Estação Gávea – MPRJ é contrário ao uso de verbas públicas

Após o governador do Estado do Rio de Janeiro ter anunciado que o buraco cavado para a construção da Estação Gávea seria aterrado, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) emitiu posicionamento sobre as obras da Linha 4 do metrô para conclusão da estação Gávea no qual defende a retomada das obras, porém sem o uso de verbas públicas, e que, com recursos próprios, a Concessionária Rio Barra S.A realize as obras brutas e arque com os custos. Leia mais

Estação Gávea – Metrô ioiô

Após o governador do Estado do Rio de Janeiro ter anunciado que o buraco cavado para a construção da Estação Gávea seria aterrado, e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) ter entrado com uma ação civil pública para que as obras da Linha 4 do metrô fossem retomadas, um novo capítulo deste imbróglio.

No fim de setembro, o governador Wilson Witzel recuou e afirmou um dos principais entraves para a continuidade das obras — a falta de recursos — seria solucionado utilizando-se dinheiro recuperado da Lava-Jato e parte da arrecadação dos royalties do petróleo. Leia mais

Metrô – MPRJ entra na Justiça para que o Estado retome obras da Estação Gávea

Após o governador do Estado do Rio de Janeiro ter anunciado no último dia 5 de setembro que o buraco cavado para a construção da Estação Gávea seria aterrado, conforme notícia veiculada no Jornal “O Globo“,  temos a notícia de que o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) entrou, nesta quarta-feira, dia 11, com uma ação civil pública para que governo do Estado retome as obras da Linha 4 do metrô. Leia mais

Metrô Estação Gávea – PUC divulga nota

A Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO) divulgou nota a respeito da decisão do governador de aterrar o buraco onde funcionaria a estação de metrô da Gávea. Assinada pelo Vice-Reitor de Desenvolvimento da PUC-Rio, Sergio Bruni, a instituição diz que a proposta anunciada por Wilson Witzel “ignora completamente aspectos técnicos básicos”, acrescentando que, dependendo da forma como o aterramento for executado, “poderá até ampliar os riscos já existentes”. Leia mais

ESTAÇÃO GÁVEA – ENTERRANDO DINHEIRO PÚBLICO

Este site urbano-carioca vem reproduzindo a ótima série sobre a história do Metrô – elaborada e publicada pela página “Metrô que o Rio Precisa” – que teve início com Pré História do Metrô do Rio e Início das obras e Inauguração do Metrô.

Curiosamente, o governador do Estado do Rio de Janeiro anunciou nesta quinta-feira, dia 5, que o buraco cavado para a construção da Estação Gávea será aterrado, conforme notícia veiculada no Jornal “O Globo“, já com grande repercussão. Leia mais

Início das obras e inauguração do Metrô

Em continuidade à série de postagens sobre questões, curiosidades e o histórico do Metrô do Rio, publicadas pela página “Metrô que o Rio Precisa”, temos neste capítulo o início das obras e  a sua inauguração.

Parte I – Pré História do Metrô do Rio

Urbe CaRioca

Início das obras e inauguração do Metrô

Publicado originalmente na página “Metrô que o Rio Precisa”

A Linha Prioritária (Saens Peña – Nossa Senhora da Paz), segundo o Estudo de Viabilidade (1968), deveria estar concluída em 1975, mas, devido a dificuldades, a Companhia do Metropolitano – METRÔ, decidiu construir só o trecho central, ligando a Praça Onze até a Glória, com 4,5 km de extensão. A conclusão desse trecho visava a integração com os trens metropolitanos (hoje chamado de Supervia) e também a eliminação de milhares de ônibus que entupiam o Centro. Uma das preocupações do METRÔ era a integração dos passageiros da Rede Ferroviária para o restante da cidade. O METRÔ projetou, no traçado de 1968, pontos de integração do metrô com os trens metropolitanos (Central e Méier na Linha 1 e Pavuna, Triagem, Maracanã e São Cristóvão na Linha 2). A Linha 2 ainda se integraria nas Barcas, através da estação Castelo. Nessa época as barcas Rio x Niterói eram o maior sistema hidroviário do mundo, transportando cerca de 190 mil passageiros por dia (hoje levam menos de 90 mil por dia). Leia mais

Pré História do Metrô do Rio

Muita gente às vezes pergunta por que o metrô anda tão cheio? Por que para no meio do caminho, por que não temos mais estações? O que aconteceu com a estação Cruz Vermelha? Por que a estação Carioca é tão grande? Por que duas estações General Osório? Por que temos que saltar em Botafogo para trocar de trem? Essas e outras questões e curiosidades serão respondidas em uma série de postagens pela página “Metrô que o Rio Precisa”, contando um histórico do metrô. Leia mais

A Casa de banhos de D. João, de André Luis Mansur

Neste artigo, o jornalista e escritor André Luis Mansur descreve uma curiosa história, entre tantas, envolvendo o príncipe-regente D. João. “Uma das mais pitorescas é a que envolve o carrapato que o teria picado na Fazenda de Santa Cruz, onde hoje é o bairro carioca de mesmo nome. Diante da ferida surgida na gorda e branquíssima perna do príncipe, os médicos da Corte não relutaram em receitar algo que ainda estava muito longe de fazer parte do hábito do carioca”. Vale a leitura ! Leia mais

Realengo – As terras do Rei, de André Mansur

Neste artigo, o jornalista e escritor André Luis Mansur destaca fatos da rica história de Realengo, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, bairro onde D. Pedro I “gostava de tomar uma famosa pinga, quando seguia para a fazenda de Santa Cruz”. Vale a leitura !

Urbe CaRioca

Realengo – As terras do Rei

Por André Mansur

O nome deste bairro, que ficou famoso com a música “Aquele abraço”, de Gilberto Gil, tem sua origem nas “terras realengas”, que eram locais públicos, pertencentes ao Rei, e que se destinavam principalmente à pastagem e ao descanso do gado, não podendo haver qualquer tipo de construção ou arrendamento da terra. Elas também não podiam ser doadas em sesmarias. Leia mais

Arquivo Nacional disponibiliza acervo sobre o Rio Antigo

Você sabia que o Arquivo Nacional disponibiliza um amplo acervo que faz um resgate do “Rio Antigo” com dezenas de fotografias históricas da Cidade ?

Além de vários registros, você também poderá ver vídeos, mapas, plantas arquitetônicas e gravuras de grandes ilustradores do século XIX.

Para ver os detalhes descritivos de cada peça, clique aqui.

Leia mais

História do Morro dos Dois Irmãos/Vidigal, de Cleydson Garcia

Neste artigo, publicado na página do “Especial Rio Antigo” e de autoria do estudante de Arquitetura e Urbanismo e pesquisador apaixonado pela história do Rio de Janeiro, Cleydson Garcia, a História do Morro dos Dois Irmãos / Vidigal.

“O acesso antigo, era pelo tortuoso caminho da Chácara do Céu, chegava-se até ali, através do antigo caminho da Restinga, atual Rua Dias Ferreira. E o outro caminho, que estava semi-aberto pela obra da ferrovia, deu origem à Av. Niemeyer, inaugurada em 1916. Ligando Leblon até as terras do Comendador Conrado Jacob Niemeyer, no bairro de São Conrado”, destaca o autor. Leia mais

A história e os encantos de Marechal Hermes, na Zona Norte carioca

No vídeo abaixo, fruto do trabalho de pesquisa e reportagem de alunos de Comunicação Social das Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), a história detalhada do bairro de Marechal Hermes, na Zona Norte do Rio, as curiosidades e os encantos do primeiro bairro operário do Brasil e idealizado pelo então Presidente da República, e Marechal, Hermes da Fonseca.

É importante lembrar que, após estudos realizados pelo então Departamento Geral de Patrimônio Cultural (hoje Instituto Rio Patrimônio da Humanidade – IRPH) e pelo Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural, no início dos anos 2000, em 2013 a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro criou Área de Proteção do Patrimônio Cultural – APAC do Bairro de Marechal Hermes, pelo Decreto nº 37069/2013, que contém a lista dos Bens Culturais/Imóveis Preservados e um mapa que indica os Bens Culturais Tombados. Para conhecer os bens protegidos, este é o link. Leia mais