A importância da arborização urbana

E um texto da leitora Maria da Gloria Teixeira sobre o tema

A Fundação Parques e Jardins divulgou em suas redes sociais as ações realizadas no último fim de semana, com plantios de mudas no Boulevard Olímpico, Região Portuária da cidade. Entre as 26 espécies plantadas, estão Escumilha, Pau-Brasil, Pau-ferro, Aldrago, Gerivá, Babosa Branca, Sibipiruna e Ipê Branco.

Aqueles que quiserem ajudar nas dicas de lugares vazios para plantar, podem enviar sugestões para o e-mail priscilamarinelli.darb@gmail.com. Para que a Fundação possa atender, é preciso que as golas estejam vazias (como um local aonde tinha uma árvore que foi removida) e a quantidade mínima é de 20 pontos por bairro. Leia mais

O que você deve saber sobre arborização

A Semana do Meio Ambiente terminou. Mas o Meio Ambiente não terminará se for bem cuidado!

Reproduzimos abaixo o folder de autoria da Fundação Parques e Jardins sobre o que você deve saber sobre arborização, publicado pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro em 1996 como forma de esclarecer e conscientizar sobre as ações de preservação de nossas árvores e o impacto gerado no meio ambiente. Leia mais

Os poucos parques da cidade, de Roberto Anderson

Neste artigo, publicado originalmente no Diário do Rio, o arquiteto e urbanista Roberto Anderson faz um passeio pela história da criação dos parques da Cidade do Rio, seus encantos e os grandes desafios enfrentados por estes belíssimos, porém cada vez mais escassos, espaços públicos.

“Bairros populares da Zona Oeste e os subúrbios da Zona Norte permaneceram desprovidos de grandes parques urbanos. Há praças e pequenos parques, como o Ary Barroso, ocupado por diversos equipamentos públicos que o desfiguraram. Mas parques generosos, densamente arborizados, não há. A Floresta do Camboatá, em Deodoro, poderia ser uma opção importante, caso o infame projeto de um autódromo sobre a floresta não venha a vingar”, afirma. Leia mais