Real e Benemérita Sociedade Portuguesa da Beneficência

Publicado originalmente na Página Olhos de Ver – Patrimônio Histórico Rio de Janeiro A página Olhos de Ver – Patrimônio Histórico Rio de Janeiro publicou um carrossel de fotos que registram parte do conjunto arquitetônico em estilo neoclássico da antiga “Real e Benemérita Sociedade Portuguesa de Beneficência”. A Sociedade Portuguesa de Beneficência foi fundada em 1840 e ao longo das décadas do século XIX os prédios que faziam parte dela foram sendo construídos e ampliados, formando um enorme complexo hospitalar que prestava assistência aos cidadãos portugueses que residiam na Cidade. Após a aquisição de todo o complexo por uma rede hospitalar privada há uma década e minucioso restauro dos edifícios históricos (ainda não na sua totalidade, pelo menos por enquanto), o hospital é hoje o maior da rede privada no Rio. Rua Santo Amaro, 80 — Glória – Alexandre Siqueira (Fotografia)

Patrimônio cultural do Rio, Relógio da Glória completa 118 anos

No último sábado, dia 15 de abril, o Relógio da Glória completou 118 anos. Instalado durante a gestão de Pereira Passos, o monumento, na Rua da Glória, na altura no número 290, fazia parte de um projeto de urbanização do bairro da Glória, que tinha como foco a iluminação pública e o saneamento básico. O relógio é um patrimônio tombado desde 1983, pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), devido a sua importância histórica. Urbe CaRioca Relógio da Glória completa 118 anos, apesar das tormentas patrimoniais do Rio Com quatro faces, os mecanismos do Relógio da Glória foram instalados pelo relojoeiro alemão Frederich Krussman Por Patrícia Lima – Diário do Rio Link original Instalado durante a gestão do prefeito Pereira Passos, em 15 de abril de 1905, o Relógio da Glória completou 118 anos, na última semana. A peça fazia(Leia mais)

A Roda-Gigante foi para o Porto. E você, Tirolesa?

Nas últimas semanas, o projeto para implantação de mais um cabo aéreo entre o Pão de Açúcar e o morro da Urca no Rio de Janeiro – e instalação da chamada “Tirolesa” – tem sido alvo de inúmeras manifestações públicas de diversos grupos e representações refletindo a discordância com as intervenções. Conforme opinião de vários segmentos da sociedade carioca, a proposta – que já está em instalação – é um atentado à paisagem que trará alteração da visibilidade das instalações construídas no topo do morro, novas reduções no perfil rochoso com possíveis danos, e interferência nas vias de escalada tradicionais do local há décadas, no ambiente de uma unidade de proteção integral. Tudo isso em um dos cartões postais mais famosos do mundo, o Pão de Açúcar, tombado pelo Instituto Nacional de Patrimônio Histórico e Artístico desde 1973, e desde(Leia mais)

Obra de instalação de tirolesa no Pão de Açúcar é alvo de protestos no Rio

Após divulgarmos a questão dos projetos para o Pão de Açúcar, em “Pão de Açúcar: A Tirolesa e outros males” e “Nota da FAM-RIO sobre a Tirolesa e outros Projetos no Monumento Mundial – o Pão de Açúcar”,  abaixo estão registros da manifestação ocorrida neste domingo, dia 26 de março, reunindo moradores, urbanistas, arquitetos, representações civis, associações e ambientalistas contra implantação de um cabo aéreo entre o Pão de Açúcar e o morro da Urca no Rio de Janeiro – e instalação da chamada “Tirolesa”, protagonizando o mais recente absurdo urbano-carioca em pauta, em um “brinquedo” fora de propósito e fora de lugar. Urbe CaRioca Obra de instalação de tirolesa no Pão de Açúcar é alvo de protestos Publicado originalmente pela Agência Brasil Por Fabiana Sampaio – Repórter Rádio Nacional Rio de Janeiro Edição: Raquel Mariano / Alessandra Esteves A(Leia mais)

Nota da FAM-RIO sobre a Tirolesa e outros Projetos no Monumento Mundial – o Pão de Açúcar

Nota da Federação das Associações de Moradores do Rio de Janeiro – FAM-RIO sobre a Tirolesa e outros Projetos no Monumento Mundial – o Pão de Açúcar  Em 26 de março de 2023 A FAM-RIO apresentou ao COMITÊ GESTOR DO RIO PAISAGEM CULTURAL DO PATRIMÔNIO MUNDIAL, reunido na última sexta-feira, dia 24 de março no Rio de Janeiro, o seu veemente questionamento sobre o licenciamento de obras da chamada de “Tirolesa” no Monumento Mundial Pão de Açucar, enviando vídeo em que mostrava o maciço sendo violado e furado.  O Instituto do Património Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) esclareceu que houve o licenciamento da obra da Tirolesa por parte do órgão, agora questionada e sendo reexaminada, mas não houve o licenciamento, ainda, de qualquer outro projeto. Comprometeu-se a direção do IPHAN que qualquer projeto de impacto na área do Patrimônio Mundial(Leia mais)

Obra da tirolesa entre o Pão de Açúcar e o Morro da Urca preocupa arquitetos e ambientalistas

Os absurdos urbano-cariocas prosseguem. Não bastando a concessão eterna para exploração de um dos maiores ícones do Brasil – é carioca – o pedido de expansão das construções deve ser engavetado para sempre. Ou, será “o bode na sala” para justificar a Tirolesa sem pé nem cabeça, fora de lugar para dizer o mínimo. Não se trata apenas de aprovações pelos órgãos de Patrimônio Cultural e outros de proteção da paisagem. Há que analisar a conveniência. É do que a cidade precisa? É o que a cidade quer? O papel dos governantes é carrear recursos da iniciativa privada que deseja investir no Rio de Janeiro conforme prioridades para a cidade e sua população e não simplesmente abraçar ideias mirabolantes e, muitas vezes, prejudiciais. Vide a permissão, em curso, para usufruir o Jardim de Alah. Urbe CaRioca   Empresa responsável pela(Leia mais)

Sob o risco de desabar, prédio da escola de teatro mais antiga da América Latina é interditado

A Defesa Civil interditou nesta semana o imóvel da Escola de Teatro Martins Penna, a mais antiga da América Latina, devido a problemas com cupins, ratos, mofo, rachaduras, entre outros; alunos cobram do Governo, da Faetec e Iphan – o imóvel é tombado desde 1930 – reformas e comprometimento com a história do edifício que tem mais de um século. O imóvel sofre com com o abandono e o prédio corre risco de desabar. Os estudantes iniciaram um movimento para cobrar reformas na instituição centenária, e já existe, inclusive uma petição online exigindo providências pelo poder público. Mais uma retrato do descaso com o patrimônio, com a educação, com a cultura e com o futuro das novas gerações. Urbe CaRioca Alunos da escola de teatro Martins Penna ficam sem aula após interdição de casarão Estudantes apresentaram diversos problemas de estrutura(Leia mais)

Atentado estético contra o Pavilhão da Vista Chinesa, por Marcos Sá

Por Marcos Sá, arquiteto Inacreditável o que acontece por aqui com o patrimônio edificado. O pavilhão da Vista Chinesa, obra do Prefeito Pereira Passos de 1903, construído em argamassa armada simulando o bambu, tinha sido restaurado há alguns anos atrás com um trabalho primoroso executado na reconstituição da pintura que finalizava com perfeição o trabalho original da edificação, simulando as cores e os padrões de um bambu natural, com coloração amarela e alguns veios verdes. Um trabalho artesanal muito delicado, minucioso. Chego hoje lá e me deparo com esse horror! Inacreditável que repintaram todo o pavilhão com uma tinta cinza (as fotos mostram mal devido à luminosidade) e em esmate brilhante! Um crime contra o trabalho tão meticuloso anterior e um atentado estético ! Quem terá sido o autor desse ato de vandalismo travestido de manutenção? Alguém tem de ser(Leia mais)

Descaso e abandono: Risco de incêndio ameaça igreja do século XVIII no Centro, alerta Iphan

Matéria publicada originalmente no Diário do Rio revela que ofício do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) alerta que a Igreja de Nossa Senhora do Monte do Carmo, fundada em 1750, na Praça XV (antigo Largo do Paço) corre risco iminente de incêndio, além de estar à beira de um colapso estrutural. Mais um tesouro da memória do Rio de Janeiro e do Brasil que entra para as estatísticas do do descaso e do abandono, justamente em um dos corredores históricos mais famosos do centro da cidade. Urbe CaRioca Risco de incêndio ameaça igreja do século XVIII no Centro, alerta Iphan Link original O imóvel poderia estar à beira de um colapso, com diversos danos constatados na fachada e em seu interior. O templo é vizinho da Antiga Sé, que foi restaurada, e o isolamento externo que protegeria(Leia mais)

Patrimônio roubado, vandalizado ou abandonado ? Qual é o que lhe dói mais o coração?, de Cláudio Prado De Mello

Por Cláudio Prado de Mello Link original Ontem, todos nós acompanhamos as movimentações e vandalismo em Brasília que deixaram todos perplexos e revoltados. Dado momento um grupo iniciou um ação de vandalismo e depredação e o resultado foi o que se viu, com prédios públicos vandalizados e muita destruição por todas as partes . Por conta dessa depredação desde ontem eu tenho sido cobrado por vários amigos uma posição sobre essa questão e naturalmente essa cobrança tem me deixado profundamente assustado, uma vez que a minha posição será sempre a de repudiar e condenar qualquer ação que não seja o “diálogo”, a “construção” e o “engrandecimento” de algo. Portanto quando pensamos que obras raras e únicas podem ser destruídas propositalmente, para mim é mais que um “dano” a um bem cultural, mas se torna uma questão de bestialidade e até(Leia mais)

Rio de Janeiro: sobre imóveis tombados

Reportagem da TV Brasil destaca que o Rio de Janeiro tem, atualmente, quase 1.700 imóveis tombados.  As construções históricas podem ser compradas ou alugadas por qualquer pessoa, desde que seja preservada uma parte do traçado original. A matéria, entretanto, ratifica  que a manutenção desse patrimônio vivo é um verdadeiro desafio, já que muitos imóveis estão em condições precárias. Um dos entrevistados, o arqueólogo e incansável defensor do patrimônio cultural Cláudio Prado De Mello já teve seus textos e levantamentos publicados neste blog. Em um deles, inclusive, em novembro de 2017, apresentou um trabalho detalhado, listando, já naquela época, os principais bens históricos abandonados ou fechados no Rio de Janeiro. Apesar da expectativa de que o esforço fosse recompensado com as providências do poder público em prol do resgate e manutenção de conjunto com tamanha importância para a memória urbana e(Leia mais)

Patrimônio no Rio é alvo de incivilidade, impunidade e ineficiência dos poderes públicos

Na última semana, conforme publicado pelo Diário do Rio,  o monumento a José Bonifácio de Andrada que fica no Largo de São Francisco, restaurado ao custo de milhares de reais, teve todas as suas lanças de ferro fundido furtadas e o seu gradil destruído. Nos últimos anos, diversos foram os registros de abandono, destruição e descaso com o patrimônio histórico-cultural na Cidade do Rio de Janeiro. A falta de civilidade atrelada explicitamente à impunidade e a ausência de ações efetivas por parte dos gestores que se revezam no poder sinalizam a via aberta à continuidade de um cenário alarmarmante que só não é ainda pior em virtude da incansável luta de grupos da sociedade, a exemplo do SOS Patrimônio e das diversas associações de moradores que permanecem firmes denunciando e cobrando por providências, ainda que essas venham em doses quase(Leia mais)