Os primórdios da Zona Oeste do Rio de Janeiro, de André Luis Mansur

Neste artigo, o jornalista e escritor André Luis Mansur destaca uma parte da sua obra “O Velho Oeste Carioca”, na qual resgata de forma detalhada e interessante a história da Zona Oeste do Rio de Janeiro, apresentando uma visão global da região e chamando a atenção para a sua riqueza histórica e natural. Vale a leitura !

Urbe CaRioca

Os primórdios da Zona Oeste do Rio de Janeiro

André Luis Mansur

A zona oeste do Rio de Janeiro, chamada de “sertão carioca” pelo escritor e pesquisador Magalhães Corrêa no livro de mesmo nome sobre Jacarepaguá, foi desde o início uma terra de latifúndios, de senhores e senhoras de engenhos e fazendas, cujos limites na maioria das vezes imprecisos davam origem a conflitos e processos judiciais que podiam se arrastar por anos. Com o tempo, essas grandes porções de terra trabalhadas por muita mão de obra escrava foram sendo fragmentadas, principalmente devido ao declínio da produção dos engenhos e das lavouras, dando origem a fazendas e propriedades menores e daí a bairros e localidades que muitas vezes mantiveram os nomes dos engenhos e fazendas que lhes deram origem. Para Adolfo Morales de los Rios Filho, sertão era “a terra que ficava ao longe”. E esclarece mais: “O sertão começava no limite suburbano das cidades e vilas, nos lugares por onde passavam afastados rios, nas florestas espessas, nos vales cercados por altaneiras montanhas; principiava no desconhecido que tanto se desejava conhecer”. (O Rio de Janeiro Imperial, de Adolfo Morales de los Rios Filho)[...] Leia mais

Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro – Reunião aberta

Na próxima quarta-feira, dia 25 de outubro, às 17h, será realizada uma reunião para discutir os rumos do Patrimônio Histórico da Cidade no Conselho Municipal de Cultura do Rio de Janeiro.

Diante da preocupante situação do patrimônio material da Cidade, entre prédios históricos tombados e não tombados, e bens patrimoniais em fase terminal ou fechados, foi levada à Prefeitura a necessidade de discussão sobre a questão.[...] Leia mais

PREFEITO DO RIO DE JANEIRO – DISCURSO NA CÂMARA DE VEREADORES EM 15/02/2017

Transcrevemos o discurso do prefeito da Cidade do Rio de Janeiro proferido no último dia 15 quando da abertura dos trabalhos para o exercício de 2017, na Câmara de Vereadores, findo o recesso parlamentar. O objetivo deste post é registrar a longa fala do alcaide para que sirva como fonte de consulta sobre “os principais trabalhos e previsões da administração pública municipal”, bem como acompanhar o mandato e as ações administrativas decorrentes das afirmações: “… que vamos priorizar a gestão fiscal, o atendimento às populações, a progressiva busca pela excelência na qualidade do serviço público e a crescente parceria entre os poderes com o objetivo de cuidar das pessoas”, conforme palavras do Chefe do Executivo.
Grifamos em negrito os títulos dos temas abordados, os nomes de órgãos administrativos e de alguns programas citado, para facilitar a busca de assuntos conforme o interesse, apenas na primeira parte do texto que, cremos ser um resumo do ‘Administrativo Completo’ que aparece na sequência.

Nota: O blog gostaria de saber o que é uma moeda comunitáriade aplicação em todas as comunidades da cidade, nesta cidade partida que deseja ser inteira. Será o CUC Carioca?
Urbe CaRioca
Internet


DISCURSO DO PREFEITO MARCELO CRIVELLA NA CÂMARA DE VEREADORES EM 15/02/2017
TEXTO DISPONÍVEL NO SITE DA CAMARA DE VEREADORES, AQUI TRANSCRITO COM ALGUMAS CORREÇÕES NA DIGITAÇÃO Excelentíssimo Senhor Presidente, Vereador Jorge Felippe, excelentíssimos senhores vereadores, excelentíssimas senhoras vereadoras, Senhora 1ª Vice-Presidente, Vereadora Tânia Bastos; Senhor Vereador Zico, 2º Vice-Presidente;  Senhor Vereador Carlo Caiado, 1º Secretário; Senhor Vereador Cláudio Castro, 2º Secretário; Senhor Vereador Felipe Michel, 1º Suplente; Senhor Vereador Eliseu Kessler, 2º Suplente; e meu companheiro, Senhor Vereador Paulo Messina, Líder do Governo na Câmara Municipal. =&5=&

SOBRE LUMINÁRIAS ANTIGAS NO SAARA, CENTRO DO RIO DE JANEIRO, de Júlio Reis

Foto: Julio Reis, Junho 2016

Os posts relativos ao Patrimônio Cultural carioca sempre têm grande repercussão. Recentemente publicamos O PATRIMÔNIO CULTURAL REQUER ATENÇÃO! LISTA INICIAL, =&1=&, =&2=&e CRUZ VERMELHA E GABARITOS – ALERTA VERMELHO, OUTRA VEZ. =&4=&

O PATRIMÔNIO CULTURAL REQUER ATENÇÃO! LISTA INICIAL

No post MEC x MINC x PATRIMÔNIO CULTURAL, publicado no último dia 25, convidamos os leitores para criar um movimento em defesa do Patrimônio Cultural que representa a Memória Urbana viva das cidades e outras ocupações: prédios e construções protegidos ou com valor para preservação quer em âmbito nacional ou de interesse local.[...] Leia mais

MUITAS NOTÍCIAS URBANO-CARIOCAS EM 30 DE ABRIL DE 2013

O PIER EM ‘E’ – Projeto: João Pedro Backheuser
Imagem: CBN
Infelizmente a pior delas foi a morte do triatleta, cedo demais para um jovem. Mais uma perda provocada pela violência no trânsito do Rio de Janeiro que parece infindável. Irresponsabilidade, falta de treinamento, de qualificação, de humanidade, de civilidade, uma dessas hipóteses ou o seu somatório. Diz-se que houve avanço de sinal. Assim, não foi acidente nem fatalidade: todo o dia se vê avanços de sinal por ônibus, carros de passeio, motociclistas e até bicicletas, na bela Cidade do Rio de Janeiro.
Hoje, dia 1º de maio, faz um ano que quase fui atropelada por uma moto da Prefeitura que avançou o sinal quando eu atravessava a rua na faixa de pedestres, sinal livre para mim. Foi na parte da manhã. Anotei local e horário. No final da tarde fui à rua novamente. A moto assassina da Prefeitura avançou outro sinal. Também anotei local e horário. Não sei se foi a mesma porque não vi placa. Seria objeto de uma crônica no Blog, recém-criado. Desisti da crônica. Talvez tenha errado.

_____________


Para incentivar o debate, hoje deixamos aqui a lista do que vimos ontem na imprensa. O Blog pretende desenvolver e comentar os assuntos na medida do possível e dos desdobramentos de cada um. E, mais uma vez, convida os amigos e leitores a enviar suas visões, opiniões, comentários e artigos sobre esses e outros temas que acharem por bem sugerir.

Boa leitura e bom feriado!

URBE CARIOCA
O MARACANÃ QUE NÃO EXISTE MAIS
Blog Tribuna Amapaense


A polêmica sobre o Jardim Botânico é antiga. O desfecho foi mencionado em PATRIMÔNIO DO RIO: DECISÕES ALÉM DA COMPETÊNCIA, análise  feita exclusivamente sobre o parecer do setor em relação às ocupações irregulares, que extrapola sua atribuição. No caso do clube, se é invasão, deve sair, é claro.




Já se sabe, o Grupo EBX ‘está em todas’. Também no Maracanã. E também nas páginas de Economia. A este blog interessa sobremaneira o caso da Marina da Glória, objeto de várias análises, resumidas em MARINA DA GLÓRIA: ESTE PROJETO É IMPOSSÍVEL. Quanto ao Maraca haveria muito que dizer, desde o destombamento e a demolição da marquise-símbolo até à destruição dos equipamentos esportivos do entorno. O prédio do antigo Museu do Índio, bem cultural de valor histórico, ao que parece foi poupado. Quanto à “reforma”, ou melhor, a mutilação do gigante, copio o link para o artigo de Lúcio de Castro que emocionará a todos que um dia atravessaram o túnel e encontraram a majestade do espaço: MATARAM MEU MARACANÃ. PODEM CHAMAR DE ESTÁDIO JUSTO VERÍSSIMO.
=&5=& =&10=& =&5=& Coluna de Ancelmo Góis informa a criação de uma Área de Proteção ao Ambiente Cultural (Apac) em Marechal Hermes, bairro da Zona Norte, que hoje festeja cem anos. É a primeira feita nas administrações do atual prefeito, com base em iniciativa dos órgãos de proteção do Patrimônio Cultural na gestão do seu antecessor. Parabéns aos antigos DGPC e Secretaria de Patrimônio Cultural – SEDREPACH, e ao hoje Instituto Rio Patrimônio da Humanidade que deu continuidade à proposta.

=&5=& =&13=& =&4=& As construções são tombadas, ou seja, estão protegidas e serão preservadas. Porque não é possível tombar o uso nem a atividade, e porque existe ali um comércio tradicional, resta torcer para que os contratos de locação sejam renovados. A não ser que a prefeitura resolva declarar de utilidade pública para fins de desapropriação como fez com a antiga Fábrica Bhering de Chocolatese com a Gafieira Estudantina, ambos os casos igualmente relativos a problemas entre terceiros, o primeiro objeto de briga judicial e o segundo com dívidas. Já os prédios da antiga Rua da Carioca não mereceram o mesmo tratamento bondoso feito à custa do nosso dinheiro.

=&5=& =&18=&=&4=&É o VLT que tudo resolverá, tal qual aquela a promessa infalível. Tomara… Pena que enquanto isso o Metrô esteja em estado lastimável, incompleto, lotado. Trens, então…



6 – PIER EM ‘E’ INTEGRA MAR A MUDANÇAS URBANÍSTICAS NO RIO


Assunto complexo dentro da questão também complexa que á a reurbanização da Zona Portuária. A ser pesquisado.



7 – PRÉDIO DA LIDADOR DARÁ LUGAR A TORRE NO CENTRO


É uma pena que os sobrados da Rua da Assembleia não tenham sido incluídos na área do Corredor Cultural. Ao conhecer a proposta de demolição a Prefeitura teria meios para decretar a preservação do conjunto, mas, pelo visto, não houve interesse.




A vergonhosa decisão foi tratada em diversos posts, os principal PACOTE OLÍMPICO 2: A APA MARAPENDI E O CAMPO DE GOLFE e, nesta semana, aqui. Agora parece causa perdida. A não ser que prevaleçam aspectos jurídicos sobre os administrativos, já analisados por juristas e que serão divulgados em novo post.


[...] Leia mais