As desnorteadas e precárias placas “Pra Olimpíada”

Placas tortas, enferrujadas e muitas vezes apagadas estão entre os problemas encontrados nas ruas do país. E o Rio de Janeiro, infelizmente, não foge ao cenário de precariedade.

É inexplicável que o gestor eleito gaste o dinheiro público com placas “informativas” que não cumprem a sua finalidade,  feitas de ferro, e em muitos casos, para serem instaladas à beira mar. No Leblon,  Zona Sul do Rio, a falta de cuidado e manutenção das placas para orientação dos pedestres foi registrada pelo nosso site. Leia mais

Post.Zitivo : Museu do Pontal é reaberto

Quatro meses depois de ficar alagado, o museu Casa do Pontal, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio, detentor  da maior coleção de obras do Mestre Vitalino, foi reaberto no último sábado, dia 27 de julho.

Na ocasião da inundação, a água atingiu 60 centímetros de altura e por pouco o acervo não foi destruído.  Foi pior alagamento no museu desde 2010.  A reinauguração só foi possível em virtude de uma “vaquinha virtual”, que reuniu quinhentas pessoas e arrecadou aproximadamente R$ 100 mil. Ainda assim, uma parte do museu não pôde ser reformada, porque o dinheiro não foi suficiente. Leia mais

Esgoto novamente é despejado na Baía de Guanabara

Nesta terça-feira, dia 25 de julho, recebemos a denúncia do leitor Antonio Carlos Cardoso Guedes sobre a continuidade do lançamento de esgoto na Baía de Guanabara.

Uma questão grave e recorrente.  Já em 2017 (!), o biólogo Mário Moscatelli sobrevoava a área e classificava o cenário como dramático, apontando que durante o período olímpico o problema foi resolvido, mas, logo depois,  manchas começaram a aparecer novamente. Leia mais

A história da fábrica Moinho Fluminense

Um dos ícones da Zona Portuária do Rio de Janeiro, o imóvel da fábrica do Moinho Fluminense foi vendido neste mês para um grupo paulista. São  53 mil m² de área construída em um terreno de 27 mil m².

Inaugurado em 1887, o Moinho Fluminense foi a primeira fábrica de moagem de trigo do Brasil e sua história tem episódios relevantes, como o fato do seu alvará ter sido concedido pela Princesa Isabel, e no caso em que serviu de esconderijo para o então ministro da Fazenda Ruy Barbosa, em 1893, que precisou fugir de marinheiros durante a Revolta da Armada. Leia mais

Justiça Federal faz justiça: suspende a contratação do hipotético Autódromo do Rio para preservar o Meio Ambiente em Deodoro, de Sonia Rabello

Neste artigo, a professora e jurista Sonia Rabello publicado originalmente no site “A Sociedade em Busca do seu Direito” destaca a decisão do Juiz da 10ª Vara Federal do Rio que acatou o pedido do Ministério Público Federal e suspendeu a efetivação do contrato (ainda não realizado) entre a Prefeitura do Rio e a Rio MotorPark Holding, que visava a construção de um hipotético Autódromo no coração da Floresta de Camboatá.

“Decisão que renova a esperança dos que lutam pela preservação da vida para as futuras gerações através da preservação do meio ambiente!”, afirma.

Urbe CaRioca

Projeto de Niemeyer, Casa das Canoas, no Rio, amarga com o abandono

Um dos marcos da arquitetura moderna brasileira, a Casa das Canoas, na Zona Sul do Rio de Janeiro, projetada por Oscar Niemeyer para viver ali com a família, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), está se deteriorando a cada dia.

A responsável pela manutenção do imóvel erguido em plena Mata Atlântica, no bairro de São Conrado, fechado há um ano, é a Fundação Oscar Niemeyer. Leia mais

Patrimônio da Humanidade, Cais do Valongo continua abandonado

Apesar do reconhecimento internacional e de ter sido declarado patrimônio cultural mundial há dois anos, o Cais do Valongo, no Porto do Rio, ainda não conta com a infraestrutura acordada com a Unesco para receber, de forma adequada, os visitantes.

A exemplo do que já foi dito neste blog pela professora e jurista Sonia Rabello, há um ano, de que, “apesar do espetáculo internacional, o Sítio Arqueológico do Valongo continua irresponsavelmente desprotegido”, destacando a dificuldade em se estabelecer uma verdadeira área de entorno/ambiência caso houvesse a real proteção pelo tombamento, a região ainda amarga com o abandono e a falta de iniciativas do poder público. Leia mais