Por que não enfeitamos as ruas? – Por André Luis Mansur

Neste artigo, o jornalista e escritor André Luis Mansur destaca as grandes mudanças observadas nos bairros do Rio de Janeiro para preparação da Copa do Mundo. Enquanto, em mundiais anteriores, moradores se reuniam e se confraternizam, enfeitando e colorindo de verde e amarelo as ruas da cidade, desta vez o cenário é outro. Confiram a sua análise afiada e os seus destaques. Urbe CaRioca POR QUE NÃO ENFEITAMOS AS RUAS? – Por André Luis Mansur Já tinha notado uma diminuição drástica nas últimas copas, mesmo na do Brasil, mas desta vez realmente me impressionei, pois não vi até agora uma rua enfeitada para a Copa do Mundo. Nem no meu bairro, Campo Grande, nem no subúrbio em geral e nem na zona sul. Claro, deve ter uma ou outra, mas posso dar um chute aqui de que no máximo 3% a 4%(Leia mais)

Sobre o Maracanã que não existe mais

Na época da obra que mutilaria o antigo Estádio Jornalista Mário Filho, o conhecido Maracanã, ainda carinhosamente apelidado ‘Maraca’, este Urbe CaRioca manifestou-se insistentemente sobre o que considerava um enorme erro: modificar o gigante em sua essência, caracterizada principalmente pela enorme marquise em balanço que o distinguia. O retrocesso das políticas de proteção ao patrimônio cultural, e o triste caso do Maracanã, estiveram em alguns posts, entre os quais: Artigo: MARACANÃ: MAIS MUTILAÇÃO (link), de 23 de outubro de 2012 Artigo: PATRIMÔNIO DO RIO: PROTEÇÃO E RETROCESSO*, (link)Andréa Redondo, de 21 de maio de 2013 Artigo: O INCRÍVEL TOMBAMENTO DO ANTIGO MUSEU DO ÍNDIO E DOS EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS VIZINHOS AO MARACANà(link), de 13 de agosto de 2013 Nada contra levar mais conforto aos torcedores instalando cadeiras nas desconfortáveis arquibancadas de concreto, ou modernizar instalações de apoio, obras que já haviam sido feitas(Leia mais)

A LEI DAS ESTATAIS E O REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES – RDC

Maracanã reconstruído para a Copa do Mundo.Foto> O Globo, agosto/2012 Na última quinta-feira, dia 30/06, o Presidente da República interino sancionou a Lei nº 13.303/2016 que “Dispõe sobre o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios”. A lei também trata do chamado Regime Diferenciado de Contratações – RDC, questão que tem sido objeto de polêmicas desde sua implantação em 2011 pela Lei nº 12462 de 04/08/2011, com a justificativa de facilitar a contratação de obras necessárias à realização dos grandes eventos que o Brasil receberia a partir de 2013, entre várias outras aplicações possíveis. LEI Nº 12.462, DE 4 DE AGOSTO DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I Do Regime Diferenciado de(Leia mais)

ENGENHÃO E MARACANÃ, ENTREVISTA E EX-BLOG

ENGENHÃO – fase final de construção, abril/2007Foto: Urbe CaRioca O Estádio Olímpico conhecido pelo apelido carinhoso de Engenhão*, foi construído para os Jogos Pan-Americanos 2007. Mas foi fechado em março/2013, segundo a Prefeitura porque havia risco de queda da cobertura construída com estrutura metálica. Engenheiros deram declarações diferentes sobre haver ou não risco real de colapso. Assunto controverso, na ocasião foi afirmado que se houvesse ventos fortes a estrutura desabaria, conforme divulgado pela mídia. Os ventos vieram, arrancaram árvores por toda a cidade e o Engenhão continuou lá… Enquanto isso, a cobertura original do Maracanã fora demolida após um incompreensível parecer favorável do IPHAN, e também sem a apresentação de laudos definitivos sobre a impossibilidade de sua recuperação. Talvez nunca se saiba a verdade sobre os dois casos. Restam algumas pistas. O Ex-Prefeito Cesar Maia, idealizador da construção do Engenhão, erguido(Leia mais)

Artigo: ESTÁDIOS E O LEGADO DA COPA DO MUNDO FIFA 2014, de Ephim Shluger

O arquiteto, urbanista e atual Vice-Presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil IAB-RJ, Ephim Shluger, traça um panorama do ponto de vista urbanístico sobre o conjunto de ações do poder público – sob os critérios estabelecidos pela FIFA – para a realização da Copa do Mundo 2014 no Brasil. Entre outros aspectos analisa as perspectivas sobre possíveis melhorias para a população em decorrência, por exemplo, de projetos para promover a mobilidade urbana nas capitais escolhidas para receberem os jogos. Se, por um lado, nos dá conta de que foram aplicados critérios de sustentabilidade nas obras dos estádios, por outro aponta a ausência dos debates públicos e, até aqui, a existência de “impactos sócio-ambientais e estéticos preocupantes”. NOTA: O artigo foi publicado originalmente no Jornal Peru Molhado que circula na cidade de Búzios. Boa leitura. Urbe CaRioca   ESTÁDIO DO MARACANÃApós(Leia mais)

Artigo: A POLUIÇÃO SONORA DOS EVENTOS PRIVADOS DURANTE A COPA, de Virgínia Totti Guimarães

Neste artigo a professora de Direito Ambiental relembra as inúmeras obrigações geradas para as instituições públicas durante a realização da Copa do Mundo com foco específico na questão da poluição sonora causada pela realização de eventos particulares, seus impactos negativos, e as tentativas de moradores que têm pedido a intervenção das autoridades, sem sucesso. Boa leitura.               Urbe CaRioca A POLUIÇÃO SONORA DOS EVENTOSPRIVADOS DURANTE A COPA Virgínia Totti Guimarães Abordar um dos problemas ocasionados durante o evento não interfere na importância de se discutir as grandes decisões que vem sendo tomadas, principalmente sem a participação da sociedade, a começar pela própria realização dos jogos e das olimpíadas. A sociedade não pode ficar abandonada durante a realização da Copa e, no caso deste artigo, pretende-se abordar apenas um destes aspectos: a poluição sonora de eventos privados e a omissão dos(Leia mais)

MICKEY MOUSE VAI AO MARACA, PATO DONALD QUER JOGAR GOLFE

CrôniCaRioca  Internet Hoje, dia da abertura da Copa do Mundo, o campeonato mundial de futebol, em terras brasileiras, o blog é dedicado aos cariocas de todas as idades. Daqui a alguns anos os papais e mamães, vovôs e vovós, e titios e titias dos carioquinhas poderão explicar aos hoje pequetitos que a marquise do Gigante do Futebol era de concreto e que ainda era possível mandar os passarinhos se calarem para não atrapalhar as tacadas golfísticas. O que na Cidade Maravilhosa, aconteceu literalmente. ESTÁDIO DO MARACANÃAntes da reforma realizada para a Copa do Mundo de 2014foto: Wikimedia Divirtam-se! E, para quem curte futebol, bom jogo Brasil x Croácia! Urbe CaRioca  MICKEY MOUSE VAI AO MARACA, PATO DONALD QUER JOGAR GOLFE O Futebol Clássico – Mickey Mouse Youtube Donald Joga Golfe Youtube

Artigo – A “REINVENÇÃO” DO RIO E A DESIGUALDADE SOCIAL, de Sonia Rabello

No início de dezembro último a professora e jurista Sonia Rabello comentou, em sua página na web, matéria publicada no jornal The New York Times em novembro/2013 intitulada A Divided Rio de Janeiro, Overreaching for the World onde o periódico aborda os eventos internacionais que a cidade receberá e comenta a situação atual do Rio de Janeiro, o que inclui as obras gerais que estão sendo realizadas – cita inclusive a demolição do Elevado da Perimetral e a falta de habitação na Zona Portuária -, e problemas de toda ordem, com destaque para os recentes protestos da população, e as desigualdades sociais. Segundo o NYT ‘This is a city divided on itself’. Pena. Embora o jornal americano tenha publicado o artigo há mais de  dois meses, a violência na Urbe CaRioca que, infelizmente, cresce a cada dia, fez oportuno relembrar o assunto. Tomara que este quadro mude para que,(Leia mais)