Iphan disponibiliza gratuitamente milhares de publicações sobre patrimônio brasileiro

por 

Desde sua fundação em 1937, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) tem constituído e conservado um dos maiores acervos bibliográficos, documentais e iconográficos do Brasil. Ao todo, são 13 bibliotecas que guardam mais de 500 mil livros e periódicos, e estão interligadas entre si e às principais bibliotecas do país. Deste rico material, parte considerável está disponível online – e gratuitamente – na plataforma online do Instituto.[...] Leia mais

Obras de André Luis Mansur

Neste mês de julho, as interessantes e agradáveis obras do jornalista e escritor André Luís Mansur estão em promoção. Três livros por R$ 45.

“Marechal Hermes, a História de um bairro”. (a História deste importante bairro do subúrbio carioca)

“Tiradentes Carioca” (as relações de Tiradentes com o Rio de Janeiro)

“A Praça”. (Seu primeiro romance, que se passa em boa parte na Praça Tiradentes)[...] Leia mais

Centro Antigo do Rio recebe visita guiada por arquitetos; veja como se inscrever

Iniciativa gratuita é uma das ações do Comitê Executivo do Congresso Mundial de Arquitetos UIA 2020 RIO.

Por G1 Rio

Como uma das ações do 27º Congresso Mundial de Arquitetos da União Internacional dos Arquitetos (UIA), que acontecerá no Rio em 2020, será realizada uma série de visitas gratuitas guiadas por arquitetos pelas principais obras arquitetônicas da cidade – a primeira Capital Mundial da Arquitetura, em título da Unesco.[...] Leia mais

Viajantes estrangeiros na Zona Oeste Carioca no século XIX, de Adinalzir Pereira Lamego

Já está à venda na Livraria da Travessa e no site da Letra Capital Editora o livro “Viajantes estrangeiros na Zona Oeste carioca no século XIX”, do professor  historiador Adinalzir Pereira Lamego.

Sinopse: 

Este livro se propõe a contribuir no levantamento dos relatos de viajantes estrangeiros no Rio de Janeiro do século XIX, e relacionar um conjunto de textos sobre a passagem desses viajantes pela chamada Zona Oeste Carioca. [...] Leia mais

Análise do romance “A Praça” de André Luis Mansur

Neste artigo, a análise da escritora e jornalista Luciana Hidalgo sobre o romance “A Praça”, do jornalista e escritor André Luis Mansur. Vale a leitura.

UtilitáRio

“Acabei de ler seu romance agora e escrevo para dizer que é uma delícia de leitura. Para começar, adorei o fato de Luis Antonio ser um “passeador” (como não gostaria?). A ideia de centrar a maior parte do romance na Praça Tiradentes é ótima (o título do livro é perfeito).[...] Leia mais

Reflexos da poluição na Zona Norte do Rio

17 de janeiro de 2019 – Texto de Hugo Costa

Assunto: Reflexos da poluição na Zona Norte do Rio

“Esta foto é no Canal do Cunha e não vai ser compartilhada nas redes sociais, não vai virar imagem icone sobre o descaso com os corpos hídricos cariocas e nem vai gerar qualquer ação de órgão público de cobrança de despoluição. Sabem por quê? Porque a foto é na Zona Norte do Rio, no trecho entre a Av. Brasil e a Baía da Guanabara, onde estão os menores IDHM do Rio de Janeiro, e totalmente fora da área do município que é considerada Cidade Maravilhosa.[...] Leia mais

A História a um clique

O Instituto Rio Patrimônio da Humanidade publicou no site www.data.rio, a aplicação GIS “Patrimônio Cultural Carioca” que, além de apresentar uma breve história da proteção do patrimônio na Cidade do Rio de Janeiro e diversificado conteúdo sobre o trabalho desenvolvido pelo IRPH, também traz mapas georreferenciados (em GIS) e interativos que permitem consultar, aplicar filtros entre outras ferramentas de análise e pesquisa espacial sobre todo o acervo de Bens Tombados nas três esferas e governo, além de todas as áreas de proteção cultural, tais como as APACs, e seus Bens Preservados.[...] Leia mais

Cais do Valongo receberá quase R$ 2 milhões dos EUA

No Dia da Consciência Negra, uma ótimo notícia. O Cais do Valongo, Patrimônio Mundial da Humanidade, na Zona Portuária do Rio, receberá US$ 500 mil (quase R$ 2 milhões) em recursos do governo dos Estados Unidos. O monumento, reconhecido em julho de 2017 pela Unesco como o maior porto de africanos escravizados nas Américas, passará por obras de melhorias para que possa receber turistas nacionais e estrangeiros. Vejam mais detalhes na matéria publicado no jornal “O Globo”.[...] Leia mais