O que o ISS disse para o IPTU e para o ITBI?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Imagem: Internet

A piada velha remete a uma propaganda antiga de bebida alcoólica. A resposta também é velha conhecida: “Eu sou você amanhã!”.

O paralelo, entretanto, nada tem de engraçado.

Depois do aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano – IPTU e do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis – ITBI, sancionado pelo Prefeito do Rio de Janeiro na última quinta-feira, é possível que o Imposto sobre Serviços – ISS sofra também aumento significativo, embora o verbo ‘sofrer’ se aplique em especial à população carioca e suas combalidas finanças.

Foi o que informou a Newsletter Ex-Blog do dia 28/09 passado, alertando sobre o Projeto de Lei nº 267/2017, enviado à Câmara de Vereadores pelo Poder Executivo junto com a famigerada proposta para os citados aumentos de IPTU e ITBI, que estarão em vigor para o exercício de 2018 (v. abaixo).

Aqui está o link para o PL nº 267/2018.

A análise no Ex-Blog de 28/09/2017 pode ser conhecida AQUI, inclusive a tabela comparativa que mostra as atividades sobre as quais hoje o imposto não incide e que passarão a ser objeto de cobrança pelo exercício.

Enquanto isso, os cariocas começam a se mobilizar contra a aplicação do aumento de IPTU: reunião com representantes de associações de moradores de bairros, organizações comunitárias e de diversas entidades está marcada para o próximo dia 24/10.

Urbe CaRioca

Reprodução Internet

Newsletter Ex-Blog, 29/09/2017

PREFEITURA DO RIO APRESENTA O PL 267/2017, ALTERANDO ALÍQUOTAS DO ISS!

  1. Na prática, o PL apenas cria algumas novas hipóteses de cobrança do ISS, como: Hospedagem e Armazenamento de dados online, criação de jogos e programas para tablet e celular, serviços de áudio e vídeo online (Netflix e similares), aplicação de tatuagem e piercings, atividades florestais, vigilância de mercadorias e rebanhos de animais, acabamento de objetos, guincho e guindaste, traslado de corpos cadavéricos, aluguel de jazigos. Para serviços como o Netflix, estabelece alíquota de 2%.

(…)

Ler na íntegra

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *