MEC x MINC x PATRIMÔNIO CULTURAL

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
ATUALIZAÇÃO EM 27/05/2016:
A lista inicial já está na página Urbe CaRioca do Facebook, na forma de enquete. É possível votar, conforme preferências, em vários bens culturais. A página é pública e divulga as postagens do blog, que podem ser acompanhadas também por aquela rede social.

Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro
Wikimedia

Durante a polêmica instalada no início do governo federal interino quando da fusão do Ministério da Cultura – MINC com o Ministério da Educação (que voltaria a ser o antigo MEC, Ministério da Educação e Cultura, abrigando as funções do MINC em uma Secretaria Especial), este blog refletia sobre um aspecto fundamental da cultura brasileira que não foi mencionado em uma única reportagem, ou um único protesto contra a “extinção” do MINC: a Memória Urbana representada pelo Patrimônio Histórico e Cultural edificado, seja em âmbito nacional ou de interesse local.

O movimento criado por artistas, cineastas e outros profissionais, basicamente ligados às artes cênicas, ao cinema, à música, e às artes plásticas, ganhou voz através das chamadas “celebridades”, figuras conhecidas pela maior parte da população especialmente através da televisão e do ‘show business’.

O MINC voltou. E o silêncio sobre bens culturais construídos continuou. 

A ideia era fazer um post aberto a partir de levantamento inicial de bens culturais tombados, preservados, ou passíveis de proteção, e convidar os leitores a darem continuidade à lista.
Coincidentemente – ou não – o jornal O Globo de hoje publicou reportagem extensa que mostra o abandono de prédios pertencentes à Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, com imagem da importante Capela São Pedro de Alcântara, na antiga Reitoria da Universidade, que sofreu um incêndio em 2011 e até hoje não foi recuperada, entre várias construções que estão em estado crítico.


Incêndio na Capela São Pedro de Alcântara, Praia Vermelha, Rio de Janeiro
Imagem: Rio e Cultura
A Cultura que demanda atenção não passa apenas pelo teatro, cinema, música e tradições históricas. Nosso Patrimônio Cultural edificado está permanentemente em risco. E nem sempre pode esperar.

Talvez as vozes dos artistas, indignados com a perspectiva de mudança na estrutura administrativa de ministérios da República, possam ajudar a defender também o patrimônio cultural brasileiro e carioca.
Além dos imóveis indicados na reportagem citada, abrimos a lista no blog com o Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro, situado no bairro da Gávea, que está fechado há seis anos, e com o Palacete São Cornélio, de propriedade da Santa Casa de Misericórdia, que fica no bairro da Glória.


Urbe CaRioca

Calçamento de pedras Pé-de-Moleque na Rua da Constituição, com mais de 2 séculos, destruído durante as obras para instalação do VLT. Nenhum artista se mobilizou pela preservação do achado arqueológico, testemunho da memória urbana da Cidade do Rio de Janeiro.


6 thoughts on “MEC x MINC x PATRIMÔNIO CULTURAL

  1. Os artistas se manifestaram a respeito do aapecto que mais diretamente os atinge, assim como aqui há manifestações sobre o que mais diretamente nos afige.
    Entretanto , olhando apenas este conjunto de reformas, ainda mais grave me parece a junção dos ex ministérios da Ciência e Tecnologia com o da Comunicação, já que abrangem áreas de quase inexistente interlocução! Como gerir um ministério como este, de caráter tão díspar?
    Por isso acredito que apenas uma ação que reúna a sociedade como um todo e exija uma discussão séria sobre quais as áreas de interesse da nação devem ser agrupadas e de que forma, na constituição da estrutura de ministérios que norteiem as diretrizes da evolução do país como um todo, de acordo com suas especificidades deste momento do desenvolvimento.
    O resto é loteamento político com a exclusiva finalidade de gerir forças que permitam a manutenção do poder…

  2. coloquem na lista o bem cultural Solar Del Rey em Paqueta, fechado há SETE anos, desde 2009! a despeito de uma ação civil pública, a prefeitura da cidade do rio janeiro não libera os recursos para contratação de projeto de restauro e execução de obra !!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *