SEMANA 12/08/2013 a 16/08/2013 – TOMBAMENTOS INCRÍVEIS, Artigo JANOT, e MENOS UM TRAMBOLHO

“Note-se que todos os equipamentos, tutelados pelo governo estadual por herança do antigo Estado da Guanabara, foram reformados para a realização dos Jogos Pan-americanos de 2007, à custa de muitas verbas públicas.”.

Trecho de O INCRÍVEL TOMBAMENTO DO ANTIGO MUSEU DO ÍNDIO E DOS EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS VIZINHOS AO MARACANÃ

 

Os arquitetos Miguel Feldman e Antônio D. Carneiro diante da maquete do Maracanã, em 16/6/1949 – foto da coleção de Branca Feldman
=&0=& =&1=& =&2=&

O INCRÍVEL TOMBAMENTO DO ANTIGO MUSEU DO ÍNDIO E DOS EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS VIZINHOS AO MARACANÃ


A demolição de qualquer edificação na Cidade do Rio de Janeiro depende de licença da Prefeitura. No caso de prédios construídos até o ano de 1937 as licenças para demolir são submetidas previamente ao Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural. O mecanismo, criado em 1990, tem a finalidade de detectar construções de interesse cultural – em sentido amplo – o que pode levar a ações para a preservação desses bens, seja através do tombamento, em geral quando há valor individual, ou da criação das Áreas de Proteção do Patrimônio Cultural – APAC, quando há existem conjuntos arquitetônicos relacionados à memória urbana histórica, cultural, ou mesmo afetiva para determinada coletividade.


O ano 1937 refere-se à primeira consolidação das normas para edificar no então Distrito Federal e Capital da República, o que não impede que construções mais recentes venham a ser também objeto de proteção, a exemplo do que ocorreu com um grupo de prédios modernistas de 1950/1960, e vários outros de estilo art-decó posteriores a 1937.




“Uma piscina linda, cheia de história, de vida e que marcou a carreira de muitos
de nós. Imagens que ficarão guardadas para sempre em nossa memória
e registradas aqui na Best Swimming.” 
Fonte: www.bestswimming.com.br


O Complexo do Maracanã, Estádio de Futebol ícone do Rio e do Brasil, foi tombado em 2000 pelo governo federal e em 2002 pelo governo municipal. No último foram incluídas as “demais construções que integram o complexo desportivo instalado no local”, pois “constituem conjunto de grande importância histórica, arquitetônica, cultural e afetiva para a Cidade do Rio de Janeiro”. Portanto, além do Estádio Mário Filho (Maracanã) foram protegidos o Ginásio Gilberto Cardoso (Maracanazinho) a Pista de Atletismo Célio de Barros, e o Parque Aquático Júlio Delamare.


Note-se que todos os equipamentos, tutelados pelo governo estadual por herança do antigo Estado da Guanabara, foram reformados para a realização dos Jogos Pan-americanos de 2007, à custa de muitas verbas públicas.




Mas, após a inexplicável autorização do próprio IPHAN mesmo diante do tombamento de sua própria alçada em 2000 – leia-se: governo federal -, a marquise, obra espetacular do concreto armado e orgulho da engenharia nacional, foi abaixo junto com praticamente todo o estádio, do qual restou apenas parte da carcaça, exalando o mau cheiro de práticas, no mínimo, questionáveis.


Tudo feito pelo governo estadual com a cúmplice omissão da prefeitura. Afinal, já foi dito que “tudo é prá Olímpíada” mesmo que nada tenha a ver com Olimpíada…



“Esse negócio de Olimpíada é sensacional prá você usar como
desculpa prá tudo. Então tudo que eu tenho que fazer, agora 
vou fazer prá Olimpíada, fazer prá Olimpíada. Tem coisa
que tem a ver com Olimpíada, tem coisa que não tem nada a ver, mas eu uso”.
Prefeito Eduardo Paes em 14/10/2012




Dizem que o Estádio ficou lindo. É outro, é claro. O Gigante não existe mais. É História em fotos, filmes e lembranças.



O que fizeram foi pouco. Leia mais

SEMANA 05/08/2013 a 09/08/2013 – DES-DEMOLIÇÕES, QUARTEL – VENDA ADIADA, E O FORD 1950

=&0=&

“Nada existe ainda sobre a proteção do sítio histórico, o respeito à memória urbana e à História de 200 anos que o lugar abriga, nem o anúncio, por exemplo, de um projeto de urbanização para integrá-lo à cidade com uso mais nobre do que simplesmente entregar o espaço ao mercado imobiliário”.

Trecho de VOU DEMOLIR! HUMMM.. REFLETI… NÃO VOU DEMOLIR…

Internet – Fotolog
=&1=& =&2=& =&3=&

Os posts imediatamente anteriores; as idas e vindas sobre a demolição das instalações esportivas no entorno do Maracanã; o anúncio de que o Quartel da PM da Rua Evaristo da Veiga – O Quartel dos Barbonos  – por enquanto não será vendido. Por enquanto. Portanto, há que manter a vigília! Na semana do Dia dos Pais a CrôniCaRioca homenageia todos os pais amorosos. Conta a história de um deles e uma de suas paixões, um carro: =&5=& FORD =&7=&. =&8=& =&9=& =&9=& =&9=& =&12=& =&9=& =&14=& =&15=& =&16=& =&16=& =&18=&

QUARTEL DA PM: EM GUARDA!

www.ameriodejaneiro.com.br

No post VOU DEMOLIR! HUMMM.. REFLETI… NÃO VOU DEMOLIR… de06/07/2013 sugerimos ao governador e prefeito, entre várias coisas, que não demolissem o Quartel dos Barbonos, condenado ao pó pelo primeiro sob o silêncio do segundo


Coincidentemente, em seguida veio o anúncio de mais um recuo do governador do Estado, dando sequência a uma série resumida na matéria publicada pela imprensa Os recuos de Cabral.

Sem dúvida, uma vitória. Pena que não dá para ‘baixar a guarda’.

Ainda no texto VOU DEMOLIR!…  afirmamos:

“Ouso dizer que as idas e vindas sobre as demolições dos equipamentos urbanos públicos citados não foram apenas fruto de reflexões ou para atender aos pedidos da sociedade civil manifestados ao ar livre, nas ruas. Por óbvio os últimos acontecimentos colaboraram para tais decisões, porém, enquanto as ruas fervem, em paralelo tramitam medidas adotadas pelo Ministério Público Estadual, processos judiciais e guerras de liminares, noticiados pela imprensa e pelas redes sociais”.
cbpmrj.com.br



A atuação da sociedade civil, de grupos de oficiais militares, e de órgãos públicos – com ampla divulgação nas redes sociais – pode ser resumida nas palavras do arquiteto e professor Roberto Anderson Magalhães, autor do artigo ALTERNATIVAS À DEMOLIÇÃO DE ESTÁDIOS ESPORTIVOS NO ENTORNO DO MARACANÃ, divulgado no Urbe CaRioca em 20/06/2013.

Contando um pouco da história. Em 2012 eu, Octavio Dantas e Silvia Knoller, fomos ao antigo Museu do Índio com a intenção de documentar seu estado de conservação. Subimos por escadas já destruídas e fotografamos tudo, colocando as imagens aqui no facebook. Acho que até então pouca gente conhecia a real situação do prédio. Após isto, o defensor público da União, Andre Ordacgy, me pediu um estudo que mostrasse a falta de necessidade da demolição do antigo Museu do Índio para a circulação de torcedores no entorno do Maracanã. Fiz o texto e ele foi usado na ação pública a respeito. Na ocasião do primeiro cerco policial ao prédio estivemos lá até que a força policial fosse demobilizada. Em seguida, passamos a lutar contra a demolição do QG da PM e organizamos juntamente com a Seaerj e a associação de oficiais da PM um abraço ao quartel. Mais tarde, organizamos um abaixo-assinado que gerou um pedido de tombamento do prédio. O mesmo defensor público me pediu um estudo sobre a necessidade de demolição dos estádios de atletismo e de natação, o qual tornou-se parte da ação pública contra sua demolição. Ver agora que todas estas ações resultaram em ganhos para a cidade não tem preço!

 

É impossível ‘baixar a guarda’ porque, segundo o governador a desistência de vender o QG da Polícia Militar deu-se porque “não teria mais tempo de fazer um novo prédio… decidiu suspender o contrato de aluguel do QG provisório… não tenho mais prazo para entregar um novo equipamento para o comando e não tinha cabimento deixar eles (sic) num prédio alugado”. Infelizmente,

as mortes anunciadas Leia mais

O MÊS NO URBE CARIOCA – JULHO 2013

Caros leitores,
Pretendemos a divulgar a lista dos textos do mês nos primeiros dias de cada mês seguinte, com o intuito de facilitar a busca e leitura pelos que tiverem interesse, ao criar uma espécie de índice. Continuará a ser feito apenas se for útil. Segue a lista dos postsde julho/2013 com os respectivos links.

Entre os mais lidos estão:

O PAPA NA URBE CARIOCA,=&2=&O “BRAINSTORM” DO ALCAIDE e=&2=&=&5=&