O Carnaval passa e deixa marcas na Cidade

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Após o Carnaval, as marcas do vandalismo e da falta de respeito com os bens públicos. Dois exemplos, entre tantos outros, ratificados pela inoperância e pela falta de planejamento dos órgãos públicos “competentes”.

As dunas de Ipanema

No primeiro, imagens da vegetação de restinga nas dunas de Ipanema, na Zona Sul do Rio, e canteiros destruídos durante a passagem de blocos no Carnaval pela orla. De acordo com o empresário , foram nove anos de dedicação junto com a sua equipe do Instituto-E somado ao trabalho de centenas de crianças de escolas públicas no plantio como educação ambiental, civilidade e inclusão. “Todos nós, cariocas e visitantes somos responsáveis por este desrespeito. Espero realmente que a um chamado para a recuperação das dunas, todos contribuam de alguma forma com o replantio. Que seja como as crianças plantando as mudas ou contribuindo sob doações, como faço desde o início”, afirmou em um texto publicado nas redes sociais. No dia 27 de fevereiro, inúmeras pessoas se reuniram para realizar um mutirão para o replantio

As dunas (Antes) – Imagem obtida na internet
(Depois) – Crédito: Marcos Moraes de Sá
(Depois) – Crédito: Oskar Metsavaht
(Depois) – Crédito: Marcos Moraes de Sá
Ressaca em Ipanema na véspera. Foto de 29/10/2016. As dunas protegeram a orla: único trecho da calçada e da pista de automóveis que não foi invadido pela areia. – Crédito: Susan Malpas

Os postes da Glória

Registros publicados no SOS Patrimônio, por Marconi Andrade. “Isto é o legado do Carnaval na Glória. Ano passado foram dois, que até hoje não foram reinstalados, mais um retirando pela Rio Luz e outro roubado. A pinha da escadaria foi removida porque estava solta”, afirmou.

Crédito: Marconi Andrade
Crédito: Marconi Andrade
Crédito: Marconi Andrade

São apenas dois exemplos.

Fica o alerta às autoridades para que a destruição seja evitada nos próximos anos. À população e aos artistas “puxadores de blocos”, que se conscientizem no sentido de preservar o patrimônio público – que é de todos – e que lhes sejam cobradores responsabilidade e o respectivo ressarcimento ao erário pelos prejuízos causados.

Urbe CaRioca

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *