ILHA DO RAIMUNDO, de Cleydson Garcia

Neste artigo, publicado na página do Instituto Histórico e Geográfico Baixada de Irajá e de autoria do estudante de Arquitetura e Urbanismo Cleydson Garcia, um pesquisador apaixonado pela história do Rio de Janeiro, detalhes interessantes sobre a Ilha do Raimundo. “Reza a lenda, que os carmelitas ou jesuítas compraram a ilha e fizeram nela um seminário ou casa de moradia. Os frades podem ter feitos túneis na ilha ligando-a à ilha vizinha de Forra Semanas (Santa Rosa), dando origem a “Lenda do tesouro na Ilha do Raimundo”, cita o autor. Na segunda parte, temos o texto do professor Jaime Moares. Boa leitura ! Urbe CaRioca ILHA DO RAIMUNDO Por Cleydson Garcia Desde as primeiras ocupações indígenas no entorno do “Recôncavo da Guanabara”, esta ilha e as demais, foram aproveitadas pelos tupinambás para buscar alimentos. A ilha tinha uma densa mata atlântica, e refletia o seu(Leia mais)

Iptu carioca, a desconstrução de uma cidade através de seu imposto territorial, de Hugo Costa

Hugo Costa * Em 27 de junho de 1978, uma palestra conduzida pelo técnico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, David Vetter, mostrava o resultado de sua pesquisa realizada sobre a Cidade do Rio de Janeiro entre 1975 e 1977 e declarava que a periferia carioca (os subúrbios, citando diretamente bairros de Ramos, Penha, Meier, Engenho Novo, Madureira, Irajá, Bangu, Santa Cruz, Campo Grande e Anchieta) pagavam mais Imposto territorial relativo que o núcleo da cidade (então descrita como os bairros de Botafogo, Copacabana, Ipanema, Lagoa, Tijuca e Barra da Tijuca), embora o núcleo recebesse mais investimentos derivados destes impostos. A questão do imposto territorial relativo foi dada pela proporção do valor do metro quadrado taxado pela Prefeitura e o valor do metro quadrado do imóvel para o mercado imobiliário: enquanto nos subúrbios a taxação era feita em 70%(Leia mais)

O PAI DA MINHA AMIGA CLEIA

CrôniCaRioca Já contei histórias sobre a Mãe CaRioca, e sobre o Pai CaRioca – os meus – para celebrar as datas comemorativas em maio e em agosto, desde que o blog, agora site Urbe CaRioca, foi criado, em 2012, memórias familiares misturadas às coisas da cidade. Nada preparado para 2017, eis que pela manhã me deparo com uma lembrança escrita por Cleia Schiavo, amiga de anos, e encontro semelhanças com as vidas de meus pais. A Mãe CaRioca, também nascida na Gávea, o Pai CaRioca, nascido no subúrbio, ela e minha avó trabalharam na Fábrica de Tecidos Carioca, no Jardim Botânico, ele, que me contava histórias e era autor de marchinha de carnaval! Ambos falecidos na mesma época do Sr. Alvize. Ainda, em comum, a valorização dos estudos, que se esforçaram para garantir aos filhos. Quem sabe nossos avós foram(Leia mais)

RIO DE JANEIRO – O PREFEITO, A PREFEITURA, E O URBANISMO

Em um dos 10 PRIMEIROS PEDIDOS AO NOVO PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO perguntamos E O URBANISMO NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO?. Trecho: “Além de modificar a estrutura administrativa, a lista de decretos também contém algumas medidas, e muitas propostas sobre questões fiscais e financeiras, segurança pública, áreas de saúde e educação, transportes, setor cultural, meio ambiente, e assistência social. Chama a atenção a ausência de menção às questões urbanas, fora a intenção de criar um parque na Zona Oeste e exigir um laudo para obras de grande porte, coisa que já existe. Por isso a pergunta deste blog: Sr. Prefeito, e o Urbanismo?” Cinco meses após iniciado o novo governo municipal, este blog procurou respostas na entrevista com o alcaide publicada há dois dias (OG, 11/06). Encontrou o que segue. ‘Precisei cortar despesas’, diz Crivella em entrevista ao(Leia mais)

CASO DA FAZENDA BOTAFOGO – CRIME AO PATRIMÔNIO HISTÓRICO, de Cleydson Garcia

Membro do Grupo S.O.S. Patrimônio do Facebook, estudante de Arquitetura e pesquisador, o autor é apaixonado pela história do Rio de Janeiro. A partir da pergunta fez a si, e o intrigou – “Como o governo permite levantar um conjunto Minha Casa Minha Vida sem fazer estudo prévio do terreno com a presença de arqueólogos para desenterrar resquícios daquele patrimônio?” – publicou naquela rede social artigo sobre a região conhecida como Fazenda Botafogo, cuja antiga sede – hoje abrangida pelo bairro de Costa Barros, Zona Norte – foi demolida há alguns anos. Segundo o autor, o passado colonial nos escapa e deforma as interpretações da cidade “Maravilhosa”, pois estes arredores – hoje desvalorizados como “subúrbios” – estavam ligados à economia da cana de açúcar, do ouro e do café eram a ligação entre o antigo município das Cortes cariocas, a(Leia mais)

Artigo – De mar a mar, modernidae e tradição: Cidade e campo no Rio de Janeiro, de Cleia Schiavo Weyrauch

Mapa do zoneamento da cidade do Rio de Janeiro : Área Central e zonas Sul, Norte e Oeste na década de 1970     O blog Urbe CaRioca tem convidado os interessados a relatarem suas experiências e visões sobre os muitos bairros do Rio de Janeiro, histórias antigas e atuais, trazendo registros  para serem compartilhados com os leitores. As memórias e o conhecimento da professora e socióloga Cleia Schiavo – que já nos brindou com O CINEMA E AS ORQUÍDEAS, entre outros artigos, nos remetem ao “Sertão Carioca”, como era conhecida a Zona Oeste da nossa cidade até à primeira metade dos anos 1900. Boa leitura. Urbe CaRioca   DE MAR A MAR, MODERNIDADE E TRADIÇÃO: CIDADE E CAMPO NO RIO DE JANEIRO   Cleia Schiavo Weyrauch   Do início do Século XX até à década de 1960 o processo(Leia mais)

SEMANA URBE CARIOCA 09/06 a 13/06/2014 – EMBARGO PAINEIRAS, CINEMAS FECHADOS, MICKEY NO MARACA, DONALD NO GOLFE, e CENTRAL DO BRASIL

“Daqui a alguns anos os papais e mamães, vovôs e vovós, e titios e titias dos carioquinhas poderão explicar aos hoje pequetitos que a marquise do Gigante do Futebol era de concreto e que ainda era possível mandar os passarinhos se calarem para não atrapalhar as tacadas golfísticas.”.   Trecho de MICKEY MOUSE VAI AO MARACA, PATO DONALD QUER JOGAR GOLFE Carla Crocchi Fotos em Arte   Publicações da semana que passou e textos mais lidos Os posts imediatamente anteriores; projeto para as Paineiras deverá ser submetido à Prefeitura (que deverá descartá-lo – é claro!); artigo sobre as predas culturais no Rio, de Sonia Rabello; Mickey luta para ver a bola rolar no velho Maraca enquanto Pato Donald se esmera nas tacadas; e o artigo de Eduardo Cotrim sobre os trens suburbanos a partir de um filme-documentário dos anos 1950.(Leia mais)

Artigo – VIDA CARIOCA N° 13: UM DIA NA CENTRAL DO BRASIL DOS ANOS 50, de Eduardo Cotrim

Em tempos de pouca mobilidade e muita imobilidade urbanas o arquiteto nos transporta do século XX para o século XXI através de considerações sobre um documentário dos anos 1950 que trata do sistema de trens suburbanos em terras cariocas, e a situação atual. Para saber como era, se mudou em relação aos nossos dias e de que modo, não deixe de ler o artigo e ver o filme. Fica aqui uma pista, nas palavras de Cotrim: “…de lá para cá, passados 21 presidentes e 27 governadores, as angústias e revoltas sobre os trilhos não devem parecer tão estranhas em 2014”. Boa leitura. Urbe CaRioca Vida Carioca n° 13: um dia na Central do Brasil dos anos 50 Eduardo Cotrim O vídeo com ares de cinema de L. Rozemberg, divulgado na internet pelo fórum Trilhos do Rio, traz a nostalgia da palavra FIM no término(Leia mais)