RIO BRANCO x PRIMEIRO DE MARÇO – DOMINGOS NA URBE CARIOCA

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
RUA DIREITA, A PRINCIPAL RUA DO RIO COLONIAL

Rua Direita do Rio de Janeiro em aquarela de Thomas Ender. ACG01828. BANDEIRA, Júlio; WAGNER, Robert. Viagem ao Brasil nas aquarelas de Thomas Ender: 1817-1818. Petrópolis: Kappa Editorial, t.2, p. 405. Imagem e legenda reproduzidas do blog Rio 450. 



Notícia publicada ontem no jornal O Globo informou que no próximo 06 de setembro a Praça Mauá, que integra as obras de reurbanização da Zona Portuária, será reinaugurada, e a Avenida Rio Branco ficará fechada para veículos todos os domingos. Segundo a reportagem o Prefeito do Rio pretende “transformar a via num grande corredor cultural, por onde os pedestres poderão circular e conhecer melhor o patrimônio histórico da cidade”.

Projeto Porto Maravilha


A escolha da Avenida idealizada por Pereira Passos e inaugurada em 07/09/1904 leva a algumas questões. Por exemplo: o Veículo Leve sobre Trilhos – VLT também não vai funcionar aos domingos para evitar conflitos e acidentes com pedestres e ciclistas? Se funcionar, as pistas para lazer serão separadas fisicamente da faixa do VLT?



As construções antigas da época da inauguração da Avenida desapareceram ao longo do Século XX, salvo exceções no entorno da Cinelândia e a antiga Casa da Moeda e a sede do IPHAN. Nesse aspecto, a Rua Primeiro de Março é um sítio histórico preservado repleto de construções tombadas e de outros bens culturais importantes. Ladeada por diversas igrejas, inclusive a antiga Catedral da Sé, recentemente restaurada, integra o Corredor Cultural – uma das primeiras Áreas de Proteção do Ambiente Cultural – APACs – da cidade. A antiga Rua Direita ligava o Morro do Castelo e o Morro de São Bento, tem valor representativo ímpar e muito a contar aos cariocas e visitantes.

O Instituto de Arquitetos do Brasil – IAB e vários urbanistas haviam sugerido que o VLT passasse para Rua Primeiro de Março e o número de veículos e ônibus nessa via diminuísse para evitar danos aos bens históricos, ideia infelizmente não acolhida pela Prefeitura.

Diante desse quadro seria melhor fechar a Primeiro de Março aos domingos desde resolvida a questão viária (e sábados à tarde, por que não?), dando maior liberdade para o acesso de visitantes aos vários museus, centros culturais, igrejas, e à Praça XV, onde já foram encontrados mais pisos “pé-de-moleque”, tal como no Cais do Valongo e na Rua da Constituição.



ESCAVAÇÕES NA PRAÇA XV MOSTRAM O RIO ANTIGO – O PASSADO AFLORA DURANTE OBRAS DE REURBANIZAÇÃO NA URBE CARIOCA. Fotos de Alberto Cardoso, 26/08/2015


Outros trajetos de ciclovias e ruas de pedestres indicados fariam ligações com diversos setores importantes. Por exemplo (1) Cinelândia – Biblioteca Nacional – Museu de Belas Artes – Teatro Municipal – Arcos da Lapa; (2) Museu da Imagem e do Som –  Museu Histórico Nacional – Albamar – nova orla*; (3) Rua São José – Rua da Carioca – Praça Tiradentes – Praça da República; e (4) Candelária – Arsenal de Marinha – Morro de São Bento – Praça Mauá – Valongo.

Um ditado popular diz que há males que vêm para o bem. Ao insistir no VLT pela Avenida Rio Branco a Prefeitura pode ter resguardado um belo circuito histórico, um corredor cultural pronto, patrimônio que atrairá vida para o Centro do Rio nos fins de semana.

Fica registrada a sugestão deste blog.

Urbe CaRioca
NA ZONA PORTUÁRIA DO SÉCULO XX, NA AVENIDA RIO BRANCO, NA RUA DA CONSTITUIÇÃO E, AGORA, NO CORAÇÃO DO RIO, PALCO DO BRASIL COLÔNIA, DA REALEZA, E DO IMPÉRIO


RUA DIREITA, ATUAL RUA PRIMEIRO DE MARÇO
Hildebrandt, Eduard – Aquarela  24,6 × 35 cm – 1844
Internet



Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *