Ainda sob ruínas, Hotel Glória amarga expectativa por um plano de revitalização

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Fechado e com as obras paralisadas desde o colapso do Grupo EBX, em 2013, comandado por Eike Batista, o Hotel Glória, primeiro cinco estrelas do Rio de Janeiro, construído em 1922, ainda amarga, sob ruínas, a expectativa por um plano de revitalização.  O fundo árabe Mubadala, de Abu Dhabi, assumiu em 2016 o hotel. Porém, por causa da recessão econômica que atingiu o Brasil nos últimos anos, o projeto de reestruturação do Hotel Glória ainda não foi sequer iniciado.

Segundo publicações recentes,  Menichini, que vive em Abu Dhabi, e outros investidores,  aguardam uma estabilidade política no Brasil, após as eleições de novembro, para tentar retomar as obras do edifício. A previsão é de que serão necessários US$ 100 milhões para finalizar a reforma do prédio.

Enquanto isso, as lembranças do imponente hotel que abrigou grandes artistas do cinema, cantores, políticos e chefes de Estado, além de sediar eventos como convenções, congressos e bailes de formaturas durante vários anos, cedem lugar ao cenário de completo abandono.

Marcelo Copelli

Abaixo, registros e notícias da atual situação do imóvel:

Área externa do outrora imponente Hotel Glória. Crédito: Urbe CaRioca, 18/07/2018
Área externa do outrora imponente Hotel Glória. Crédito: Urbe CaRioca, 18/07/2018
Área interna do outrora imponente Hotel Glória. Crédito: Urbe CaRioca, 18/07/2018
Área interna do outrora imponente Hotel Glória. Crédito: Urbe CaRioca, 18/07/2018
Área interna do outrora imponente Hotel Glória. Crédito: Urbe CaRioca, 18/07/2018
Área interna do outrora imponente Hotel Glória. Crédito: Urbe CaRioca, 18/07/2018

Empresário italiano quer reestruturar Hotel Glória

Italiano quer reconstruir hotel Glória (RJ)

Plano para Hotel Glória depende de mudança em lei

O italiano que quer dar nova vida ao hotel Glória

 

História

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *