Pais Cariocas, 2020 – Meu pai

Imagem: internet

CrôniCaRioca

Querido Paizinho,

Se você estivesse aqui, imagino o que estaria fazendo durante cinco meses sem sair de casa. Pois, com 105 anos, na quarta ou quinta idade, em meio a uma pandemia que se arrasta, restaria ficar no apartamento da Tamandaré, aquele das muitas festas, aniversários, Natais e alegrias. Por certo aí no Céu dos Pais não existem coronavírus, doenças, medo, saudade… Por certo só um tipo de Paz que por aqui não há, parece. Quem sabe haverá, neste planeta, serenidade celestial para aqueles que desenvolveram a espiritualidade ao máximo, de alcance inimaginável para a filha saudosa de tantas coisas boas.

Pensar que estava no Rio de Janeiro, que tanto amava, quando outra pandemia chegou ao Brasil em 1918, justamente quando você completava quatro anos! Felizmente foi poupado da Gripe Espanhola, ou, quantas pessoas seriam privadas de conhecê-lo, eu não existiria, muito menos as boas lembranças que guardo, o carinho, os ensinamentos, as histórias, os passeios e o despertar para olhar, ver e admirar a cidade da Zona Sul à Zona Norte, a beleza do casario nos subúrbios, dos flamboyant, das mangueiras em Jacarepaguá, e do areal vazio que era a Barra da Tijuca.

Pensando bem, atravessaria a pandemia com a calma que lhe era peculiar. Era caseiro, gostava de consertar as coisas, de inventar – “O inventor inventa”, dizia – possivelmente no final do isolamento a casa estaria ainda mais em ordem, nenhum parafuso solto, nenhuma lâmpada queimada, madeiras envernizadas, o Ford 50 impecável e brilhando. Com tranquilidade hoje estaria na cozinha ajudando a Mãe CaRioca – ela sempre elétrica – a preparar uma Feijoada, um Cozido, a Bacalhoada com leite-de-coco, ou um ‘Bobó de Camarão à Cremilda. A sobremesa seria por sua conta, doce de abóbora com coco ou doce de mamão verde espelhado. O que não poderia imaginar é que os dois nos mandariam quentinhas por algum valente entregador mascarado, e nosso almoço de Dia dos Pais aconteceria através de uma tela via internet, mágica que não chegou a conhecer!

Sempre dei presentes, hoje gostaria de um. Que procure no Céu dos Inventores, Cientistas da Computação, Físicos e Engenheiros – não esqueça o Turing e Steve Jobs que podem dar uma força – e peça que escrevam para Tim Berners-Lee. Encontrarão um meio de se comunicarem! Juntos poderão inventar uma nova Web que nos ligue ao Céu dos Amados e sirva para uma reunião virtual de vez em quando. O invento respeitará uma condição: no trânsito mágico entre Céu e Terra circularão apenas boas notícias, daqui para lá e de lá para cá. Todo o resto será bloqueado.

Meu carinho e muita saudade.

Miss Berçário

A Serrinha Zigue-Zague
Crédito: Urbe CaRioca

Para conhecer um pouco:

Bolinho MiXto (2012)

PAIS CARIOCAS (2012)

A SERRINHA ZIGUEZAGUE E O MIRANTE DO ALBUQUERQUE (2012)

MEU PAI E O FORD 1950 (2013)

EM SETEMBRO SOAM PALAVRAS PLURAIS (2013)

DEPOIS DO FORD 50, PAIS CARIOCAS 2014

UM PAI CARIOCA MUITO CRIATIVO (2016)

O PAI DA MINHA AMIGA CLEIA (2017)

DE UM PAI PARA UMA FILHA (2018)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *