CRUZ VERMELHA E GABARITOS – ALERTA VERMELHO, OUTRA VEZ!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Publicamos duas postagens sobre o Projeto de Lei Complementar nº 120/2015, que visa aumentar os gabaritos de altura dos edifícios na região do bairro da Lapa conhecida como Cruz Vermelha, em pleno Centro Histórico Cidade do Rio de Janeiro.

A proposta perniciosa voltou à Ordem do Dia na Câmara De Vereadores. Portanto, as luzes vermelhas de alerta se acendem outra vez. No final do artigo reproduzido abaixo, de autoria do Ex-Prefeito e atual vereador Cesar Maia, há um apelo: “Que as faculdades de Arquitetura e Urbanismo, que urbanistas, procuradores, defensores do patrimônio histórico, moradores e políticos, soltem bem a voz, pois ainda há tempo de obstruir e sepultar definitivamente este escárnio contra a história urbana do Rio…”.

O blog procurou colaborar com as análises SEMPRE O GABARITO – A VEZ DA CRUZ VERMELHA (01/09/2015) e CRUZ VERMELHA: EM SOCORRO DA APAC (10/09/2015). O PLC faz parte do que chamamos de LEIS URBANÍSTICAS, PACOTE 2015, publicado no mesmo mês.

A palavra agora é dos vereadores.


Urbe CaRioca

 

  
UM CRIME CONTRA O CENTRO HISTÓRICO DO RIO!
Cesar Maia
Publicado originalmente no Jornal O Globo em 09/12/2015
       
1. Com a oposição do prefeito, e por iniciativa de vereadores do Rio de Janeiro, foi apresentado o Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 120/2015. A reação de urbanistas foi imediata. Esse PLC liquidaria a APAC da Cruz Vermelha, no Centro do Rio, pois aumentaria em 50% o gabarito na área da Avenida Henrique Valadares e Rua da Relação, e aumentaria em 500% a volumetria. E sem nenhuma precisão de pagamento de mais-valia pelo solo criado, estimado em R$ 1 bilhão de reais.
 
2. Com apoio do prefeito se tem conseguido obstruir a votação desde setembro. Mas agora o absurdo PLC volta à carga. As críticas relativas a tal aberração vieram de especialistas da Prefeitura do Rio com ampla experiência e do próprio gabinete do prefeito, que informou que era radicalmente contra a aprovação do PLC-120. Em setembro, o PLC obteve em horas, tempo recorde, parecer favorável de todas as comissões envolvidas. Na época, numa manobra de plenário, se tentou votar na frente dos vetos em pauta.
       
3. A resistência foi feita por outros vereadores por obstrução em plenário. Um mês depois, caiu de paraquedas no plenário da Câmara uma carta da Cruz Vermelha dizendo que tinha interesse na aprovação do PLC supostamente por razões ligadas às suas atividades de origem. Simultaneamente, o setor de comunicação da prefeitura enviou a vereadores uma lista de matérias publicadas pela imprensa em 2014 mostrando que a Cruz Vermelha do Rio estava sob suspeição e auditoria da Cruz Vermelha Internacional por desvios levantados. Por isso, não teria credibilidade para pedir voto para o PLC, especialmente por ir muito além da área que já controlou. Era muito estranha a tal carta.
   
4. E tudo ficou mais claro com a leitura em plenário da justificativa que acompanhou o PLC-120, apresentado por Vereadores 30 dias antes do “voo” da Cruz Vermelha local. Nada, rigorosamente nada, tinha a ver com qualquer coisa relacionada à Cruz Vermelha. Nada! Diz assim: “O Projeto de Lei Complementar em tela busca fomentar o desenvolvimento de toda zona de comércio e empresarial compreendida entre a Avenida Henrique Valadares e a Rua do Lavradio. É crescente a necessidade de infraestrutura que atenda à demanda tanto do turismo convencional quanto do turismo de negócios, bem como o incremento das zonas de comércio quando existe aumento também para diversas atividades econômicas relacionadas.” Recentemente, foi apresentada uma emenda ao PLC com apoio da maioria de todas as comissões, incluindo o uso misto — residencial além de comercial.

5. No dia 8 de setembro de 2015, o prefeito publicou o decreto 40.593, criando uma comissão especial para analisar quaisquer propostas e projetos de mudanças no Centro do Rio. O Centro é dividido em oito áreas. A área 6 é exatamente a APAC da Cruz Vermelha. Uma possibilidade de se dificultar o desastre urbano no Centro Histórico do Rio.

6. A partir desta semana, o PLC-120 estará nas pautas de votação da Câmara. Que as faculdades de Arquitetura e Urbanismo, que urbanistas, procuradores, defensores do patrimônio histórico, moradores e políticos, soltem bem a voz, pois ainda há tempo de obstruir e sepultar definitivamente este escárnio contra a história urbana do Rio, desintegrando a APAC da Cruz Vermelha.

Comentários:

  1. Inicialmente deveria-se melhorar/implementar os transportes de massa e tráfego da região. Somente depois aumentar a densidade demográfica desta área. Dizem que estão melhorando, mas a população ainda não percebeu isso em seu cotidiano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *