ZONA PORTUÁRIA E AV. RODRIGUES ALVES – BOULEVARD EXPRESSO, SEGUNDA EDIÇÃO

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Foto: Beth Santos/ GERJ


O post A ZONA PORTUÁRIA E O BOULEVARD EXPRESSO: Comentários de Edison Musa, Roberto Anderson, e outros foi recordista de acessos neste blog, com mais de 1000 visualizações. A surpresa causada pela foto publicada na grande imprensa, no último dia 21/06, gerou inúmeros comentários, entre os quais o de que o espaço equivalia ao mesmo Elevado da Perimetral, porém ao rés-do-chão, deslegitimando a tão prometida e esperada reurbanização/revitalização da Zona Portuária.

Alguns dias depois nova reportagem no mesmo jornal (O Globo, 03/07/2016) parecia querer redimir o que a imagem anterior provocara. Trecho:


“Entre os antigos casarões e os armazéns do Cais do Porto, uma via centenária renasceu dos escombros de um viaduto. A Rodrigues Alves, batizada em homenagem a um ex-presidente da República, ressurgiu como avenida após ficar à sombra do Elevado da Perimetral por mais de meio século. De uma ponta a outra, 3,2 quilômetros separam seus extremos. Metade desse trecho, entre a Praça Mauá e o Armazém 6, faz parte da Orla Conde e foi transformada num boulevard. O espaço, todo arborizado, tem banquinhos e deques à beira da Baía. Por ali também circula o moderno VLT, com três pontos de embarque e desembarque de passageiros.”

A nova foto – de fato um alento – e a reportagem mostram que a Avenida Rodrigues Alves, agora livre do tabuleiro da Perimetral, recebeu dois tratamentos: o primeiro trecho entre Praça Mauá até o Armazém nº 6 é humanizado e também chamado Orla Conde embora não fique exatamente na orla marítima; o segundo trecho é apenas mais uma Via Expressa igual às muitas que temos na Urbe CaRioca.


Foto: Beth Santos/ GERJ


Por certo legados verdadeiros, olímpicos ou não, são: a Praça Mauá; a parte da orla liberada aos pedestres; e o Veículo Leve sobre Trilhos – VLT que até aqui tem se mostrado um sucesso, ao menos do ponto de vista turístico.

De resto, o alívio no trânsito da cidade com a abertura do novo túnel, do “Boulevard Expresso” e da Via Binário não se concretizou, o projeto imobiliário equivocado ainda não deslanchou, as críticas sobre a falta de projetos habitacionais continuam, o Porto dito Maravilha frequenta as páginas policiais, e mais um trecho do “Boulevard” foi entregue, sabe-se lá por que batizado com o nome de Muhammad Ali! Melhor seria dar o nome do famoso boxeador a algum espaço no Parque Olímpico, por óbvio! Ou, talvez faltem brasileiros ilustres mortos para serem homenageados!

Não obstante aspectos positivos, mais polêmicas na Área Central do Rio de Janeiro estão a caminho: o projeto para pintar as fachadas de vários armazéns com grafites, e  a demolição de outros.

Quanto à pintura, causam estranheza propostas que, mais uma vez, fazem da cidade quintal particular de poucos, no caso, a produtora que a idealizou. Quem dirá o que melhor cabe à nossa paisagem urbana?

O presidente do Instituto Rio Patrimônio Cultural da Humanidade vê “com muita apreensão o uso recorrente do grafite como uma solução urbana, porque a cidade começa a virar uma colcha de retalhos visuais”, mas não se importa com as demolições: “do ponto de vista da preservação, não se constatou a necessidade de o Executivo determinar a preservação de todos os depósitos”.

Este blog concorda que o excesso de pinturas pode ser prejudicial à paisagem urbana. Sobre as demolições entende que o conjunto deve ser reavaliado quanto à sua manutenção e recuperação. Afinal, o contexto do tombamento feito no ano 2000 – que propôs manter apenas dos armazéns de nº 1 a 7 – era outro, embora as pressões do mercado imobiliário de então e de hoje sejam as mesmas.

É hora de rever os conceitos de acordo com o fortalecimento das ações pela preservação do patrimônio cultural carioca que aumenta a cada dia, seja pelas ações das próprias instituições governamentais, seja porque a sociedade está mais atenta e participativa. É hora de nova análise por parte do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro.

Urbe CaRioca
Avenida Rodrigues Alves, início do Século XX
Internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *