VENDO O RIO, OITO TERRENOS DO MUNICÍPIO – DISCURSO E VOTAÇÃO DO PL Nº 1115/2015 EM 29/04/2015

Este link leva à discussão sobre a votação do Projeto de Lei nº 1115/2015, que prevê a alienação de oito imóveis municipais destinados originalmente à construção de escolas, praças, parques e jardins.

Do enorme texto que consta no site da Câmara destacamos a fala de alguns vereadores, que consideramos de acordo com as preocupações externadas em postagens anteriores neste blog.

A quem quiser conhecer discursos curiosos, veementes, estranhos ao tema, enganosos, vergonhosos, ou mentirosos…. E, sobretudo, tiver paciência… Há, de tudo, um pouco.

Os trechos foram selecionados pelo conteúdo e independem de preferências político-partidárias. O blog reitera que se atém a questões técnicas e prioridades que entende sejam de interesse da cidade e da população.

Os slides mostram a localização dos terrenos.

NOTA: Sonia Rabello comenta a aprovação do PL e, entre vários questionamentos, aponta possível conflito com lei federal tendo em vista as origens dos imóveis, doados à Prefeitura por imposição legal: neste link.

Urbe CaRioca

VISTAS AÉREAS COM INDICAÇÃO DOS IMÓVEIS



[...] Leia mais

MOBILIDADE DEVE SER PRIORIDADE, AFIRMA NOVO PRESIDENTE DO IAB

Rio de Janeiro, Mapa Rodoviário.
http://www.brazadv.com.br
O Blog Urbe CaRioca reproduz entrevista concedida pelo arquiteto Sérgio Ferraz Magalhães a Ítalo Nogueira – jornal Folha de São Paulo -, publicada em 19/7/2012, na qual o atual Presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil discorre sobre diversos temas de interesse geral das cidades e, em especial, sobre a Cidade do Rio de Janeiro. Os assuntos abordados, alguns instigantes, podem gerar bons debates. As imagens não constam da matéria original. Foram acrescentadas pelo Blog.  Boa leitura! =&0=& =&1=&
DO RIO O país planejou seu desenvolvimento econômico, mas esqueceu de preparar suas cidades. Resultado: metrópoles mal desenhadas que aumentam o custo de vida e desperdiçam seu potencial. A avaliação é do presidente eleito do IAB (Instituto dos Arquitetos do Brasil), Sérgio Magalhães, 67, que assume amanhã com três bandeiras: concurso público de arquitetos para todos os prédios públicos, execução de obras do Estado com projeto executivo, e fim da expansão territorial das cidades. O arquiteto diz que o investimento em bons projetos tem custo, mas evita desperdício após as obras. Na avaliação dele, as obras públicas no país contratadas a partir apenas de projeto básico estimulam o desperdício de dinheiro público. “Desde a Renascença se faz um projeto detalhado antes da execução da obra. Não diria que a Idade Média foi a Idade das Trevas, mas nesse aspecto sim”, disse.
Leonardo da Vinci, proposta de
níveis diferentes para o tráfego
The Urban Earth

Quais são as principais bandeiras da arquitetura hoje?
Temos que ter uma política urbana consistente que incorpore a dimensão da qualidade da produção do espaço público. Estamos com uma população urbana de 85% do total do Brasil. São mais de 170 milhões vivendo em cidades, e partimos de 12 milhões na metade do século passado, quando o processo de industrialização brasileiro se expandiu com mais consistência. Esse crescimento ocorreu num período que não é dos mais longos, entre 50 e 60 anos. Isso é uma dimensão monumental. Pouco países do mundo experimentaram.

Não só as cidades aumentaram, como o número de cidades aumentou. Se avaliarmos como se deu esse processo exponencial de crescimento, ele se deu do jeito que foi possível. O Brasil não projetou seu desenvolvimento urbano. O Brasil projetou seu sistema de desenvolvimento industrial, de agronegócio, a infraestrutura de energia elétrica e comunicações, o sistema financeiro… O Brasil sabia o que queria com a indústria: queria as indústrias de base e implantar parques industriais. No agronegócio, saímos de 30 a 40 toneladas de grãos para quase 200 milhões de toneladas. Tudo isso projetado. O Brasil se organizou para isso. Mas na questão urbana, o Brasil fez das cidades um instrumento para subsidiar os outros desenvolvimentos.[...] Leia mais

PosT.zitivo

O Urbe Carioca pretende inaugurar o que chamará de Post.zitivo.

A postagem de um Pos=&1=&=&2=&

aparecerá quando os governos estadual e municipal fizerem alguma coisa genuinamente boa pela cidade, ou tenham feito recentemente. Em termos de legislação urbanística os últimos tempos têm sido desastrosos. Aumento de potencial construtivo indiscriminado pela cidade, e às vezes, discriminado sem justificativa.[...] Leia mais