QUARTEL DA PM, UM BOM COMBATE

Iluchar Desmons – Panorama da Cidade do Rio de Janeiro tomado de Santo Antônio a voo de pássaro – 1854. Vista tomada do Morro de Santo Antônio, vendo-se o quartel da Rua dos Barbonos (atual Evaristo da Veiga), hoje quartel da polícia Militar.

 Texto: Paisagem do Rio de Janeiro, George Ermakoff
Imagem:  Iba Mendes Pesquisa a partir da Biblioteca Nacional Digital do Brasil

O Urbe CaRioca pediu sugestões sobre que destino deverá ter a área do Batalhão da PM do Estado do Rio de Janeiro situado na Rua Evaristo da Veiga, com base na premissa de que o QG será efetivamente desativado após a transferência do contingente para outro prédio, conforme anunciado. As condições pedidas foram (1) buscar o melhor para a CIDADE e sua POPULAÇÃO, e (2) preservar e divulgar a MEMÓRIA e o PATRIMÔNIO CULTURAL do RIO. Abaixo, lista das sugestõesrecebidas, artigos publicados e outras opiniões.

v COMENTÁRIOS de urbanistas e profissionais de outras áreas
Patricia A., Nelson P., Maria José M., Ailton M., Sonia F. e Nireu C.

v ARTIGOS publicados
REVISTA DE HISTÓRIA – Artigo: Caso de Polícia
ARTIGO de Elio Gaspari – JORNAL O GLOBO em 27/5/2012
ARTIGO de DARIO CONY DOS SANTOS – Jornal O GLOBO em 28/5/2012

v OUTROS COMENTÁRIOS
CARTA Alexei Bueno, Hélio Brasil, Ivo Korytovski, Nireu Cavalcanti ao Jornal O GlOBO
OPINIÃO do CORONEL PM Mário Sérgio de Brito Duarte 
OPINIÃO do CORONEL PM Wilton Soares Ribeiro[...] Leia mais

SUGESTÃO para EMPRESAS de BOTAFOGO E HUMAITÁ pós BENESSE URBANÍSTICA

Hoje entra na pauta da Câmara de vereadores, mais uma vez, o projeto de lei para aumentar =&0=& andar em =&1=& casa de =&1=& pessoa. O Urbe CaRioca já explicou no post =&4=& todas as implicações da proposta defendida como necessária (!) que pode até parecer inofensiva. Afinal, tão pequeno, em uma casinha…
MANSÃO NA ÍNDIA – REVISTA VANITY FAIR E CADERNO ELA ON LINE DO JORNAL O GLOBO

A imagem publicada hoje, coincidentemente, no Caderno Ela On Line do Jornal O Globo pode inspirar futuros pedidos de aumento de andares só para EMPRESAS – clínicas, hospitais, escolas, sedes administrativas, academias de ginástica –[...] Leia mais

QUARTEL DA PM, A ENORME PEQUENEZ

Domingos Peixoto / Agência O Globo
Fonte: Pesquisa Globo on Line

QUARTEL DA PM, A ENORME PEQUENEZ

Para tratar de Aquartelamento, Segurança e meandros jurídico-administrativos existem a Polícia, os juristas e o Ministério Público. Ao Urbe Carioca só cabe analisar a polêmica sobre o Quartel da PM sob o ponto de vista urbanístico. Por isso qualquer comentário parte da premissa de que o Quartel será efetivamente desativado, ou seja, prédio e terreno ficarão sem uso. Fica a curiosidade sobre quem nasceu primeiro: saber se a saída da polícia foi decisão anterior e gerou a ideia milionária, ou se o desejo de vender a área expulsará a PM. O caso do Batalhão é tão simples que uma frase basta para dar início a qualquer debate: LUGAR, TERRENO E PRÉDIO NÃO SÃO COMUNS. Historiadores já repudiaram a proposta do governo para o LUGAR que há quase duzentos anos recebeu um quartel; protestos contra a demolição do PRÉDIO centenário explodem nas redes sociais; o TERRENO é um espaço único no Centro da Cidade: construções baixas no seu enorme perímetro formam o pátio interno para onde se volta uma capela. A falta do tombamento não elimina a História e a Memória. Visualmente o Rio respira no percurso entre os Arcos da Lapa e o Teatro Municipal. No Rio de Janeiro o proprietário de um terreno vazio ou edificado que queira nele construir deve ir aos órgãos públicos aprovar um projeto de arquitetura e obter licença para demolir. Obedecida a lei urbanística, demolição e construção serão autorizadas. O Estado, porém, não é um proprietário qualquer. Ao propor um negócio imobiliário para o Terreno do Batalhão o Governo Estadual mostra, de novo, sua enorme pequenez*, já notória com o caso do Metrô, entre outros exemplos. Reduzir o Patrimônio Cultural do Rio a escombros para que nasça mais um prédio comercial – que poderia ser construído em outro lugar – em troca de dinheiro que ninguém sabe para onde vai, é perder a oportunidade única de integrar aquele espaço à Urbe CaRioca e abri-lo para a população. É mesquinho* (coincidência: v. acepção 5). Por outro lado, é chocante o apoio do Governo Municipal, sem voz ativa, embora seja o único responsável pelas decisões em relação ao uso do solo por determinação constitucional. Para a Petrobrás há o Porto Maravilha, que implora por empreendimentos. Se a questão é proximidade com a Sede, há outros terrenos vazios no Centro, há prédios do Governo Federal abandonados e até os muitos imóveis igualmente abandonados pela Prefeitura, disponíveis conforme decreto anunciado há uma semana. A própria Petrobrás, além de sua sede modernosa, usa edifícios novos, como a Torre Almirante, e adaptados, como o Edifício Nilomex, exemplar Art-Decó objeto de restauração e reforma. Para combater a pequenez dos nossos administradores e considerando ser verdade que o imóvel da Rua Evaristo da Veiga não será mais usado como quartel, o Urbe CaRiocaconvidou todos que têm apreço pelo Rio – não apenas urbanistas e arquitetos – a apresentarem sugestões em relação ao uso do Terreno do Batalhão. ·       Premissa: O Batalhão será desativado. ·       Condições: Ser o melhor para cidade e população sob o ponto de vista urbanístico. // Respeitar, valorizar e divulgar a Memória do Rio e o Patrimônio Cultural CaRioca. Recebemos várias sugestões que serão apresentadas em seguida. *PEQUENEZ=&8=&  substantivo feminino 1     qualidade de pequeno 2     período da infância; meninice 3     pequena altura, estatura reduzida 4     Derivação: sentido figurado. qualidade de insignificante, de mesquinho Ex.: a p. daquele ato deixou-o chocado 5     Derivação: sentido figurado. falta de elevação, de estatura moral ou intelectual Ex.: a característica principal de seu espírito era a p. *MESQUINHO=&8=&  adjetivo 1     demasiadamente agarrado a bens materiais; avaro, sovina Ex.: velho m. 2     desprezível, parco, parcimonioso Exs.: esmola m. presente m. 3       escasso de recursos; pobre, medíocre Exs.: vida m.  discurso m. 4       falto de grandeza, de magnanimidade Ex.: sentimentos m. 5       que demonstra estreiteza de espírito e de visão Exs.: atitude m.  política m.  dirigentes m. 6       insignificante, ordinário, reles Exs.:

moradia m.[...] Leia mais

FUTURO DO RIO, OU… RIO DO FUTURO

Uma imagem vale mais do que mil palavras Provérbio Chinês



Licença poética sobre fotografia da prefeitura divulgada pelo Jornal O Globo
Criação e arte: A.A. e P.A.

 “A Prefeitura não faz legislação pontual
para ninguém”.

Causa estranheza a afirmação publicada no Jornal O Globo há algumas semanas, diante de várias leis urbanísticas publicadas ou em análise na Câmara de Vereadores desde os primeiros dias do ano 2009, 445º Ano da Fundação da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, a saber:
·       Um espigão no Corredor Cultural – Lapa;
·       Um espigão no lugar da antiga Fábrica da Brahma – demolida;
·       Índices construtivos para Zonas Militares no Fundão – para GE, e no Leme – para residências de militares;
·       Prédio anexo para o BNDES ao lado da sua sede em área originalmente non-aedificandi e hoje com altura restrita a 12,50m; muda o Plano Urbanístico da Esplanada de Santo Antônio para o pequeno talude, resto do morro demolido, que ficou livre de construção;
·       Aumento de índices urbanísticos e isenções fiscais só para Hotéis;
·       Transformar o uso de prédio de residencial, no Flamengo, do Clube de Regatas do Flamengo, para hotel, a ser comprado por aquele que onde fura, acha;
BENESSES URBANÍSTICAS A CAMINHO
·       Aumentar gabarito de uma casinha em Botafogo para produtora cinematográfica (BOTAFOGO, Benesse Urbanística a Caminho);
·       Lei para aumentar altura em terreno da Casa da Moeda, na Zona Portuária
·       No Leme – área non-edificandi na APA – e no Fundão – para General Electric;
·       Construções maiores que vizinhas no terreno do antigo Curtume Carioca;
·       Projeto de lei específico para a Igreja gigantesca que existe em Del Castilho – não precisa de taxa de ocupação, entre outros mimos;
·       Transferência de potencial construtivo específica para terrenos da Barra da Tijuca na APA MARAPENDI – Área de Preservação Ambiental;
·       GUARATIBA pós Túnel da Grota Funda, mais uma área de expansão urbana;
·       QUARTEL DA PM no Centro.
BENESSES COMPLEMENTARES
·       PL 966-A/2011 – Perdão dívidas de ISS e IPTU para clubes de recreação – OBS. Todos nós, contribuintes, contribuiremos para o salário de um jogador de futebol, com verba que é da cidade.
·       Isenções fiscais só para Hotéis – já aprovada.

Obs. LEIS GERAIS QUE AUMENTARAM ÍNDICES  CONSTRUTIVOS[...] Leia mais