A arte de fazer calçadas em petit-pavé, por Daniel Castellano

Nos registros gentilmente cedidos pelo fotógrafo Daniel Castellano, a arte de fazer calçadas em petit-pavé, em Curitiba. Um trabalho minucioso e encantador feito por um grupo de trabalhadores  artesanais, mestres calceteiros, formando as rosáceas paranistas desenhadas pelo artista Lange de Morretes. Confiram o ensaio !

Urbe CaRioca

Por Daniel Castellano

Quem passa diariamente pela Voluntários da Pátria, talvez tenha reparado em pequeno grupo de trabalhadores artesanais, assentando umaa uma, as pequenas pedras portuguesas que juntas, irão formar os mosaicos que estamos acostumados a ver pelas calçadas de Curitiba.

São os mestres calceteiros, que com muita paciência e técnica, encaixam milimetricamente as pequenas pedras de mármore e basalto, formando as rosáceas paranistas desenhadas pelo artista Lange de Morretes.

Um dos mais experientes é Sebastião, um dos calceteiros mais ancestrais em atividade no Brasil, já assentou pedras até no Rio de Janeiro, no Aterro do Flamengo. Acompanhei desde setembro o trabalho dele por muitos dias, observando com muita admiração a forma como ele trabalha.

Primeiro, com uma trena, mede o espaço em que as rosáceas ficarão posicionadas, depois posiciona os moldes feitos com madeira e papelão no solo que já está preparado e nivelado. Feito isso começa a encaixar as pedras brancas em volta dos desenhos, as que não tem encaixe perfeito, são lapidadas usando o martelo, com uma habilidade incrível.

Terminado o processo de encaixar as pedras brancas, os moldes de madeira são retirados e começa o mesmo processo de encaixe, só que agora com as pedras de basalto até que os desenhos estejam perfeitos aos olhos dos mais exigentes. Deixo para vocês este ensaio fotográfico para ser compartilhado, espero que gostem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *