O PASSEIO PÚBLICO DO RIO DE JANEIRO E AS ÁGUAS DA ANTIGA LAGOA DO BOQUEIRÃO DA AJUDA

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Passeio Público, 20/09/2016 – Foto: Marconi Andrade

Passeio Público, 20/09/2016 – Foto: Marconi Andrade
Na última terça-feira, dia 20/09/2016, o Passeio Público do Rio de Janeiro amanheceu alagado, após as chuvas fortes que ocorreram durante a madrugada anterior. 

Naquela região o alagamento atingiu ainda a Avenida Rio Branco, a vizinhança do Passeio, o entorno da Praça Paris – no bairro da Glória -, e, mais adiante, a Rua do Catete, no bairro de mesmo nome.

Na Zona Norte, alguns bairros próximos ao Centro também sofreram as consequências das chuvas, conforme notícias na imprensa.
Especificamente quanto ao Passeio Público, no mesmo dia Marconi Andrade – presidente da Associação de Moradores e Amigos da Glória, AMA Glória, e membro fundador do Grupo S.O.S. Patrimônio, da rede social Facebook – fez o seguinte relato:
“Venho denunciando há meses a obra da Cedae ao lado da Praça Paris (cinturão sanitário) que está dando retorno de esgoto nos lagos do Passeio Público. Após conceder entrevista ao RJTV e à TV Band denunciando esta situação, a Cedae me desmentiu. Se procurarem em publicações anteriores minhas no grupo S.O.S. Patrimônio sobre o Passeio Público verão que o esgoto é um problema há algum tempo, principalmente quando a maré está alta como no dia de hoje”.
Passeio Público, 20/09/2016 – Foto: Marconi Andrade

Passeio Público, 20/09/2016 – Foto: Marconi Andrade

Passeio Público, 20/09/2016 – Foto: Marconi Andrade
Marconi Andrade refere-se às obras da galeria de cintura realizadas pela CEDAE para minimizar o problema do lançamento de esgotos na enseada da Marina da Glória, obra essa feita “pra Olimpíada” e, efetivamente anunciada como um paliativo, pois a própria companhia avisou que o lançamento não seria evitado em dias de chuva, mas, serviria para a captação do esgoto em tempo seco. Consta que a balneabilidade da Praia do Flamengo melhorou, salvo durante e após período de chuvas como é de praxe nas praias do Rio de Janeiro.

Ao conhecer a história do Passeio Público do Rio de Janeiro sabemos que a lagoa ali existente – do Boqueirão da Ajuda – era local de despejo de dejetos, lagos que foi aterrada para a construção de um jardim público (1779-1783), pelo vice-rei do Brasil, D. Luís de Vasconcelos.

A considerar os relatos de outros passantes sobre o mau cheiro que se sentia à distância, e a possível relação entre a obra da CEDAE e a mistura de água de chuva com esgoto que invadiu os jardins do vice-rei, parece que voltamos ao século XVIII.

A Prefeitura, por sua vez, embora seja responsável pelas galerias de águas pluviais, acusou a CEDAE pelos alagamentos no Centro e na Zona Norte.
Com a palavra, os técnicos e especialistas no assunto.

Urbe CaRioca

 

Passeio Público, 20/09/2016 – Foto: Marconi Andrade

Rua do Passeio, 20/09/2016 – Foto: Marconi Andrade

Passeio Público e Rua do Passeio, 20/09/2016 – Foto: Marconi Andrade



Sites e artigos sobre o Passeio Público:

http://ashistoriasdosmonumentosdorio.blogspot.com/2011/12/o-passeio-publico-do-rio-de-janeiro.html

Livros sobre o Passeio Público:

Passeio Público, a Paixão de um Vice-Rei, de Jorge Andrade
Os Pavilhões do Passeio Público, de Jane Santucci

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *