Informe APSA – Número de imóveis para alugar no Rio de Janeiro é o maior dos últimos cinco anos

“Estudo mensal da APSA mostra que a vacância média de junho chega a 20,3%, dobro da taxa ideal e segue aumentando desde o início da pandemia, quando estava em 14%. A taxa ideal é de 8 a 10%. Alguns bairros já ficam com valores mais baixos devido ao aumento do estoque”.

Recebemos regularmente informes sobre a situação do mercado imobiliário no Rio de Janeiro. Desta feita consideramos pertinente divulgar o relatório de junho/2021 sobre a vacância de imóveis para aluguel que, crescente há cinco anos e já considerada alta antes do início da pandemia de Coronavírus, continua a aumentar em dois bairros da Zona Sul (Catete e Leme) e, embora com redução, permanece muita alta no Leblon (19,4% por vários meses seguidos), Flamengo (14,1%), Ipanema, (15,9%) e Laranjeiras (14,9%).

O cenário se apresenta justamente quando a Prefeitura anuncia o programa Reviver Centro, com ênfase no estímulo à construção de novos prédios residenciais e à reforma de prédios existentes também para uso residencial, mediante a oferta de índices construtivos na valorizada Zona Sul do Rio de Janeiro (e também na Zona Norte), e isenção de impostos (v. postagens anteriores).

Embora consideremos a apelidada Operação Interligada um erro, desejamos sorte ao programa Reviver Centro, não obstante a informação da APSA de que “O Centro continua como um dos bairros com maior estoque de imóveis vazios, cerca de 37,6%”, o que pode levar a uma reflexão sobre a real necessidade de construir novos edifícios residenciais na região, ou se o foco inicial deveria se manter apenas nas transformações de uso de salas comerciais para residenciais, e reformas em geral, sempre aproveitando-se as construções existentes, vazias ou abandonadas.

Certo é que na Zona Sul haverá interesse pela compra de imóveis, pois os lançamentos prosseguem com sucesso. Que não surjam novos elefantes brancos na área central como apêndices dos prédios novos em Ipanema e Copacabana, por exemplo, apêndices que não poderão ser retirados.

Urbe CaRioca

Rio: estoque de imóveis para aluguel residencial é o maior dos últimos cinco anos

A taxa de vacância média do município em junho foi de 20, 3 %, a mais alta desde o início da pandemia, quando estava em 14%. No mês, dois bairros da Zona Sul do Rio de Janeiro tiveram aumento na quantidade de imóveis residenciais disponíveis para alugar: Catete e Leme. O primeiro, com elevação frente ao mês anterior de 30,96 pontos percentuais, chega a uma taxa de desocupação de 25,8% dos imóveis e o Leme, que teve crescimento de 15,91% em sua vacância, alcança 15,3%.

Mesmo com a queda do volume de imóveis vazios para locação em quatro importantes bairros no mês de junho, o cenário ainda traz preocupação, pois a média considerada normal é de 8 a 10% do total de imóveis. A vacância do Leblon, por exemplo, se mantém uma das mais altas por vários meses seguidos, em 19,4%. Em seguida, estão: Flamengo, com taxa de 14,1%; Ipanema, com taxa 15,9%; e Laranjeiras, chegando a taxa de 14,9%.

O Centro continua como um dos bairros com maior estoque de imóveis vazios, cerca de 37,6%.

Na Grande Tijuca, a Tijuca está 100% acima do normal, com taxa de 20,8%; e também o Grajaú (20,7%). Vila Isabel chega a 16,8%. Já o Maracanã teve aumento e está em 14,6%. No restante da Zona Norte, destacam-se Méier, com 15,6% de desocupação e o Rio Comprido com 20,0%.

Na Zona Oeste, o Recreio se destaca com uma das menores taxas de vacância do Rio de Janeiro, em 5,4%.

Preços caem em parte dos bairros por conta do estoque mais alto

Na Zona Sul, chama atenção o valor médio de Ipanema, em R$ 65,18, valor mais alto do que a média do Leblon, em R$ 59,46. Ipanema registrou aumento de 8,47% nos alugueis no último ano e o Leblon aumentou apenas 0,3%. Um dos motivos pode ser o maior estoque disponível no bairro.

Em seguida, os valores mais altos estão no Leme, cujo metro quadrado médio está em R$ 39,54, 2,28% maior do que há 12 meses; Botafogo (R$ 38,60/ m²), e 3,33% menor; Flamengo (R$ 37,78/ m²) e 3,68% a mais, Copacabana (R$ 37,15/ m²), 4,47% a menos; Catete (R$ 36,07/ m²) e 4,50% mais baixo; e Laranjeiras (R$ 33,24) e 6,50% mais alto do que a média no último ano.

O Centro, apesar do impacto nas desocupações residenciais, com a vacância praticamente dobrada na região, está custando 10,24% a mais, na faixa de R$ 27,67 por metro quadrado.

Na Zona Norte, a Tijuca, que lidera com a maior vacância, teve queda em 5,03% de um mês para o outro, com valores em torno de R$ 22,99 por m². No ano, há queda de 0,91% nos valores. O Grajaú, apesar da vacância alta, caiu apenas 1,20%, custando R$ 20,63. Nos últimos doze meses, o aumento foi de 0,15%. Já o Maracanã, com aumento de 0,77%, está na faixa de R$ 23,61, e tem o maior valor na região.

De acordo com o gerente de imóveis da APSA, Jean Carvalho, a pandemia trouxe algumas mudanças nos perfis de imóveis procurados. Em geral, as pessoas querem ao menos uma varanda e um local para fazer de homeoffice. Com mais pessoas em casa, um banheiro extra e cozinha mais ampla também são importantes. “Imóveis sem estas características são os que estão ficando vagos por mais tempo. Algumas vezes, os inquilinos precisam baixar os valores para alugar. Se antes as pessoas queriam um local menor, que desse menos trabalho para manter limpo e organizado, hoje elas querem um pouco mais de espaço, e área livre e descoberta para lazer bem próxima. Tudo depende realmente da disponibilidade financeira do inquilino. Mas ainda aguardamos ajustes de cenário. A questão do homeoffice, por exemplo, ainda pode ter mudanças nas empresas, a depender do sucesso da vacinação em massa”

Volume de locações – A quantidade de imóveis alugada em junho teve crescimento de 158,3% com relação a junho de 2020, quando o mercado estava mais parado. Com relação a maio de 2021, o aumento é de 19,2%.

Sobre a APSA – Criada em 1931, a APSA é referência e uma das maiores empresas do Brasil em soluções para o viver bem em propriedades urbanas. Líder no mercado nacional de administração de condomínios, conta com uma carteira de mais de 100 mil imóveis distribuídos em mais de 3 mil condomínios. Em locação, são cerca de 9 mil imóveis administrados. A APSA também atua com compra e venda de imóveis. É a primeira administradora nacional digital, além de possuir rede de atendimento espalhada por várias capitais do país – Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Recife, Fortaleza e Maceió.

Fonte: Danthi Comunicações

Confiram ainda:

No Urbe CaRioca

Reviver Centro: Agora depende do setor privado

Vereadores aprovam projeto Reviver Centro: quem viver, verá

Sempre o Gabarito, 2021 – O Centro e a Operação Interligada para a Zona Sul

FAM-RIO questiona PLC dito para o Centro do Rio

Reviver Centro – Prefeito retira Projeto de Lei Complementar da Câmara

Pesquisa para o Plano Urbano Reviver Centro – Segunda fase

Mais sobre a proposta para o Centro do Rio

Mais Gabarito e Menos Imposto no enredo da Prefeitura para o Centro – Vai dar samba?

Prefeitura do Rio apresentará propostas para revitalizar o Centro da Cidade

Lei dos Puxadinhos: a que continuou a ser sem jamais ter sido

Câmara Municipal promoverá audiência pública para discutir PLC que institui “Reviver Centro”

No Site Sonia Rabello

Projeto de lei do Reviver Centro traveste Outorga Onerosa em Operação Interligada

Rio Projeto Reviver Centro: Parecer simplório da Câmara do Rio x Pareceres do IAB e CAU

Operação Interligada do “Reviver Centro” no Rio: jabuti não sobe em árvore

#Recomendo: Ainda sobre o Projeto de lei “Reviver Centro” no Rio, vale ler outro artigo…

Rio: Projeto de lei “Reviver Centro” confronta com a revisão do Plano Diretor da Cidade

 #jornal.PD-RIO: O Início – “Mudar para tudo continuar como está”

Plano Diretor: entidades participam de debate na Câmara

O futuro Plano Diretor do Rio: solução para o caos do seu planejamento urbano?

Participação popular e Plano Diretor: debates durante a pandemia?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.