Patrimônio em risco: imóvel histórico do antigo Automóvel Clube continua abandonado

Uma imagem que contrasta a beleza de um frontão neoclássico e o abandono que se arrasta há anos. Assim pode ser descrita a situação do prédio que abrigava a antiga sede do Automóvel Club do Brasil, na Rua do Passeio, no Centro do Rio.

Inaugurado em 1860 com um baile ao qual compareceu Dom Pedro II, o prédio já foi residência do Barão de Barbacena e sede da Sociedade de Baile Assembleia Fluminense, da Sociedade Cassino Fluminense e do Automóvel Clube no Brasil, além de palco para o último discurso do então presidente João Goulart antes do golpe de 1964.  Tombado peloInstituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), o imóvel de três andares abrigou o Bingo Imperial até 2003, antes de fechar as portas e abrir caminho para o abandono e a decadência.

Hoje, o edifício que carrega parte da história do Centro do Rio afoga-se na degradação. Conforme publicação do jornal “O Dia”, pela segunda vez este ano, não apareceu nenhum interessado no edital de concessão à iniciativa privada do edifício. Historiadores e arquitetos apontam a necessidade de ações emergenciais e do estabelecimento de um plano estratégico imediato “antes que este Palácio se transforme em cinzas”.

Urbe CaRioca

Prédio histórico do antigo Automóvel Clube está abandonado

Por Waleska Borges – Jornal O Dia

Link original

Pela segunda vez este ano, não apareceu nenhum interessado no edital de concessão à iniciativa privada do edifício do antigo Automóvel Clube do Brasil, no Centro. O certame deveria ter ocorrido na última quarta-feira. A primeira tentativa aconteceu em janeiro deste ano. Erguido em 1854, o imóvel – que é tombado desde 1965 pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) – pertence à prefeitura. Enquanto não há solução para o destino do prédio, ele está se deteriorando. Há rachaduras, paredes sem rebocos, vidros quebrados e parte do assoalho arrancada.

De acordo com o edital publicado pela prefeitura, estava prevista a concessão de gestão e exploração do imóvel pelo prazo de 25 anos, com a obrigação do interessado fazer a modernização das edificações existentes. Além disso, seria cobrado pelo município aluguel de R$ 37 mil mensais.

Para Sheila Castelo, fundadora da página S.O.S Patrimônio em uma rede social, as condições impostas pela prefeitura no edital de concessão torna a proposta inverossímil.”Essa situação de abandono é o reflexo da falta de planejamento das autoridades. Não vejo vontade política em resolver o problema”.

Em 2016, a prefeitura também decidiu abrir um chamamento público em busca de interessados em assumir o imóvel. O Automóvel Clube do Brasil (de São Paulo) foi o único interessado. A concessão, porém, não foi adiante. Fechado há 15 anos, o edifício de três andares chegou a ser invadido, em setembro do ano passado. A proposta era de implantar, no interior do casarão, um museu do automobilismo.


Restauração

“Uma solução rápida e emergencial tem que ser dada, antes que este Palácio se transforme em cinzas. Tenho um projeto para resgatar o prédio e instalar lá o Museu do Rodoviarismo e Automobilismo”, argumentou a arquiteta Elizabeth Parkinson.

Claudio Prado, diretor do Inepac, avalia o custo da restauração em torno de R$12 milhões. “É um prédio criado para ser um salão de bailes, lindíssimo porém muito específico, com pé-direito muito alto, o que dificulta o seu uso para fins comerciais, já que não se pode fazer grandes alterações por ser um bem tombado pelo Inepac”, comentou.

O arquiteto e historiador Nireu Cavalcanti lembra que o edifício é uma das principais construções em estilo neoclássico da cidade. Segundo ele, o espaço era frequentado pela elite do Império.


“O edifício foi projetado pelo arquiteto Araújo Porto Alegre. Era um lugar que reunia a elite e os intelectuais. Na minha opinião, o edifico deveria ser dado em comodato à UFRJ, que tem ali próximo a sua Escola de Música”, sugeriu Cavalcanti.


Por mais de três décadas, o edifício na Rua do Passeio abrigou o Automóvel Clube. Em 1996, por motivos financeiros, o imóvel foi alugado para a instalação do Bingo Imperial. O prédio foi leiloado no ano de 2003 sendo arrematado pelo município. Desde 2004, encontra-se fechado. A Secretaria Municipal de Fazenda informou que permanecerá em busca de um parceiro privado para investir, recuperar e ocupar o prédio. Não há data para nova licitação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *