O Empreendedor Leblonense, Ilustrado

A pedidos, o Urbe CaRioca republica O Empreendedor Leblonense, Edição Ilustrada*.
Depois de semana dedicada a divulgar fatos preocupantes em relação ao Metrô, o espanto com as mansões na Gávea, e analisar uma leizinha que parece inofensiva, todos merecemos um refresco. Boa leitura!

CrôniCaRioca

O Empreendedor Leblonense

Curiosa cidade com seus tipos mais variados. O Leblon tem um camelô que me faz sorrir. Até aqui é o único e devo parar por aí. O sorriso vem por conta do que entendo ser tino comercial, empreendedorismo ou esperteza da figura, no bom sentido.

 

Está pelas calçadas há anos. Circula com seus produtos na mão. No verão, saídas de praia, chapéus, óculos de sol. No inverno, lenços para o pescoço, echarpes quentinhas. Se não faz calor nem frio, utilidades domésticas: cestos para roupas, porta-sapatos.
Dia nublado, nem frio nem calor:
utilidades domésticas
Imagens – Acervo Urbe CaRioca
Mais incrível é a transformação rápida e eficiente.

 

Em um dia quente, lá estava ele de manhã com os vestidinhos de praia multicoloridos. Poucas horas depois volto à rua e cai uma pancada de chuva grossa, refrescante, a chuva de verão que alivia a Urbe CaRioca, e… Quem surge? Ele mesmo, carregado de guarda-chuvas pequenos, grandes, coloridos, alguns com imagens do Cristo Redentor. 

Quase perdoo a infração ao Código de Posturas Municipais.
Nuvens carregadas a caminho. Vai chover.
Imagem – Acervo Urbe CaRioca
*Nota da Edição Ilustrada:
O Empreendedor não sabe que carrega imagem de um símbolo da Cidade, Patrimônio Cultural recentemente destruído pelo Governo Estadual com aprovação do Governo Federal e o silêncio do Governo Municipal. No guarda-chuva, a marquise do Maracanã, conquista preciosa de engenheiros e do concreto armado, ainda intacta.
Cristo Redentor e Maracanã, símbolos da Cidade do Rio de Janeiro.
O primeiro continua lá.
Imagem – Acervo Urbe CaRioca
MARACANÃ – 1949
AINDA SEM A MARQUISE. DEPOIS TEVE MARQUISE. HOJE NÃO TEM MAIS.
Imagem: www.blogs.diariodepernambuco.com


MARACANÃ – SEM A MARQUISE
Fonte: Internet

Deixe uma resposta para Marilia Martins Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *