Terreno no Flamengo: Aproveitamento – Parte 3

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

As figuras abaixo mostram o terreno do Flamengo – Próprio Estadual vendido pelo governo em processo iniciado há quase dez anos para “gerar caixa”; as limitações administrativas impostas pelo PAL 12773 / PAA 18791; a proposta do proprietário de construir dois prédios afastados das divisas no centro da quadra; e as possibilidades de ocupação conforme normas vigentes, em desenho esquemático.

A ser aplicado o art. 132 do RZ, é preciso separar parte do terreno para um equipamento urbano público. Seria um desejável jardim, por exemplo.

Coincidentemente, o jornal O Globo publicou recentemente reportagem sobre a dificuldade que a Administração Estadual encontra para concretizar a venda de dezenas de imóveis.

Posts anteriores sobre o terreno com frente para as ruas Dois de Dezembro, do Pinheiro, Machado de Assis e Arno Konder:

A melhor e desejável ocupação – nenhuma, mantida área de praça arborizada com jardins bem cuidados para uso da população, considerando que o Largo do Machado vem perdendo essa função nas últimas décadas – é um sonho impossível, dada a pequenez dos gestores públicos e a falta de conservação dos espaços públicos em toda a Cidade do Rio de Janeiro, retrato do abandono.

 

Detalhe do PAL/PAA de Urbanização vigente para o local
Uma dos exemplos de formação de Área Coletiva conforme Regulamento de Zoneamento em vigor.


Os desenhos dão forma às análises e hipóteses apresentadas em  O terreno no Flamengo – o empreendimento, as leis urbanísticas, e uma tese – Parte 1 e  Parte 2.

Urbe CaRioca

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *