Parque Nelson Mandela – sem parque, sem estacionamento

Reprodução do texto publicado na página da Associação de Moradores do Recreio – AMOR O dia 22 de dezembro foi mais um domingo de sol no Recreio (Zona Oeste do Rio de Janeiro) e como, infelizmente acontecia, a área do Parque Nelson Mandela – Reserva e que faz parte do mosaico de Parques da região teve sua barreiras de concreto removidas e estava invadida por um estacionamento ilegal que ignorava as placas de alerta. Mas, dessa vez, ocorreu uma operação conjunta da Superintendência da Barra, Recreio e Vargens, Secretaria de Ordem Pública – Seop; Secretaria de Meio Ambiente – SMAC e 31ºBPM. O saldo foi de 48 carros rebocados e 102 multados. O nosso apelo vai aos moradores e amigos que frequentam a Praia da Reserva, estacionar em área de proteção ambiental, além de causar destruição da flora e da fauna(Leia mais)

O CAMPO DE GOLFE DITO OLÍMPICO E A CORUJA-BURAQUEIRA

A foto estampada na coluna do prestigioso jornalista Ancelmo Gois (O Globo, 13/07/2015) causa espanto. O singelo Será? usado na legenda não passou despercebido ao Urbe CaRioca: sugere incredulidade diante da estranha afirmação da prefeitura, e dá consistência ao comentário. As análises e artigos publicados neste blog sobre o escandaloso caso do Campo de Golfe que é pano de fundo – ou, melhor, de frente – para um grande negócio imobiliário, retira parte expressiva da reserva ambiental / Parque Municipal Ecológico de Marapendi, e impede a continuidade da Via Parque que contorna a margem norte da Lagoa de Marapendi, são recordistas de visualizações desde o primeiro texto, PACOTE OLÍMPICO 2 – O CAMPO DE GOLFE E APA MARAPENDI, publicado no final de 2012. A foto da “corujinha” e a inacreditável recuperação da vegetação propagandeada pela Prefeitura (que, naturalmente, não faz referência à parte retirada por tratores(Leia mais)

PARQUE NELSON MANDELA, O DAS “BENESSES”, E O CARRO ADIANTE DOS BOIS

Mais uma vez o caso do estranho Parque Nelson Mandela, parte da Área de Proteção Ambiental-APA Marapendi, merece destaque neste Urbe CaRioca, um blog a cada dia mais estarrecido. Ontem publicamos o artigo da bióloga Sonia Peixoto, uma aula sobre gestão de Unidades de Conservação e os procedimentos mínimos que devem preceder o projeto de implantação dessa natureza. Hoje os gestores municipais praticaram mais uma ação questionável: o lançamento de licitação para colocação de infraestruturas e equipamentos justamente no Parque Natural Municipal o chamado de Nelson Mandela, criado sem estudos técnicos adequados e sem consulta pública. O Parque não tem Conselho e nem Plano de Manejo elaborado. Ainda assim, mas irão realizar uma licitação da ordem de R$ 10 milhões para o uso público da “unidade de conservação”. Ao mesmo tempo outros parques naturais municipais – Grumari, por exemplo –(Leia mais)

DEBATE PÚBLICO SOBRE O PARQUE NELSON MANDELA, O “PARQUE DAS BENESSES”

NOTA – Além dos textos indicados sugerimos conhecer  URBANILDO BARBOSA e CREMILDO de ALMEIDA – O PACOTE, Parte II O caso do parque denominado Nelson Mandela – projeto da Prefeitura para criar um espaço aparentemente público, em parte da Área de Proteção Ambiental – APA Marapendi, na Barra da Tijuca, foi analisado em diversas postagens e artigos neste blog, o primeiro deles  PACOTE OLÍMPICO 2 – O “PARQUE” DAS BENESSES URBANÍSTICAS. Tema complexo, como já afirmamos, a anunciada criação do parque no bojo do chamado Pacote Olímpico 2 incluiu a tentativa de justificar as perdas na APA e no Parque Municipal Ecológico Marapendi que seriam “compensadas” pela existência futura de uma nova Unidade de Conservação Ambiental, falácia desmontada em Artigo: NELSON MANDELA DEVE ESTAR INDIGNADO: O CASO DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DA BARRA DA TIJUCA, de Sonia Peixoto e na fábula(Leia mais)

GOLFE NA BARRA ABERTO AO PÚBLICO – BASTA PAGAR UMA TAXA

E uma fábula futurista urbano-carioca PARQUE MUNICIPAL ECOLÓGICO DE MARAPENDI Cai por terra – em dezoito buracos – mais um dos argumentos utilizados pela Prefeitura para justificar o injustificável Campo de Golfe que eliminou trechos significativos de uma avenida importante – uma Via Parque – e do Parque Ecológico Municipal de Marapendi: de que será o primeiro campo público do Rio*. Bem próximo do terreno que teve a vegetação de restinga retirada para receber o gramado destinado às tacadas olímpicas existe o Golden Green Golf Club, aberto ao público exatamente como será o novo campo construído em reserva ambiental, a APA Marapendi: não público, mas, aberto ao público que queira jogar, mediante pagamento. A informação sobre o Golden Green Golf Club consta no site da Federação de Golfedo Estado do Rio de Janeiro, conforme transcrito abaixo. “Primeiro campo público do(Leia mais)

CAMPO DE GOLFE – VÍDEOS: PROPAGANDA E REALIDADE

Sábado é dia de ir ao cinema. A marca de relógios Omega lançou na TV internacional um filme-propaganda belíssimo em que anuncia a volta da modalidade Golfe aos Jogos Olímpicos depois de 112 anos de ausência, esporte, aliás, que esteve presente em apenas dois eventos olímpicos. Sem diálogos, o vídeo só mostra imagens de uma tacada espetacular que faz a bola dar a volta ao mundo.O mundo que assiste à viagem da bolinha não pode imaginar o desastre que a obra para construção do campo de golfe desnecessário (existem vários na cidade e arredores) representa para a cidade do Rio de Janeiro em termos de prejuízos urbanísticos a ambientais, sem entrar no mérito de questionamentos jurídicos e outros aspectos problemáticos, tais como mudanças de leis de zoneamento e de parâmetros construtivos, e a supressão de um parque ecológico e de(Leia mais)

CASO DO CAMPO DE GOLFE CONTINUA A REPERCUTIR AQUI E NO EXTERIOR

Ocupa Golfe O Movimento Ocupa Golfe mantem-se ativo desde o início de dezembro/2014. Tem chamado à atenção. O caso do campo de golfe de muitas faces, dito olímpico, continua a repercutir aqui e no exterior. Depois de GOLFE ABERRAÇÃO – NOTÍCIAS INTERNACIONAIS, PELÉ E SILVIO TENDLER e GOLFE NA RESERVA AMBIENTAL – NOTÍCIAS MUNDO AFORA, e LUAU, no último dia 20 o site Golfe Channel publicou RIO MAYOR TO FACE INQUIRY OVER OLYMPIC COURSE MISCONDUCT. Embora o assunto – se concretizado – não afete a construção (“Because the inquiry does not challenge the legality of golf course, it will not affect its construction.”) a reportagem dá visibilidade ao projeto que carrega inúmeros aspectosquestionáveis os quais ser resumidos em uma frase: foi decisão extremamente prejudicial para o Rio de Janeiro; ou em uma palavra: vergonhoso. The golf course for the 2016 Olympics(Leia mais)

GOLFE – O MINISTÉRIO PÚBLICO E PREFEITO DO RIO

O caso do Campo de Golfe construído em Reserva Ambiental volta ao blog. Notícia de ontem no jornal Folha de São Paulo – que já corre nas redes sociais – informou que “o Ministério Público do Rio instaurou inquérito para investigar eventual ato de improbidade administrativa do Prefeito do Rio (…) na operação que viabilizou a construção do campo de golfe da Olimpíada de 2016”. A reportagem tem o título PROMOTORIA ABRE INVESTIGAÇÃO CONTRA PAES POR CAMPO DE GOLFE DA OLIMPÍADA, e pode ser lida na íntegra NESTE LINK. Caso os promotores queiram conhecer aspectos urbanísticos e ambientais envolvidos no assunto – inclusive sobre a eliminação de uma importante avenida da Barra da Tijuca justamente enquanto a péssima mobilidade urbana na cidade é tema recorrente nas queixas da população e nas discussões entre técnicos, e está diariamente em todas as(Leia mais)