POSTS SOBRE O METRÔ DO RIO – NOVOS RECORDES DE VISUALIZAÇÕES

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Atualização em 23/07/2016, sábado – Nota no jornal O Globo de hoje (Coluna Gente Boa) informa que moradores do Leblon farão um protesto no próximo dia 30 contra o projeto de paisagismo da Praça Antero de Quental. V. neste link.

O artigo UM PROJETO REAL E VIÁVEL PARA O METRÔ DO RIO, de Miguel Gonzalez foi publicado neste blog há pouco mais de quatro anos e sempre se manteve entre os posts mais lidos desde então.

Nos últimos dias, a excelente análise do autor – que é responsável pelo blog Metrô do Rio, fonte preciosa de informações e estudos sobre o tema mobilidade urbana – voltou a bater recordes de acessos, o que creditamos a alguns fatos recentes:


Praça Nossa Senhora da Paz, trecho preservado. Foto: Urbe CaRioca, junho 2016
Praça Nossa Senhora da Paz, parte central. Foto: Urbe CaRioca, junho 2016


_ A abertura da Avenida Ataulfo de Paiva e a entrega das Praças Nossa Senhora da Paz e Antero de Quental (Ipanema e Leblon, respectivamente);


_ A surpresa causada pelas praças despojadas de sua antiga vegetação frondosa, substituída por palmeiras e, em especial, a construção de respiradouros e dois acessos gigantescos próximos um do outro na Praça Antero de Quental, que a irreverência do carioca já apelidou de “Chernobyl”;


Praça Antero de Quental, Leblon. Foto: Urbe CaRioca, 19/07/2016
Praça Antero de Quental, Leblon. Foto: Urbe CaRioca, 19/07/2016

_ As notícias de que a ampliação da Linha 1, rebatizada de Linha 4 Sul, ficará disponível apenas para portadores do cartão RioCard Olímpico, e de que a construção da Estação Gávea foi postergada;


_ A repercussão da ótima e instigante reportagem de Ítalo Nogueira publicada no jornal Folha de São Paulo em 18/07/2016 – “Obra de metrô do Rio usou contratos firmados no século passado”.


Por todo o exposto e as várias análises de especialistas que lamentam o abandono da Linha 2 (deveria ter sido concluída pelo menos até à Estação Carioca) e afirmam ter sido equivocada a mudança do trajeto da Linha 4 original, soluções que melhor atenderiam à cidade e à população, em especial os moradores da Zona Norte, e beneficiando também alguns municípios da Região Metropolitana, vale repetir o artigo esclarecedor de Miguel Gonzalez que pode ser lido no link abaixo. Recomendamos ainda a leitura sobre a “Estação Fantasma” – a segunda plataforma da Estação Carioca, também de Miguel Gonzalez.



Urbe CaRioca




Miguel Gonzalez, 27/06/2012


Terreno onde deveria ter sido construída a Estação Morro de São João, na Rua Álvaro Ramos,
Botafogo, próximo ao Shopping Rio-Sul, integrante do projeto da Linha 1

DESAPROPRIAÇÃO IPANEMA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *