Comentários sobre o aeroporto Galeão/Jobim, de Atílio Flegner

Em mais algumas reviravoltas, o governo federal anunciou que a concessionária RIOGaleão, controlada pelo grupo Changi, pediu para devolver a concessão do Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, à União, conforme divulgado pela grande mídia. Abaixo, comentários de Atílio Flegner sobre a localização privilegiada do Aeroporto do Galeão e a paradoxal carência de transportes e acessos eficientes ao terminal. Urbe CaRioca Texto do Atilio Flegner Apesar de termos um aeroporto Internacional de tamanho avantajado e com uma super pista de 4km (dá pra pousar o ônibus espacial lá), é um aeroporto totalmente sub aproveitado. Um dos principais motivos é o péssimo acesso até o Tom Jobim. E não tem nada a ver com distância. Veja que o Galeão, a 15km do centro, é muito mais perto que o Guarulhos, a 26km do centro de São Paulo, ou o Heathrow, a(Leia mais)

Governo avalia limitar expansão de voos no Santos Dumont e construir metrô até a Ilha do Governador

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, voltou a criticar o edital de concessão do Aeroporto Santos Dumont. Segundo ele, o projeto atual pode inviabilizar economicamente a operação do Aeroporto do Galeão. Nesta quarta-feira, dia 8, Paes disse que defendeu a redução do número de voos previstos para o Santos Dumont e comentou a possibilidade de usar os recursos das outorgas dos terminais para a construção de um metrô ligando os dois aeroportos. Para ele, a ideia é boa, mas ainda seriam necessárias mudanças no projeto. Cabe relembrar que desde a época dos projetos e obras “pra Olimpíada”, este blog e vários profissionais e instituições ligadas às questões urbanas do Rio de Janeiro estranharam a prioridade dada para o Metrô com o prolongamento da Linha 1, rebatizada de Linha 4, em detrimento, por exemplo, de concluir a Linha 2 até à(Leia mais)

O pós-Covid vai alterar as cidades?, de Roberto Anderson

Neste artigo, publicado originalmente no Diário do Rio, o arquiteto e urbanista Roberto Anderson trata das alternativas futuras para as cidades, sobretudo em função da pandemia e a possibilidade especulativa de reversão de processos até então instaurados. “Que parcela da população economicamente ativa estará liberada da necessidade de locomoção até a sede de sua empresa? Que volume de passageiros deixarão de usar as redes de transporte de massa? Que serviços perderão sua clientela nos centros urbanos?”, questiona. Vale a leitura ! Urbe CaRioca O pós-Covid vai alterar as cidades? Roberto Anderson Publicado originalmente no Diário do Rio Já houve um tempo em que se acreditou que as cidades, como principal forma de localização da vida social, estavam em crise. Dificuldades econômicas levavam a dificuldades de gestão e à busca por se localizar fora das mesmas. Até na Europa, que não adotava(Leia mais)

Extensão das redes de metrô em outras cidades do mundo e no Rio

Claudio Janowitzer, fundador do Movimento “Metrô que o Rio Precisa”, fez a compilação de um quadro comparativo através da qual  é possível observarmos a disparidade da extensão das redes de metrô de outras cidades do mundo em comparação com o metrô do Rio de Janeiro. “O metrô do Rio iniciou obras em 1971, e foi inaugurado em 1979. Quase 50 anos depois do inicio das obras, temos apenas 52 Km de metrô, ou seja, levamos 50 anos pra fazer 52 Km, se esse ritmo vergonhoso se mantiver nas próximas décadas, apenas em 2069 chegaremos aos 100 Km. Não é possível que uma cidade com 6 milhões de habitantes, imersa numa região metropolitana de 12 milhões, tenha um lapso tão grande em um equipamento urbano de fundamental necessidade para o deslocamento de seus habitantes. Deveríamos no cobrir de vergonha ao ver esses números”,(Leia mais)

Novo capítulo da Estação Gávea – Justiça autoriza conclusão da Linha 4 pelo governo

Mais uma capítulo envolvendo as obras da estação de metrô da Gávea, na Zona Sul do Rio. No início do semestre, o governador do Estado anunciou que o buraco cavado para a construção da referida estação seria aterrado. Em seguida, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) entrou com uma ação civil pública para que as obras da Linha 4 do metrô fossem retomadas. Já, no fim de setembro, o governador Wilson Witzel recuou e afirmou um dos principais entraves para a continuidade das obras — a falta de recursos — seria solucionado utilizando-se dinheiro recuperado da Lava-Jato e parte da arrecadação dos royalties do petróleo. Na última semana, em matéria publicada originalmente no “O Globo”, a Justiça do Rio permitiu ao governo investir e concluir a Linha 4 do metrô. Vale destacar que a Linha 2 precisa também ser concluída, ja que(Leia mais)

Metrô: Linhas Cruzadas

Há algum tempo, este Urbe CaRioca não traz à tona novas questões relativas ao metrô do Rio, aquele que chamamos de “metrô tripa”. Em muitas ocasiões, nosso site repetiu à exaustão que o alardeado projeto da Linha 4 do Metrô – obra apresentada também como ‘legado olímpico’ – é, na verdade, a extensão da Linha 1 pelos bairros de Ipanema e Leblon até a Gávea. Na verdade, a Linha 4 deveria ligar o Centro à Gávea via Botafogo, Humaitá, Jardim Botânico e Gávea e, a partir da Estação Gávea, seguir em direção à Barra da Tijuca, conforme o traçado da Linha 4 verdadeira, o que teria trazido inúmeros benefícios para a mobilidade urbana da Cidade do Rio de Janeiro, compreendendo um legado real para os cariocas. Hoje, entretanto, temos a situação da Estação Gávea sem conclusão – com as obras paradas desde(Leia mais)

“O caos no transporte urbano !”, por Luiz Antonio Cosenza e Miguel Bahury

Neste artigo, publicado originalmente no Jornal do Brasil,  Luiz Antonio Cosenza, Presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio de Janeiro (CREA-RJ) e Miguel Bahury, Conselheiro do CREA-RJ, ex-Secretário Municipal de Transportes, ex-Presidente do Metrô e da CET-RIO, destacam a situação caótica na qual chegou o transporte público no Rio de Janeiro, marcada pela” falta de planejamento, a desorganização tarifária, a ausência de controle e de fiscalização”. Vale a pena a leitura. Urbe CaRioca O CAOS NO TRANSPORTE URBANO! O sistema de transportes no Rio de Janeiro atingiu o caos. A mobilidade urbana está à beira do colapso. A falta de planejamento, a desorganização tarifária, a ausência de controle e de fiscalização deixam os usuários entregues à própria sorte. Veículos com idade média superior a quatro anos circulam em condições precárias, muitos com chassis inadequados e com degraus altos,(Leia mais)

O VELO-CITY 2018 VEM AÍ, de Hugo Costa

O evento que será realizado no próximo ano no Rio de Janeiro – o Velo-City Global 2018 – é pano de fundo para o artigo do geógrafo Hugo Costa, que mostra mais uma face dos contrastes entre regiões e bairros cariocas, desta vez com análise sobre a malha cicloviária da cidade.  A continuidade dos projetos e obras para a instalação de ciclovias é essencial, assim como sua distribuição equilibrada. Boa leitura. Urbe CaRioca   O VELO-CITY 2018 VEM AÍ Hugo Costa* Um dos eventos mais famosos e importantes do mundo para mobilidade ativa acontecerá no Rio de Janeiro em 2018. Depois da bem sucedida recepção este ano em Amsterdam (Holanda) – que é conhecida pela sua grande malha cicloviária – o evento fará parte da política municipal carioca para a atração de eventos mundiais e ampliação do calendário turístico da cidade.(Leia mais)