POLUIÇÃO, JACARÉS E O CAMPO DE GOLFE: O QUE OS UNE?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Canal das Taxas, entrada da Favela Terreirão, Recreio dos Bandeirantes, Rio de Janeiro. Mata ciliar inexistente. Degradação total. Foto: Urbe CaRioca, 10/08/2017.
Canal das Taxas, entrada da Lagoinha, Recreio dos Bandeirantes, Rio de Janeiro. Foto: Urbe CaRioca, 10/08/2017.

Resposta: o Urbanismo, o Meio Ambiente, os Jogos Olímpicos, e o Ministério Público. Explica-se.

Ontem publicamos CAMPO DE GOLFE DITO ‘OLÍMPICO’ – NOVA DISPUTA, em referência a um litígio sobre a propriedade do terreno noticiado pela grande imprensa. Cabe lembrar que as análises deste site sobre a construção do campo de golfe em área de reserva ambiental estão disponíveis para busca com os marcadores ‘Campo de Golfe’, ‘Gabaritos’, ‘Mercado Imobiliário’ e ‘Jogos Olímpicos’, entre outros: o foco esteve nas questões do uso do solo, do sistema viário, e do meio ambiente.

Por coincidência, hoje foi noticiado que o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiroobteve a decisão da Justiça de recebimento da ação de improbidade administrativa ajuizada contra o ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes e a construtora Fiori Empreendimentos Imobiliários Ltda., responsável pela execução das obras no Campo de Golfe Olímpico”, como consta no site daquele órgão. Segundo o MPRJ a Prefeitura concedeu indevidamente a isenção de um determinado tributo “devido em razão da remoção de vegetação exótica na área do campo”.

Caso o ex-Prefeito venha a ser condenado, possivelmente terá que ressarcir o Município do alegado prejuízo ao erário, entre outras medidas. É assunto para juristas.

Infelizmente, nem o litígio anunciado ontem, muito menos a decisão da Justiça de hoje e sua continuidade até uma eventual condenação, devolverão à cidade o trecho com 450 hectares da Área de Proteção Ambiental Marapendi, eliminado para a construção do equipamento “olímpico”. Nem resolverão o problema da poluição generalizada das águas cariocas, em especial da Baía de Guanabara e das Lagoas da Baixada de Jacarepaguá, entre elas a Lagoa de Marapendi, que banha o Parque Municipal Ecológico Marapendi, fatiado pelo campo de golfe. Nem  A despoluição seria um dos legados olímpicos que não se concretizou, embora muito concreto tenha sido derramado em nome dos Jogos.

Os jacarés estão no meio dessa história. Esperando por águas mais limpas.

Urbe CaRioca

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *