Sempre o Gabarito: Fundação Romão Duarte fecha as portas

Cada canto na Zona Sul é cobiçado. Fundação Romão Duarte, a ‘bola da vez’. Mais um lugar histórico se vai. Urbe CaRioca Após três séculos abrigando crianças abandonadas no Rio, Fundação Romão Duarte fecha as portas O imóvel já foi vendido, e um pedido de licença para construção está sendo analisado por técnicos da prefeitura Por Marcella Sobral e Selma Schmidt O Globo – 7 de julho de 2022 – Link original Na segunda-feira, 4 de julho, a última criança acolhida pela Fundação Romão Duarte deixou o casarão da Rua Paulo VI, 60, no Flamengo. Um ponto final numa história de quase três séculos dedicados a amparar menores abandonados no Rio. O pedido de suspensão de novos acolhidos foi feito pela própria instituição, em 18 de novembro de 2020. De acordo com o Tribunal de Justiça, a organização alegou escassez(Leia mais)

Notícias sobre o Rio Carioca

Recentemente publicamos o registro do Rio Carioca com águas limpas, destacando inclusive o relato do engenheiro Antônio Guedes ao retratar um “momento raro de uma limpeza da água entrando na Baía”, tendo a foz do Rio Carioca com a maré. Nesta terça-feira, o Diário do Rio de Janeiro publicou a notícia sobre a intensificação das ações de revitalização do Rio Carioca pela Prefeitura e pela Águas do Rio. Que venham os resultados. UrbeCaRioca    Prefeitura e Águas do Rio intensificam ações de revitalização do rio Carioca Com 7,4 km de extensão, o rio Carioca, passa pelos bairros de Santa Teresa, Cosme Velho, Laranjeiras e Flamengo, até desaguar na Baía de Guanabara Por Patricia Lima – Diário do Rio Link original O combate à poluição do rio Carioca tem sido um dos alvos preferenciais da concessionária Águas do Rio, que já(Leia mais)

Torre-brinquedo com altura equivalente a dezesseis andares no Parque tombado

Mais uma questionável ocupação de área pública. Desta vez no Parque do Flamengo, Zona Sul do Rio. A notícia divulgada no jornal on line Diário do Rio não especifica o local exato, mas menciona a Marina da Glória. A nova investida ratifica o desrespeito do poder público para com a paisagem da cidade. A partir de setembro, o “Dinner in the Sky”, idealizado na Bélgica, estará no Rio de Janeiro, com a já conhecida proposta de “jantar no céu”, em um espaço que terá capacidade para reunir até 22 participantes em uma área próxima ao Vivo Rio, em uma plataforma que ficará suspensa a 50 metros de altura, o que corresponde a um prédio de dezesseis andares. Tudo em uma área tombada patrimônio cultural da cidade. No fim do ano passado,  em um evento semelhante, o “Master Chef Brasil nas(Leia mais)

MPRJ obtém decisão que torna inconstitucional a Lei dos Puxadinhos

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro obteve, junto ao Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro , decisão que torna a “Lei dos Puxadinhos” inconstitucional. A Lei nº174/2020 concedeu condições especiais para o licenciamento e a legalização de construções e acréscimos nas edificações situadas na cidade, mediante o pagamento de contrapartidas pecuniárias, condições contrárias às normas legais. O Urbe CaRioca indaga o que acontecerá em relação a todas as obras que foram licenciadas, construções que a rigor deveriam ser demolidas, por não poderem existir. Caso o tema entre no campo do direito adquirido, evidentemente não caberia a este Urbe CaRioca analisar. Além disso, existe a questão das verbas pagas à Prefeitura pela construção das obras irregulares, fora-da-lei e objeto de benesses, vale repetir, a devolver, e o provável sem-número de ações judiciais(Leia mais)

Como era a Praia Vermelha, na Urca

O grupo Rio Antigo sempre brinda seus leitores com imagens maravilhosas de um Rio de Janeiro que não existe mais. Algumas despertam nostalgia sobre o que não conhecemos. Outras mostram que houve acertos em algumas modificações. A pesquisa de Conceição Araújo, membro do grupo, traz imagens de um tempo em que a Praia Vermelha não era visível para a população, mas apenas para os frequentadores do prédio onde funcionou o Terceiro Batalhão de Infantaria do Ministério da Guerra. Do ponto de vista da paisagem e do acesso, a cidade ganhou um magnífico local para o lazer e a contemplação, aos pés do Morro da Urca e do Pão de Açúcar. No entanto, aparentemente a demolição não ocorreu para obter-se tais benefícios, mas, devido a um evento político. Este Regimento tornou-se conhecido em 1935 porque nele ocorreu a Intentona Comunista, durante(Leia mais)

Desregulamentação da legislação urbana, de Roberto Anderson

No artigo publicado originalmente no site Diário do Rio, reproduzido abaixo, o arquiteto Roberto Anderson tece considerações sobre o que considera um processo de desregulamentação no mundo capitalista, iniciado na década de 1980. A este blog interessa o tema tratado a partir do quinto parágrafo, quando o autor aponta que aquele processo ocorre na Prefeitura do Rio de Janeiro de diversas formas. Menciona especificamente o novo modo como o licenciamento de obras se dá, em trâmite “acelerado até torná-lo bastante superficial”. Em seguida nos traz questão abordada em postagens recentes* do Urbe CaRioca sobre a proposta de um novo Plano Diretor para o Rio de Janeiro que está em análise na Câmara de Vereadores, em especial quanto à supressão de leis urbanísticas específicas para bairros da cidade, conceito introduzido a partir do Plano Urbanístico Básico – PubRio, de 1977 “que(Leia mais)

Sancionado projeto de lei que cria Zona Franca do Centro Histórico do Rio

Publicado no Diário do Rio de Janeiro a notícia de que o governador do Rio sancionou o projeto de lei que cria o Programa de Recuperação do Comércio do Centro da Cidade do Rio, conhecido como Zona Franca do Centro Histórico do Rio, abrangendo também a região do Porto Maravilha. A intenção é fomentar a recuperação econômica e a geração de empregos do comércio do Centro do Rio, que foi atingida com a paralisação de atividades durante a pandemia. O governo fica autorizado a renegociar dívidas de Inscrições Estaduais de quem atua na área, e a criar linhas de crédito específicas na AgeRio. Um trecho do texto original prevê a criação de um selo para identificar estabelecimentos comerciais históricos, com mais de 40 anos de atividades na região. Confiram o teor da Lei nº 9722 de 20 de junho de(Leia mais)

Urca – Um dos alvos do Plano Diretor proposto para o Rio

Há quase quatro décadas, moradores do bairro da Urca, na Zona Sul do Rio, organizaram um abaixo-assinado, distribuído em vários pontos da Cidade, solicitando o tombamento do prédio onde funcionou o antigo Cassino da Urca, evitando assim a sua demolição para a construção de um hotel no local ligado a um grupo multinacional, com 300 apartamentos, conforme previa um projeto que tramitava, em 1983, na Secretaria Municipal de Obras. Entre os vários motivos elencados no documento, ratificava-se o fato de, já naquela época, o bairro ser um dos “últimos recantos da cidade que se transfigurou e precisa recuperar a sua qualidade de vida, preservando o que resta da sua memória”. Além disso, destacava-se que o prédio do Cassino da Urca, onde posteriormente funcionou a primeira Televisão do Brasil, era o último dos cassinos existentes no Estado, “berço do maior movimento(Leia mais)