Urbanildinho, um Carioquinha Legal

Um pecado chamado adimplência

Andréa Albuquerque G. Redondo

A CrôniCaRioca que é uma paródia do que dispõe – e impõe – o Decreto que criou a DeCad*, uma obrigação não obrigatória para os cariocas

Urbanildinho é um menino carioca legal. Simpático e estudioso, está sempre com os deveres de casa em dia. Quando pode faz adiantado, pois prefere não dever o dever, nem entregar com atraso, para que a professora não se zangue e aumente o número de tarefas como castigo. Assim, fica despreocupado e sobra tempo para brincar com os amiguinhos. Os companheiros o apelidaram “Carioquinha”.

A mãe de Urbanildinho é uma pessoa estranha, todavia. Simpática, é verdade, ora muito falante e animada, ora silenciosa, conhece as virtudes do filho, porém jamais o elogia. Ao contrário, sempre exige mais do pobre menino que, cioso dos deveres, cumpria suas obrigações sem reclamar e aceitava os exageros da mãe, sempre com novas ideias extravagantes.

A mais estranha delas é que a cada ano a progenitora aumentava a quantidade de comida no prato da criança. Em silêncio, Carioquinha comia tudo. A ele, cabia obedecer. Afinal, quem mandava na casa era ela, pensava. Raspava o prato, ela via, e em silêncio se dava por satisfeita, até a refeição seguinte.

Passados uns oito anos de refeições ampliadas, a mãe finalmente se pronunciou: disse ao menino que a quantidade de alimentos já era suficiente, para alívio do filho empanzinado.

Para surpresa de Carioquinha, entretanto, diante dos olhos infantis arregalados e incrédulos, no ano seguinte o prato surgiu mais cheio. E a promessa anterior? Resignado, esforçou-se para agradar a quem detinha o poder e, outra vez, raspou o prato, triste porque não sobraria espaço na barriga para uma sobremesa.

Foi quando aconteceu algo inusitado. A dona da casa apareceu e rompeu o silêncio de novo para falar:

_ “Diga que comeu tudo!”.

Urbanildinho não compreendeu. O prato estava tão liso que parecia lavado. Apontou-o e, em silêncio, olhou para a mãe.

_ “Fale logo!”, disse ela.

Dessa vez a mãe extrapolara. Falar o quê se havia comido tudo? Os sinais eram evidentes: prato limpo, lixeira vazia, nem um cachorrinho para compartilhar o rebotalho, se houvesse: não havia nem o bicho nem a sobra. Decidiu não falar.

A dona da casa não se conformou.

_ “Se não falar vai ficar um ano sem receber mesada!”.

Urbanildinho pensou em ir ao Conselho Tutelar denunciar a mãe por castigar um menino tão legal, cumpridor das suas obrigações. Refletiu melhor e preferiu perder a mesada. A mãe que reconheça o prato devidamente esvaziado, rebelou-se.

Ainda tem a esperança de que ela desistirá do castigo. Afinal, muitos meninos desobedientes depois de alguns anos foram perdoados e até premiados por não fazerem o dever de casa!

_____________________________

* Decreto nº 48985 de 16/06/2021

(Clique sobre a imagem)

Resolução SMFP nº 3245 de 16/06/2021

(Clique sobre a imagem)

  1. Caro Eduardo,
    Muito obrigada pelo comentário. Fico satisfeita por saber que acompanha o Urbe CaRioca, e gostou da saga de Urbanildinho. Em breve chegará a segunda versão, sob a ótica de Urbanildo.
    Um grande abraço!
    Andréa Albuquerque G. Redondo

  2. Acompanho este blog há muitos anos. Adorei a CrôniCaRioca. A autora tem um humor na dose exata e mira de forma certeira nos desmandos dos alcaides de plantão. Parabéns por nos proporcionar esta leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *