Semana do Meio Ambiente – A importância das áreas verdes em uma cidade, de Hugo Costa

Neste artigo, o geógrafo Hugo Costa, tendo como ensejo a Semana do Meio Ambiente, faz uma profunda análise sobre a importância das áreas verdes em uma cidade, seus efeitos e repercussões no dia a dia e no bem estar da população, sobretudo das crianças. “Não adianta ter uma enorme floresta em alguns `cantos´ (geográficos) do município e o resto da cidade sem áreas verdes. Os efeitos de controle térmico (ilhas de calor) e de poluição (atmosférica) não se estendem muito além das fronteiras desta área verde”, destaca. Urbe CaRioca O que é, o que é? Hugo Costa, geógrafo “Eu fico com a pureza da resposta das crianças” é um dos versos da música “O que é, o que é?” de Gonzaguinha e parece uma introdução interessante ao tema que tratamos aqui: a Cidade do Rio de Janeiro em números; Áreas(Leia mais)

O rapto do Rio Carioca, de Roberto Anderson

Neste artigo, publicado originalmente no Diário do Rio, o arquiteto Roberto Anderson aborda as transformações que o Rio Carioca sofreu ao longo do tempo, destacando a sua importância como alvo ideal para dar início à grande jornada de recuperação dos nossos rios. “Ele não pode continuar sendo misturado ao esgoto e jogado em alto mar. Os cariocas querem o seu rio de volta”, afirma. Ao final do artigo, vale conhecer a cartilha “Trilha do Rio Carioca”, organizada pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, e o link do artigo “Laranjeiras, berço do Carioca”,  escrito por Nireu Cavalcanti, arquiteto e historiador,  professor e diretor da Escola de Arquitetura e Urbanismo, para a comemoração da 100ª edição do Jornal Folha da Laranjeiras em maio de 1993. Urbe CaRioca Roberto Anderson: O rapto do Rio Carioca Link original Muito antes de existir(Leia mais)

Grama sintética versus árvores de verdade: prioridades versus gastos públicos

No artigo abaixo, o arquiteto Roberto Rocha, integrante do Conselho Municipal de Meio Ambiente da Cidade do Rio de Janeiro (Consemac) e do Grupo Ação Ecológica (GAE), aponta uma contradição entre as prioridades da Prefeitura do Rio em relação às questões ambientais e climáticas. No final do último mês, foi publicada no Diário Oficial do Município a chamada da Fundação Parques e Jardins para licitação para a “Implantação e recuperação de campos de grama sintéticas de áreas de lazer” no valor aproximado de R$ 22 milhões ! O autor destaca a importância da manutenção e da implantação de novas áreas destinadas ao convívio coletivo, porém faz um comparativo de valores, tanto em dinheiro, quanto à utilidade pública da medida e aos serviços ecossistêmicos prestados, e questiona a falta de investimentos em áreas ambientais primordiais que há anos aguardam atenção. Urbe(Leia mais)

A importância da arborização urbana

E um texto da leitora Maria da Gloria Teixeira sobre o tema A Fundação Parques e Jardins divulgou em suas redes sociais as ações realizadas no último fim de semana, com plantios de mudas no Boulevard Olímpico, Região Portuária da cidade. Entre as 26 espécies plantadas, estão Escumilha, Pau-Brasil, Pau-ferro, Aldrago, Gerivá, Babosa Branca, Sibipiruna e Ipê Branco. Aqueles que quiserem ajudar nas dicas de lugares vazios para plantar, podem enviar sugestões para o e-mail priscilamarinelli.darb@gmail.com. Para que a Fundação possa atender, é preciso que as golas estejam vazias (como um local aonde tinha uma árvore que foi removida) e a quantidade mínima é de 20 pontos por bairro. Ao mesmo tempo, a leitora Maria da Gloria Teixeira Rodrigues aborda o assunto de forma detalhada, e nos traz várias boas ideias que belas e civilizadas cidades pelo mundo inteiro apresentam(Leia mais)

Cadê o ipê que estava aqui? Ou, medidas compensatórias realmente compensam?, de Roberto Bastos Rocha

Neste artigo, o arquiteto urbanista Roberto Bastos Rocha chama a atenção para a remoção de árvores, dentre as quais um ipê branco, vencedor de concurso e capa do Diário Oficial da Prefeitura. Um exemplar que foi capaz de sobreviver às adversidades do meio urbano durante quinze anos, mas removido em prol da construção do novo prédio do Consulado Geral dos Estados Unidos no Rio de Janeiro. “Uma árvore cuja beleza foi reconhecida publicamente na capa do Diário Oficial! Quantas assim já eliminamos? Foi suprimida em função da nova construção? Apresentava condições inadequadas para a sua manutenção no meio urbano? Quem autorizou a sua supressão?”, questiona. Urbe CaRioca Cadê o ipê que estava aqui? Ou, medidas compensatórias realmente compensam? *Roberto Bastos Rocha – Arquiteto e urbanista aposentado da PCRJ. Conselheiro do Conselho Municipal de Meio Ambiente da Cidade do Rio de(Leia mais)

Aeroporto Santos Dumont – licença ambiental para obras pode ser cancelada

Publicado no jornal O Globo a aprovação pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), nesta quinta-feira, o cancelamento da licença do Instituto Estadual do Ambiente para obras no Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio. A Licença Prévia IN052107, emitida pelo Inea, tinha o objetivo de autorizar a expansão das pistas de pouso e decolagem do aeroporto. A proposta segue para o governador do Rio, Cláudio Castro (PL), vetá-la ou sancioná-la. Vale destacar que nas discussões relatadas pela imprensa não há menção a como o aumento do número de voos no Aeroporto Santos Dumont e a liberação para aviões de maior porte afetaria os bairros vizinhos ao aeroporto quanto a segurança e poluição sonora. Urbe CaRioca Alerj aprova decreto que cancela licença ambiental para expansão do Santos Dumont Medida faz parte da mobilização contra modelo de concessão(Leia mais)

Câmara aprova por unanimidade criação de Refúgio de Vida Silvestre na Floresta do Camboatá

A Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro aprovou por unanimidade nesta quinta-feira, dia 11 de novembro, em segunda discussão, o Projeto de Lei 1345-A/2019, que cria o Refúgio de Vida Silvestre da Floresta do Camboatá, no bairro de Deodoro. O PL que recebeu um substitutivo, tem como objetivo proteger o último trecho de Mata Atlântica plana do município do Rio, onde já houve um projeto absurdo para transformar essa área de preservação ambiental em um autódromo, e que implicaria na derrubada de mais de 200 mil árvores e o desmatamento de uma área de quase 160 hectares. Após uma luta  que durou vários anos e envolveu a mobilização popular e de ambientalistas, inclusive do Movimento Coletivo SOS Floresta do Camboatá, o projeto aprovado aguardará a sanção do prefeito Eduardo Paes para que o início da gestão. da reserva. Também(Leia mais)

Rio: O Projeto do Autódromo na Floresta de Camboatá continua vivo e tramitando, de Sonia Rabello

Neste artigo, publicado originalmente no site “A Sociedade em Busca do seu Direito”, a professora e jurista Sonia Rabello destaca que após um período de euforia, quando o novo governo da Cidade do Rio anunciou que desistiria de promover a construção do novo Autódromo na Floresta de Mata Atlântica de Camboatá, chama a atenção que o pedido de licença para sua construção continue tramitando no Instituto Estadual do Meio Ambiente (INEA). “O que aconteceu é que a Prefeitura do Rio, que era a proponente do pedido administrativo anterior, pediu o arquivamento do seu processo. Porém, a MotorPark abriu um novo processo, pedindo um novo licenciamento ambiental para a implantação do equipamento. Aparentemente, a empresa continua legitimada para fazer este pedido. E isto, em tese, só seria possível se a licitação feita pela Prefeitura ainda não tiver sido revogada!”, afirma. Urbe(Leia mais)

Audiência pública debaterá as mudanças urbanísticas no Cosme Velho

Nesta quinta-feira, dia 7 de outubro, às 18h30, a Comissão de Meio Ambiente da Câmara Municipal Rio realizará audiência pública para debater as mudanças urbanísticas no Cosme Velho e seus impactos no meio ambiente. A reunião será em ambiente virtual e transmitida pelo YouTube da Rio TV Câmara. Entre os os assuntos que serão discutidos na reunião estão: – Situação da APA Cosme Velho, instituída pela Lei nº1.784 de 1991. – Licenciamentos e projetos para o Largo do Boticário. – Impactos previstos pela aprovação do Projeto de Lei 136/2019 para a área. – Proposta de mudança de zoneamento prevista para o próximo Plano Diretor. Foram convidados para o debate: – Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMAC) – Secretaria Municipal de Planejamento Urbano (SMPU) – Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Simplificação (SMDEIS) – Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH)(Leia mais)

MPF pede para que obras do Memorial do Holocausto sejam interrompidas

O Ministério Público Federal ingressou com ação civil pública, com pedido de liminar, contra a Associação Cultural Memorial do Holocausto. O MPF pede para suspender toda a obra, inclusive a subterrânea, no Morro do Pasmado, em Botafogo, no  Rio. É que o Morro do Pasmado é tombado pelo Iphan, e o MPF pede para que a construção seja interrompida até o julgamento do mérito. Conforme já publicamos, o Memorial seria bem-vindo em outro local, adequado à paisagem urbana e natural, dentro da área aedificandi da Cidade, não em um Parque Público conquistado pela sociedade há mais de meio século, classificado como área non-aedificandi. O pedido ao MPF  foi feito pela  Federação das Associações de Moradores do Município do Rio de Janeiro (FAM-Rio), pela Associação de Moradores e Amigos de Botafogo (Amab) e AMAB e pelo Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos). Urbe CaRioca MPF(Leia mais)