Extensão das redes de metrô em outras cidades do mundo e no Rio

Claudio Janowitzer, fundador do Movimento “Metrô que o Rio Precisa”, fez a compilação de um quadro comparativo através da qual  é possível observarmos a disparidade da extensão das redes de metrô de outras cidades do mundo em comparação com o metrô do Rio de Janeiro.

“O metrô do Rio iniciou obras em 1971, e foi inaugurado em 1979. Quase 50 anos depois do inicio das obras, temos apenas 52 Km de metrô, ou seja, levamos 50 anos pra fazer 52 Km, se esse ritmo vergonhoso se mantiver nas próximas décadas, apenas em 2069 chegaremos aos 100 Km. Leia mais

Estação Gávea – MPRJ é contrário ao uso de verbas públicas

Após o governador do Estado do Rio de Janeiro ter anunciado que o buraco cavado para a construção da Estação Gávea seria aterrado, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) emitiu posicionamento sobre as obras da Linha 4 do metrô para conclusão da estação Gávea no qual defende a retomada das obras, porém sem o uso de verbas públicas, e que, com recursos próprios, a Concessionária Rio Barra S.A realize as obras brutas e arque com os custos. Leia mais

Estação Gávea – Metrô ioiô

Após o governador do Estado do Rio de Janeiro ter anunciado que o buraco cavado para a construção da Estação Gávea seria aterrado, e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) ter entrado com uma ação civil pública para que as obras da Linha 4 do metrô fossem retomadas, um novo capítulo deste imbróglio.

No fim de setembro, o governador Wilson Witzel recuou e afirmou um dos principais entraves para a continuidade das obras — a falta de recursos — seria solucionado utilizando-se dinheiro recuperado da Lava-Jato e parte da arrecadação dos royalties do petróleo. Leia mais

Metrô – MPRJ entra na Justiça para que o Estado retome obras da Estação Gávea

Após o governador do Estado do Rio de Janeiro ter anunciado no último dia 5 de setembro que o buraco cavado para a construção da Estação Gávea seria aterrado, conforme notícia veiculada no Jornal “O Globo“,  temos a notícia de que o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) entrou, nesta quarta-feira, dia 11, com uma ação civil pública para que governo do Estado retome as obras da Linha 4 do metrô. Leia mais

Metrô Estação Gávea – PUC divulga nota

A Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO) divulgou nota a respeito da decisão do governador de aterrar o buraco onde funcionaria a estação de metrô da Gávea. Assinada pelo Vice-Reitor de Desenvolvimento da PUC-Rio, Sergio Bruni, a instituição diz que a proposta anunciada por Wilson Witzel “ignora completamente aspectos técnicos básicos”, acrescentando que, dependendo da forma como o aterramento for executado, “poderá até ampliar os riscos já existentes”. Leia mais

ESTAÇÃO GÁVEA – ENTERRANDO DINHEIRO PÚBLICO

Este site urbano-carioca vem reproduzindo a ótima série sobre a história do Metrô – elaborada e publicada pela página “Metrô que o Rio Precisa” – que teve início com Pré História do Metrô do Rio e Início das obras e Inauguração do Metrô.

Curiosamente, o governador do Estado do Rio de Janeiro anunciou nesta quinta-feira, dia 5, que o buraco cavado para a construção da Estação Gávea será aterrado, conforme notícia veiculada no Jornal “O Globo“, já com grande repercussão. Leia mais

Início das obras e inauguração do Metrô

Em continuidade à série de postagens sobre questões, curiosidades e o histórico do Metrô do Rio, publicadas pela página “Metrô que o Rio Precisa”, temos neste capítulo o início das obras e  a sua inauguração.

Parte I – Pré História do Metrô do Rio

Urbe CaRioca

Início das obras e inauguração do Metrô

Publicado originalmente na página “Metrô que o Rio Precisa”

A Linha Prioritária (Saens Peña – Nossa Senhora da Paz), segundo o Estudo de Viabilidade (1968), deveria estar concluída em 1975, mas, devido a dificuldades, a Companhia do Metropolitano – METRÔ, decidiu construir só o trecho central, ligando a Praça Onze até a Glória, com 4,5 km de extensão. A conclusão desse trecho visava a integração com os trens metropolitanos (hoje chamado de Supervia) e também a eliminação de milhares de ônibus que entupiam o Centro. Uma das preocupações do METRÔ era a integração dos passageiros da Rede Ferroviária para o restante da cidade. O METRÔ projetou, no traçado de 1968, pontos de integração do metrô com os trens metropolitanos (Central e Méier na Linha 1 e Pavuna, Triagem, Maracanã e São Cristóvão na Linha 2). A Linha 2 ainda se integraria nas Barcas, através da estação Castelo. Nessa época as barcas Rio x Niterói eram o maior sistema hidroviário do mundo, transportando cerca de 190 mil passageiros por dia (hoje levam menos de 90 mil por dia). Leia mais

Pré História do Metrô do Rio

Muita gente às vezes pergunta por que o metrô anda tão cheio? Por que para no meio do caminho, por que não temos mais estações? O que aconteceu com a estação Cruz Vermelha? Por que a estação Carioca é tão grande? Por que duas estações General Osório? Por que temos que saltar em Botafogo para trocar de trem? Essas e outras questões e curiosidades serão respondidas em uma série de postagens pela página “Metrô que o Rio Precisa”, contando um histórico do metrô. Leia mais

Ainda o Metrô: Estação Gávea

Dando continuidade à questão do Metrô do Rio, após a publicação recente dos artigos “Metrô: abaixo-assinado pela conclusão da Linha 2”, sobre o abaixo-assinado que circula na internet e pede a conclusão da Estação Praça da Cruz Vermelha – Linha 2 MetrôRio, e “Metrô – Linhas cruzadas”, sobre o destaque ao alardeado projeto da Linha 4,  as obras inacabadas da Estação da Gávea e a plataforma fantasma da Linha 2, desativada na Carioca, além de uma nova “gambiarra” à vista no “metrô tripa”, temos a publicação veiculada na Folha de São Paulo, trazendo à tona, mais uma vez, o cenário das obras da estação Gávea, na Zona Sul do Rio de Janeiro, e que se arrasta há anos. Leia mais

BOTAFOGO – MORADORES QUEREM RUA NELSON MANDELA COMPLETA. COM RAZÃO.

A Associação de Amigos e Moradores de Botafogo – AMAB organizou manifestação pela construção e abertura da continuação da Rua Nelson Mandela, trecho não executado que corresponde ao terreno onde funcionou um canteiro de obras da construtora Odebrecht. O evento está marcado para o próximo dia 10 de junho, às 11 horas, em frente ao terreno Rua Prof. Álvaro Rodrigues, ao lado do mercado Hortifruti. Leia mais

METRÔ DO RIO – A LINHA TRIPA 1 + 2 + 4 e o Tolypeutes parado

=&0=& (Dicionário Houaiss, acepção 5) Regionalismo: Brasil – Uso: informal – O que apresenta formato alongado e estreito; tira. Ex.: uma t. de pano    

Segundo o blog Metrô do Rio (Não oficial) “A mudança no traçado, a necessidade da compra do tatuzão, entre outras lambanças nunca foram explicadas tecnicamente. Suas respostas começam a aparecer”. O texto está na postagem que tem título forte: Corrupção na Linha 4. A primeira parte do comentário refere-se à mudança no traçado original da Linha 4 – diversas vezes explicado neste blog – que ligaria o Centro à Barra da Tijuca via Botafogo/Humaitá/Jardim Botânico, dando-se início ao que poderia ser considerada uma pequena rede de metrô, trajeto trocado pela inexplicável extensão da Linha 1, da Estação General Osório (Ipanema) à Estação Jardim Oceânico (Barra da Tijuca). Da Linha 4 original foi construído apenas o trecho Gávea-Barra da Tijuca, ainda incompleto, pois a Estação Gávea teve as obras paralisadas.   A segunda parte refere-se às investigações da Operação Tolypeutes, um desdobramento, no Rio de Janeiro, da conhecidíssima operação Lava-Jato, que investiga fraudes em contratos da Linha 4 do Metrô do Rio, ou, a Linha 1 em Ipanema e Leblon, rebatizada de Linha 4 por motivos ainda misteriosos. O nome Tolypeutes é referência ao “Tatuzão”, apelido dado ao gigantesco equipamento importado que escava o solo abaixo do nível do terreno para a construção respectiva dos túneis do Metrô. Tolypeutes matacus é o nosso conhecido tatu-bola, nada mais nada menos do que o bicho escolhido para ser o mascote da Copa do Mundo, batizado com o horrível nome de Fuleco, ao invés de simplesmente Tatu-Bola ou Tatu-do-Bem, como sugerimos em 2012!   Pode haver algo em comum entre as obras da falsa Linha 4 do Metrô e as obras dos estádios da Copa do Mundo – com a destruição do Maracanã, que foi quase totalmente reconstruído – além de um simpático tatu, o bicho (OG, 14/4/2017). Porém, não é o que interessa, no momento, a este blog, mas, as más consequências para a cidade e sua população decorrentes do traçado equivocado, não prioritário em termos de mobilidade urbana e capacidade, e a descaracterização de um ícone carioca e brasileiro, o ‘Maraca’. Por isso, voltemos aos aspectos urbano-cariocas não policiais.   Mais uma vez, o atento blog Metrô do Rio confirma – como já havíamos comentado – que temos uma única linha de metrô: “A linha em tripa foi concluída no sábado, 25 de Março com o fim da baldeação na Estação General Osório. Agora, pode-se ir da Estação Uruguai ou da Estação Pavuna diretamente à Estação Jardim Oceânico. As Linhas 1, 2 e 4 se transformaram numa só”. Vale conhecer os demais comentários que “não saem na mídia” em Fim da Baldeação publicado no último dia 11 por Miguel Gonzalez.    
“Problemas e soluções do metrô”: discussão sobre a nova linha 1A do metrô
(v. fala aos 3 minutos de vídeo)
Youtube, 2010
Vale também recordar o que o engenheiro Fernando MacDowell dizia, em 2010, ao criticar o projeto do metrô: “Não vejo reação por parte do governo… O governo finge que não está ouvindo”; que, em 2012, o mesmo especialista analisou o projeto da Linha 4, criticando a mudança do traçado, a concepção operacional, e a construção da Estação General Osório em outro nível, então sem permitir a continuidade da Linha 1 (General Osório-Antero de Quental), entre outros aspectos, e afirmou: “o metrô tem que ter uma visão sistêmica”.   De nada adiantaram os pedidos dos participantes da Audiência Pública realizada em fev./2013 que apoiavam o traçado original para a Linha 4, também defendido pelo CREA-RJ, única instituição que pediu a manutenção do projeto, divulgada pela grande imprensa, além de alguns políticos da oposição e técnicos. A jornalista Julia Michels também fez memória daquela audiência relembrando sua postagem de 2012 Metrô Linha 4: audiência pública dura seis horas.   Fernando MacDowell critica Projeto da Linha 4 do Governo Youtube, 2012   A obra foi feita. Embora não adiante “chorar o concreto derramado”, é importante lembrar que o mesmo engenheiro especialista em transportes, que reafirmou a prioridade de se construir o trecho Estácio-Carioca, hoje, na qualidade de vice-prefeito e Secretário de Transportes do Município do Rio de Janeiro,

pretende aumentar ainda mais o metrô-tripa, estendendo-o até o Recreio dos Bandeirantes ou Jacarepaguá Leia mais

O MÊS NO URBE CARIOCA – SETEMBRO 2016

Linha 4 Original

O mês de SETEMBROcomeçou no blog sem pedidos aos candidatos à Prefeitura do Rio. Depois das eleições, entretanto, já fizemos vários. Estão nas postagens de dezembro. Um dos recordistas de acesso foi METRÔ – O QUE A ESTAÇÃO GÁVEA DISSE PARA A ESTAÇÃO CARIOCA?=&2=&o que, mais uma vez, demonstra a insatisfação do carioca com o transporte público na cidade. A polêmica sobre a construção de uma Arena Multiuso no terreno utilizado pelo Clube Flamengo continuou, e a obra foi autorizada. A Escola Municipal Friedenreich seria demolida por ato do prefeito do Rio para beneficiar o consórcio de empreendedores então candidato a remodelar e gerir o Maracanã, conforme pretendido pelo governo estadual. Mas, foi mantida após manifestações contrárias da população: governador e prefeito desistiram da empreitada, felizmente. A escola recebeu a melhor nota da rede municipal no segmento de avaliação Ensino Fundamental, junto com a Escola Municipal Roberto Coelho, que fica em Santa Cruz. Em SETEMBRO comemorou-se duas vezes a Independência: além da Independência do Brasil, as conquistas dos atletas paraolímpicos, aqueles que vencem barreiras inimagináveis, durante os belos Jogos Paralímpicos Rio 2016. E, ainda, Passeio Público, Região das Vargens, e mais análises sobre a falta de habitação no projeto urbanístico para a Zona Portuária. Boa leitura. =&4=&
Parque Aquático Júlio Delamare antes da destruição. Foto: Internet

 

SETEMBRO 2016

=&5=&
CLUBE FLAMENGO – FORA AS ÁRVORES, INDAGA-SE: E OS OUTROS IMPACTOS?=&8=&
O PASSEIO PÚBLICO DO RIO DE JANEIRO E AS ÁGUAS DA ANTIGA LAGOA DO BOQUEIRÃO DA AJUDA=&11=&
VITÓRIA PARCIAL CONTRA A OUC DAS “VARGENS MARAVILHA”, de Canagé Vilhena=&14=&
=&16=&