Os primórdios da Zona Oeste do Rio de Janeiro, de André Luis Mansur

Neste artigo, o jornalista e escritor André Luis Mansur destaca uma parte da sua obra “O Velho Oeste Carioca”, na qual resgata de forma detalhada e interessante a história da Zona Oeste do Rio de Janeiro, apresentando uma visão global da região e chamando a atenção para a sua riqueza histórica e natural. Vale a leitura !

Urbe CaRioca

Os primórdios da Zona Oeste do Rio de Janeiro

André Luis Mansur

A zona oeste do Rio de Janeiro, chamada de “sertão carioca” pelo escritor e pesquisador Magalhães Corrêa no livro de mesmo nome sobre Jacarepaguá, foi desde o início uma terra de latifúndios, de senhores e senhoras de engenhos e fazendas, cujos limites na maioria das vezes imprecisos davam origem a conflitos e processos judiciais que podiam se arrastar por anos. Com o tempo, essas grandes porções de terra trabalhadas por muita mão de obra escrava foram sendo fragmentadas, principalmente devido ao declínio da produção dos engenhos e das lavouras, dando origem a fazendas e propriedades menores e daí a bairros e localidades que muitas vezes mantiveram os nomes dos engenhos e fazendas que lhes deram origem. Para Adolfo Morales de los Rios Filho, sertão era “a terra que ficava ao longe”. E esclarece mais: “O sertão começava no limite suburbano das cidades e vilas, nos lugares por onde passavam afastados rios, nas florestas espessas, nos vales cercados por altaneiras montanhas; principiava no desconhecido que tanto se desejava conhecer”. (O Rio de Janeiro Imperial, de Adolfo Morales de los Rios Filho)[...] Leia mais

Terminal Rodoviário no Recreio dos Bandeirantes – Informações divulgadas pela AMOR

Dando continuidade ao post “Um Terminal Rodoviário no Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste do Rio”, que trata do projeto da Prefeitura para a implantação de um Terminal Rodoviário a ser construído em terreno situado na Avenida das Américas, e que tem gerado muitos debates entre os moradores da região, informações divulgadas pela Associação de Moradores do Recreio (AMOR), detalhando todo o histórico da questão.[...] Leia mais

Um Terminal Rodoviário no Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste do Rio

Notícia que circula pelas redondezas da Zona Oeste da Cidade do Rio de Janeiro – Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Jacarepaguá e outros bairros vizinhos – está dando o que falar.

Trata-se de projeto da Prefeitura para a implantação de um Terminal Rodoviário a ser construído em terreno situado na Avenida das Américas, com frente também para o prolongamento da Rua Henfil (indicada no croqui como Rua Projetada), na confluência do Canal das Taxas com aquela  via (Avenida Henfil), próximo ao Hotel Ramada.[...] Leia mais

Dia Mundial do Meio Ambiente 2018 – O monumento e o Autódromo indesejáveis

Hoje a Urbe CaRioca poderia ter sido presenteada com alguma ação em prol da proteção do seu Meio Ambiente para comemorar o dia a esse dedicado. Ao contrário, nas últimas horas a cidade foi contemplada com duas notícias inesperadas e indesejadas por muitos.

O Prefeito do Rio fará um show destinado a angariar fundos para a construção do Museu do Holocausto – medida louvável não fosse ele o Chefe do Executivo a exercer atividade estranha ao cargo, e o local inadequado escolhido para erguer a construção com altura de 5,00 metros, acrescida de um obelisco que atingirá 22,00 metros: o Morro do Pasmado, onde fica o Mirante do Pasmado, de onde se mira a estupenda paisagem da Baía de Guanabara e do Pão de Açúcar. Na visada oposta, o Morro do Pasmado é também moldura para Enseada de Botafogo, para o mesmo Pão de Açúcar, e para o Morro da Urca, conjunto que conforma paisagem única, Patrimônio da Humanidade que será maculado pela construção indevida. Por tudo vale repetir: “Contra a falta de sensibilidade não há remédio… de que serve o Plano Diretor do Município do Rio de Janeiro… o que diz o Conselho Municipal de Patrimônio Cultural… as vítimas de tal barbaridade merecem todas as homenagens… entretanto… o local escolhido é inadequado”.[...] Leia mais

OUTRAS NOTÍCIAS DO SÍTIO ARQUEOLÓGICO DE SEPETIBA, de Cláudio Prado de Mello

Dando continuidade ao post “O Rio começa em Sepetiba”, mais um artigo do arqueólogo Cláudio Prado de Mello com registros importantes sobre a história do Rio de Janeiro, reveladas através de estudos arqueológicos na Zona Oeste da cidade. Boa leitura.

Urbe CaRioca

OUTRAS NOTÍCIAS DO SÍTIO ARQUEOLÓGICO DE SEPETIBA
FATOS EXTRAORDINÁRIOS DE UM RIO QUE COMEÇA EM SEPETIBA

Cumprindo a obrigação de todo cidadão brasileiro no exercício de seus deveres frente à preservação do Patrimônio… temos noticias excelentes a dar ! Tendo o sitio arqueológico permanecido oculto durante centenas de anos, um deslizamento de contenção e de encosta (devido às recentes chuvas) revelou suas camadas arqueológicas que chamou a atenção da turismóloga Telma Lopes.[...] Leia mais

O RIO COMEÇA EM SEPETIBA, de Cláudio Prado de Mello

Mais um artigo do arqueólogo Cláudio Prado de Mello traz notícias importantes sobre a história do Rio de Janeiro, reveladas através de estudos arqueológicos na Zona Oeste da cidade. Boa leitura.

Urbe CaRioca

O RIO COMEÇA EM SEPETIBA

Apesar de muitos acharem o contrário, Sepetiba não é um Município do Estado do Rio de Janeiro, e, sim um bairro do Município do Rio de Janeiro. Sepetiba não é O Último bairro do Rio de Janeiro, mas sim o primeiro! Com essa afirmação começamos a mostrar um pouco sobre sua história e importância no contexto histórico e arqueológico.[...] Leia mais

PEU NÃO RESOLVE PROBLEMAS URBANOS, de Canage Vilhena

Não tivemos oportunidade de comentar a reportagem de Selma Schimit publicada no último dia 29/10 no jornal O Globo – ‘Projeto quer incentivar ocupação de áreas com infraestrutura, como o Porto’ -, que teve o subtítulo ‘Proposta contraria ideia de Crivella de avançar para Vargens’. Aqui interessa-nos agora o subtítulo, embora tanto a Zona Portuária da Cidade do Rio de Janeiro como a chamada Região das Vargens tenham sido assunto recorrente neste site, o último, inclusive, foco de artigos do arquiteto Canage Vilhena, conhecedor da área e de seus inúmeros problemas urbanos (marcadores ‘PEU Vargens’ e ‘Índices urbanísticos’, entre outros).[...] Leia mais

Praia da Macumba: Audiência? O que é isso?, de Canage Vilhena

Depois de Praia da Macumba – Em 2006, o aviso de Canagé Vilhena e Praia da Macumba – E a Ressaca levou…, o autor do artigo questiona a decisão do Ministério Público Federal que pretende convocar uma audiência com a prefeitura e o Secretário de Conservação e Meio Ambiente. A seguir, um vídeo do local e os motivos apontados pelo arquiteto.

Urbe CaRioca

Postado por Luciano Reis no Youtube em 25/10/2017[...] Leia mais

Rio das Pedras – A proposta do Prefeito em computação gráfica

O anúncio feito pelo prefeito de que pretende urbanizar a favela Rio das Pedras substituindo lojas, casas e barracos por edifícios com 12(doze) andares tem rendido algumas discussões.

Neste Urbe CaRioca comentamos o assunto em:

SOBRE URBANIZAR A FAVELA RIO DAS PEDRAS (21/04/2017)

FAVELA RIO DAS PEDRAS – COMENTÁRIOS (28/04/2017)

RIO DAS PEDRAS – MAIS COMENTÁRIOS SOBRE A PROPOSTA DO PREFEITO (24/05/2017)

FAVELA RIO DAS PEDRAS, ITANHANGÁ – O QUE A PREFEITURA PRETENDE (12/06/2017) 

Abaixo está o vídeo com apresentação do projeto de urbanização e construção divulgado pelo alcaide em redes sociais.[...] Leia mais

O PAI DA MINHA AMIGA CLEIA

CrôniCaRioca

Já contei histórias sobre a Mãe CaRioca, e sobre o Pai CaRioca – os meus – para celebrar as datas comemorativas em maio e em agosto, desde que o blog, agora site Urbe CaRioca, foi criado, em 2012, memórias familiares misturadas às coisas da cidade.

Nada preparado para 2017, eis que pela manhã me deparo com uma lembrança escrita por Cleia Schiavo, amiga de anos, e encontro semelhanças com as vidas de meus pais. A Mãe CaRioca, também nascida na Gávea, o Pai CaRioca, nascido no subúrbio, ela e minha avó trabalharam na Fábrica de Tecidos Carioca, no Jardim Botânico, ele, que me contava histórias e era autor de marchinha de carnaval! Ambos falecidos na mesma época do Sr. Alvize. Ainda, em comum, a valorização dos estudos, que se esforçaram para garantir aos filhos. Quem sabe nossos avós foram amigos nos tempos em que o apito da Fábrica soava implacavelmente às 7.00h e os portões se fechavam?[...] Leia mais

OS PLANOS VERDES DA GESTÃO MUNICIPAL, de Hugo Costa

No artigo abaixo, o autor de BRT TRANSCARIOCA, UM LEGADO PARA QUEM? – cuja releitura é oportuna diante dos últimos acontecimentos ligados a esta via expressa, uma das obras “pra Olimpíada” – analisa aspecto importante abordado na primeira versão do novo Plano Estratégico em elaboração para a Cidade do Rio de Janeiro. Mais um plano, diga-se.

Urbe CaRioca

OS PLANOS VERDES DA GESTÃO MUNICIPAL[...] Leia mais