Ação ilegal do Iphan levou à destruição de palacete que inspirou Machado de Assis

Após o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) ter suspendido o Ato de Cancelamento do Tombamento nº 27-T-38, referente ao Solar Visconde de São Lourenço, localizado na Lapa, no Rio de Janeiro, em cumprimento à decisão judicial proferida pela juíza da 28ª Vara Federal do Rio de Janeiro nos autos de ação civil pública, arquitetos denunciam intervenção de estacionamento no Rio, que aproveitou decisão da presidente do órgão, agora vetada. Nas últimas semanas publicamos os posts “Iphan suspende ato que cancelou tombamento do Solar Visconde de São Lourenço” e “O estranho ‘destombamento’ do Solar do Visconde de São Lourenço, no Centro, pelo IPHAN, de Quintino Gomes Freire” sobre a questão. A reportagem publicada na Folha de S. Paulo, reproduzida abaixo, esclarece novos aspectos. “Mariana Santos, funcionária da Seg Park Estacionamento, negou a demolição, mas confirmou que os proprietários(Leia mais)

Iphan suspende ato que cancelou tombamento do Solar Visconde de São Lourenço

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) suspendeu o Ato de Cancelamento do Tombamento nº 27-T-38, referente ao Solar Visconde de São Lourenço, localizado na Lapa, no Rio de Janeiro. A suspensão aconteceu em cumprimento à decisão judicial proferida pela juíza da 28ª Vara Federal do Rio de Janeiro nos autos de ação civil pública. Tombado pelo Iphan desde 1938, o imóvel é uma das construções que evocam a arquitetura singular do período colonial na cidade. Trata-se de uma das poucas edificações remanescentes da arquitetura civil urbana do período. Além de tombado pela instância federal, o imóvel faz parte da Área de Proteção do Ambiente Cultural (APAC) da Cruz Vermelha, sob a tutela municipal. Sua primeira referência remonta ao terceiro quartel do século XVIII, como um conjunto de edificações térreas. O prédio pertenceu ao Visconde de São Lourenço,(Leia mais)

Um acinte aos cariocas na Lagoa, de Cora Ronai

Em 20 de dezembro de 2021, divulgamos que estava em andamento a instalação do projeto gastronômico “MasterChef Nas Nuvens” suspenso a 50 metros de altura às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, em área tombada que integra o Patrimônio Cultural da Cidade e da União, o que nos causou grande estranhamento. Dando continuidade ao assunto trazido por este blog em “Gastronomia com adrenalina” desafia tombamento na Lagoa”, com o texto de Cora Rónai divulgado em rede social, e à nota do Instituto de Arquitetos do Brasil publicada em “IAB divulga nota sobre ocupação das margens da Lagoa Rodrigo por `Masterchef nas Nuvens´” reproduzimos o artigo da mesma jornalista e colunista do jornal O Globo que trouxe o caso do trambolho na Lagoa mais uma vez à mídia. “O que era de todos é, agora, uma `experiência exclusiva´(e profundamente ridícula); a(Leia mais)

IAB divulga nota sobre ocupação das margens da Lagoa Rodrigo por “Masterchef nas Nuvens”

Após publicarmos posts sobre o projeto “MasterChef Brasil Nas Nuvens”, responsável pela instalação de um projeto gastronômico suspenso a 50 metros de altura às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, em área tombada que integra o Patrimônio Cultural da Cidade e da União, o IAB-RJ divulgou nota destacando que além de encravar na paisagem um restaurante içado por um guindaste, “é composto por enormes estruturas que impedem a visão do espalho d´água tombado e, ainda, obstrui o livre acesso à orla da Lagoa, caracterizando inaceitável apropriação do espaço público”. “Para solucionar a interrupção da ciclovia, foi construído um desvio que contorna o espaço do evento, afastando usuários da área de lazer pública e gratuita e de seu maior atrativo que é a própria Lagoa”, acrescenta a nota. Confira a manifestação na íntegra. Urbe CaRioca Nota do IAB-RJ sobre a ocupação(Leia mais)

O Inepac e o convento, de Roberto Anderson

Neste artigo publicado originalmente no Diário do Rio, o arquiteto urbanista Roberto Anderson aborda importantes registros sobre Instituto Estadual do Patrimônio Cultural – Inepac, destacando que atualmente é preciso estarmos atentos para que os órgãos em defesa do patrimônio permaneçam atuantes e de pé. “No Estado do Rio de Janeiro, o Inepac vem sendo desmontado, com a expulsão de técnicos que longamente o sustentaram, e sendo sido dirigido por pessoas absolutamente estranhas às questões do Patrimônio.”, afirma. Urbe CaRioca O Inepac e o convento Publicado originalmente no Diário do Rio Roberto Anderson Na década de 1980, depois de deixar uma acanhada sala na Lapa, o Instituto Estadual do Patrimônio Cultural – Inepac estava instalado em sua simpática sede em Laranjeiras, na Rua Euricles de Matos. Seu orçamento nunca foi lá essas coisas, mas tinha independência para tomar decisões sobre como(Leia mais)

“Gastronomia com adrenalina” desafia tombamento na Lagoa: considerações de Cora Ronai

Conforme publicamos há poucas semanas, com a proposta de oferecer uma experiência gastronômica diferenciada aliada à apreciação do visual paradisíaco da Cidade do Rio de Janeiro nas alturas, o projeto “MasterChef Brasil Nas Nuvens”, até o dia 17 de abril de 2022, terá no Parque do Cantagalo, na Lagoa, um restaurante que ficará suspenso a 50 metros de altura. A obra foi erguida em área tombada que integra o Patrimônio Cultural da Cidade e da União, e que é non-aedificandi. Ali são permitidas apenas construções de pequeno porte para apoio às atividades de lazer, conforme as leis urbanísticas vigentes. Confiram abaixo o desabafo da jornalista e escritora Cora Ronai em sua página em uma rede social. “Qual é a parte de `tombada´que as autoridades que autorizaram isso não entenderam?”, questiona. “Fiquei indignada quando construíram essa estrutura do guindaste com a(Leia mais)

Justiça determina que Supervia, Estado e União apresentem plano de reforma da Estação Leopoldina

Conforme reportagem publicada no portal G1, o juiz Paulo André Espirito Santo, da 20ª Vara Federal do Rio condenou a concessionária SuperVia, a Companhia Estadual de Transportes e Logística (Central) e a União a reparar os danos causados à Estação Ferroviária Barão de Mauá, a histórica Leopoldina, edifício inaugurado em dezembro de 1926. Segundo a matéria, os réus que descumprirem a medida estão sujeitos a multa diária de R$ 30 mil, limitada ao teto de R$ 12 milhões. Fechado desde 2001 para passageiros, que foram remanejados para a Estação Central do Brasil, o terminal de trens Barão de Mauá foi projetado pelo arquiteto inglês Robert Prentice e é tombado pelos institutos do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e Estadual do Patrimônio Artístico e Cultural (Inepac). Inspirada nas estações inglesas “eduardianas” do século XX, a Estação Ferroviária Barão de Mauá(Leia mais)

Palácio Capanema – outras opinões

O debate sobre a possível venda do Palácio Gustavo Capanema, famoso prédio modernista situado no Centro do Rio de Janeiro, Bem Tombado Federal e imóvel Próprio Federal, tomou as mídias sociais e a imprensa. A respeito publicamos “Palácio Gustavo Capanema é tema de audiência pública nesta segunda” e “Palácio Capanema nas palavras de Lia Motta e Sonia Rabello”. Em sua grande maioria, as manifestações foram contrárias à alienação. Ao menos duas delas, todavia, opinaram na direção contrária: a de Cláudio Hermolin, presidente da Associação dos Dirigentes do Mercado Imobiliário (Ademi) e vice-presidente do Sindicato da Construção Civil (Sinduscon) no Rio de Janeiro, em entrevista ao jornalista Nelson Gobbi, quando fez contraponto à opinião de Marcela Abla, arquiteta e Conselheira do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB); e o editorial desta terça-feira, dia 24 de agosto publicado no Jornal O Globo.(Leia mais)