DE FÁBRICA DE SABÃO A POSSÍVEL CONJUNTO HABITACIONAL

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Minha casa, minha vida?

Seu projeto, minha vida?

Mais conjunto é desdita,

Casa ou prédio, outro erro.

Uma ideia antiquada,

Minha vida isolada,

Outro gueto que se habita.

**

Minha casa, minha vida?

Ou comuna apartada?

É asneira revivida,

Minha vida, preterida.

Moradia separada,

Minha origem, esquecida,

Muita gente repelida.

Conjunto Nova Sepetiba, Sepetiba, Rio de Janeiro

Sai governo, entra governo, e erros comprovados se repetem. Do ponto de vista urbanístico, os projetos mais recentemente batizados de Minha Casa, Minha Vida – sejam conjuntos de casas ou de edifícios de cinco andares – repetem o modelo existente há décadas no Brasil e na Cidade do Rio de Janeiro, aqui intimamente relacionados ao deslocamento da população que morava nas favelas da Zona Sul – casos mais conhecidos – e da Zona Norte, como foi o do espaço que recebeu a construção da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, nos anos 1960/70.

A construção sistemática de tais conjuntos urbanos ditos “populares”, em geral afastados do centro da cidade, em bairros dotados de pouca infraestrutura, formou verdadeiros guetos, sem a presença do Estado e sujeitos a toda sorte de problemas. Exemplo é a Cidade de Deus, retratada em livro e filme como lugar violento onde não há lei, mesmo que a grande maioria dos moradores seja de pessoas comuns, trabalhadores, cariocas de bem.

Mais recentemente, os conjuntos Nova Sepetiba – no bairro de mesmo nome – e Frei Caneca – onde ficava o antigo presídio, repetiram o modelo de isolamento, embora o primeiro seja distante de tudo, e o segundo fique no coração da cidade.

O Prefeito recém-chegado acena com a construção de mais um conjunto popular, no bairro de Benfica, no lugar do belo prédio industrial onde funcionou a antiga Fábrica de Sabão Português. É próximo ao Centro, é verdade, mas também à beira de uma via expressa, a Avenida Brasil, como foi a Vila do João. A se concretizar, que não seja o embrião para mais problemas insolúveis em pouco tempo, fruto de bolsões não integrados à cidade, onde só moradores passam.

O que diz o Instituto de Arquitetos do Brasil – IAB? O que diz a Academia?

 

Urbe CaRioca

Conjunto Frei Caneca Minha Casa Minha Vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *