos da Igreja São Francisco de Paula, no Lgo. De São Francisco – uma das fontes mais bonitas da cidade quebrada; falta uma parte. Estacionamento no pátio da igreja causa prejuízos;
26) Monumento a Benjamin Constant, na Praça da República – vandalizada; faltam inúmeros adornos;
27) Museu do Bonde em Santa Teresa – tinha sede ao lado da garagem/oficina de bondes;
28) Portão de entrada do Parque Guinle – em avançado processo de deterioração causado por ferrugem; inúmeras peças decorativas do portão desapareceram;
29) Solar do Barão de São Lourenço, na rua do Riachuelo;
30) Balaustrada da Glória;
31) Balaustrada de São Cristóvão;
32) Coreto de São Cristóvão;

PROPRIEDADE PRIVADA
 33) Palacete São Cornélio, atuar junto aos proprietários;
34) Museu da Escravidão, na Rua Uruguaiana no segundo andar da Igreja do Rosário;
35) Museu do Gás – necessário atuar junto à empresa proprietária;
36) Hotel Glória: só existe a fachada;
37) Igreja Anglicana, em Santa Teresa: fachada em péssimo estado de conservação;
38) Largo do Boticário, conjunto arquitetônico – em deterioração;
39) Complexo histórico do hospital da Beneficência Portuguesa, na Glória: um dos prédios mais bonitos da arquitetura do séc. XIX ainda de pé, está em péssimo estado de conservação;

 40) Solar dos Abacaxis, no Cosme Velho – em estado de abandono, já foi depredado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *