A proposta da Prefeitura para o Plano Diretor – comentário sobre Botafogo, de Rose Compans

Está em discussão na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, o Projeto de Lei Complementar nº 44/2021 que “dispõe sobre a política urbana e ambiental do município, institui a revisão do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Sustentável do Município do Rio de Janeiro e dá outras providências”. Nas últimas semanas, ocorreram algumas chamadas audiências públicas na Casa Legislativa. Nesta segunda-feira, dia 6, representantes da Associação de Moradores e Amigos de Botafogo (AMAB), estiveram presentes na Audiência Pública do Plano Diretor sobre a área da AP 2.1, onde está incluído o bairro. “Se as mudanças que a Secretaria Municipal de Planejamento Urbano (Prefeitura) forem aprovadas, perderemos mais ainda qualidade de vida, pois pretendem saturar mais ainda o bairro”, destacou a presidente da AMAB, Regina Chiaradia. “A proposta do novo Plano Diretor ameaça acabar com todo o Plano de Estruturação Urbana (PEU)(Leia mais)

Novas ciclovias cariocas à vista!

No último mês, publicamos o post “Novas ciclovias na Cidade”, no qual a leitora Maria da Glória destaca a urgência da implantação de mais e melhores ciclovias no bairro da Tijuca, na Zona Norte da Cidade, e adjacências. “São bairros  muito populosos e a ciclovia  é uma ótima opção de transporte urbano em todo o mundo”, afirmou. A Prefeitura agora anuncia que está no ar a plataforma participa.rio/ciclorio com a enquete de participação pública sobre o Plano de Expansão Cicloviária da Cidade.  A ferramenta colocada à disposição da população é apresentada como um marco na aproximação dos cariocas ao planejamento integrado da cidade. De fato, que o fortalecimento  da cultura de participação nos planos de curto, médio e longo prazo é fundamental para a construção de uma cidade com mais qualidade de vida para seus cidadãos.  Que venham as ciclovias(Leia mais)

No Porto Maravilha, a moradia é à bangu, de Pedro Jorgensen

Neste artigo, publicado originalmente no site “À beira do urbanismo”, o arquiteto e urbanista Pedro Jorgensen Jr aborda a Operação Urbana Consorciada Porto Maravilha e a falta de planejamento efetivo ao que se refere à questão da moradia e a formação de novos bairros residenciais na região. “Seriam necessários não apenas uma estratégia condizente com o tamanho da área e as incertezas da economia – a onda de choque da debacle global de 2008 não era, como se viu, uma simples marolinha -, mas também um plano urbanístico digno desse nome e, o que é decisivo, uma gerência de projeto com reconhecido saber e larga experiência em desenvolvimento urbano”, destaca. Urbe CaRioca No Porto Maravilha, a moradia é à bangu Publicado originalmente no site “À beira do urbanismo” Não é de hoje que critico a OUC Porto Maravilha por não(Leia mais)