Presidente Vargas : por uma avenida humanizada

Durante a Era Vargas, o país atravessou um processo de mudanças, incluindo sobretudo, entre as suas pautas, incentivos à “modernização”. E, nesse contexto, levanta-se a ideia de criação da Avenida Presidente Vargas, no intuito de se promover o “progresso”, exigindo, porém, a demolição do ícones do patrimônio cultural então existente. Entre esses, diversas construções coloniais, a exemplo da Igreja São Pedro dos Clérigos, um dos primeiros prédios tombados do Rio. Na época, houve uma proposta de substituição da parte inferior das paredes da igreja por concreto e a utilização de rolos para deslocá-la para o outro lado da avenida, processo que já era feito de forma semelhante no continente europeu com rolos de aço. A sugestão, porém, não foi adiante devido à impossibilidade técnica de realização. Hoje a Avenida Presidente Vargas serve como via de passagem para milhares de veículos(Leia mais)

Conheça as escolas municipais do Rio tombadas pelo IRPH

O Diário do Rio fez um levantamento das 44 escolas municipais tombadas pela Prefeitura do Rio. A maioria delas está localizada no Centro, na Grande Tijuca e na Zona Sul, destacando-se não apenas pela qualidade do ensino, mas também por arquiteturas deslumbrantes e a variação de estilos ecléticos, neoclássicos e neocoloniais. Urbe CaRioca Tesouros: Conheça as escolas municipais do Rio que são tombadas pelo IRPH Por Victor Serra – Diário do Rio Link original O Rio de Janeiro é uma cidade repleta de história e cultura, e parte dessa riqueza pode ser encontrada em suas escolas municipais. Com uma arquitetura deslumbrante, que varia entre estilos ecléticos, neoclássicos e neocoloniais, essas instituições educacionais se destacam não apenas pela qualidade do ensino, mas também pela beleza de seus prédios. O Instituto Rio Patrimônio da Humanidade tem um papel fundamental na preservação desses(Leia mais)

Instalações abandonadas da Perfumaria Kanitz, desativada na década de 80, estão à venda no Centro do Rio

Publicada no Diário do Rio, a notícia de que as antigas instalações da Perfumaria Kanitz, no Centro do Rio, estão à venda por R$ 30 milhões. Localizado na Rua Washington Luís, 117, hoje funciona como estacionamento e o lugar parece um túnel do tempo. Guarda galpões interconectados por sistema de carreta, laboratórios, elevadores, pisos hidráulicos, tanques antigos, fornos e até utensílios com que eram confeccionados os sabonetes e outros produtos da época como a famosa Água de Hungria. O prédio, que tem entrada pela Rua do Riachuelo, foi desativado na década de 80 e até hoje não ganhou utilidade a não ser um estacionamento. O espaço poderia ser adquirido pelo poder público e transformado em um grande espaço cultural, uma vez que o imóvel não pode ser derrubado já que é parte de Área de Proteção do Ambiente Cultural desde(Leia mais)

Levantamento aponta 158 prédios em condições precárias no Centro do Rio

A situação dos prédios abandonados no Centro do Rio de Janeiro tem chamado atenção, principalmente depois de desabamentos recentes, que mostram a urgência de ações para evitar novos desmoronamentos. Um desses casos foi o colapso da estrutura interna de um imóvel na Praça da República, na noite do dia 17 de março. Outro episódio, em outubro de 2023, envolveu o desabamento parcial de um prédio na Rua do Mercado, na região do Arco do Teles, que afetou um imóvel vizinho. Matéria publicada no Diário do Rio destaca que o Censo de 2022 revelou que o Rio de Janeiro tem 388 mil domicílios particulares não ocupados, o que representa 13,32% do total de domicílios na cidade. Este dado, apesar de não especificar os números exatos para o Centro, é complementado por um levantamento da Subprefeitura do Centro, que identificou 158 imóveis(Leia mais)

Campanha propõe que imóveis públicos abandonados sejam reaproveitados como moradias

Sob a inspiração de uma recente campanha realizada em Portugal para estimular o reaproveitamento de imóveis públicos abandonados,  o Rio de Janeiro é uma das capitais brasileiras que busca replicar o projeto, através de iniciativa do vereador Pedro Duarte. De acordo com matéria publicada no Diário do Rio, o parlamentar tem visitado pessoalmente imóveis que se enquadram na situação descrita, e após inspeção das condições dos espaços,  faz registros fotográficos segurando cartazes e que são postados nas redes sociais. Este ano, as ações acabaram resultando na campanha ‘Aqui poderia ter gente morando”. Desde que foi lançada pelo vereador carioca, há duas semanas, foram vistoriados, por Pedro e pela sua equipe, 13 imóveis em bairros como Centro, Tijuca, Ramos, Flamengo, Praça da Bandeira etc. A ideia é fazer novas vistorias nos próximos meses. Urbe CaRioca Vereador propõe que imóveis públicos abandonados(Leia mais)

Projeto de lei prevê construção de autódromo em Guaratiba

O prefeito do Rio enviou à Câmara Municipal o Projeto de Lei Complementar n º 162/2024 que institui a Operação Consorciada do Autódromo Parque de Guaratiba, estabelecendo diretrizes urbanísticas para a área de abrangência delimitada na operação, permitindo a transferência do direito de construir e dando outras providências. O texto foi publicado na edição desta sexta-feira do Diário Oficial do legislativo municipal. Segundo o PLC, a implantação do Autódromo Parque de Guaratiba teria “interesse público desportivo e ambiental”. O local deve ser construído na avenida Dom João 6º, no bairro de Guaratiba, na Zona Oeste do Rio. A Operação Urbana Consorciada do Autódromo Parque de Guaratiba compreenderia “um conjunto de intervenções coordenadas pelo Poder Executivo municipal, com a participação dos proprietários dos imóveis situados na área de abrangência” do autódromo, além de “moradores do entorno e investidores privados”. Como justificativa(Leia mais)

O recorde da remoção de árvores no Rio e as incoerências urbano-cariocas

Em 2023, houve aumento significativo de 180% no número de autorizações para remoção de árvores em comparação com o ano anterior. No Rio de Janeiro, as 11.730 árvores retiradas marcam o maior índice em oito anos, sendo as Zonas Norte e Oeste as áreas mais impactadas, conforme levantamento feito pelo noticiário RJ-1. A escassez de cobertura vegetal contribui para o aumento da sensação térmica, resultando na formação de áreas com temperaturas mais elevadas dentro da cidade como um todo, em cada região, bairro e rua. Fatores como poluição, superfícies de concreto, e construções a impedir a circulação dos ventos, e até o excesso de veículos, intensificam esse efeito. O carioca poderia prescindir das estatísticas e análises científicas. Sente a mudança na pele a cada ano. Conforme destacado diversas vezes neste blog, nos últimos anos, sobretudo no Rio de Janeiro, o(Leia mais)

Sempre o Gabarito – além da Urbe CaRioca

A verticalização das capitais brasileiras foi assunto de uma série de reportagens há alguns anos no jornal O Globo. O tema volta à pauta devido a um projeto polêmico a ser executado na cidade de Salvador. Uma curiosidade que a reportagem traz trata de obras milionárias executadas por governos de cidades situadas na orla marítima para alargamento das faixas de areia como tentativa de driblar o sombreado causado pelos edifícios muito altos. Seria melhor manter índices construtivos adequados para resguardar as praias e proteger as paisagens natural e urbana. Urbe CaRioca Projeto de arranha-céus em Salvador gera controvérsia por sombra e é mais um caso a parar nos tribunais; entenda Além de espantar banhistas, verticalização leva ao avanço do mar sobre calçadões, o que já exigiu obras de alargamento das faixas de areia em cidades como Fortaleza e Balneário Camboriú(Leia mais)

Câmara conclui tramitação do Plano Diretor do Rio

Em dezembro do ano passado, foi aprovado o novo Plano Diretor do Rio, o qual está redesenhando o panorama urbano e imobiliário da cidade. O processo de tramitação da Lei Complementar 270/2024 se encerrou nesta quinta-feira, após dois anos de discussões, 34 audiências públicas e o recebimento de mais de mil contribuições populares. Um acordo permitiu que fossem levadas a plenário 35 das emendas vetadas por Paes — 33 consideradas prioritárias pela prefeitura e duas por vereadores —, que foram votadas como destaque. Ferros-velhos e clubes de tiros são excluídos da nova legislação. Benefícios a grupos vulneráveis também ficam fora. Aguardemos os resultados práticos para a Cidade do Rio de Janeiro. Confira todos os detalhes na matéria abaixo reproduzida do jornal O Globo. Urbe CaRioca Plano Diretor: vetos são derrubados, e ficam mantidas regras aprovadas para Urca, Botafogo e Grajaú(Leia mais)

Prefeitura inaugura o Terminal Intermodal Gentileza

A Prefeitura do Rio inaugurou no último dia 23 de fevereiro, o Terminal Intermodal Gentileza. O terminal, considerado o maior integrador de transporte público da capital carioca, conecta os serviços do mais novo corredor de BRT da cidade, o BRT Transbrasil, aos do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) e dos ônibus municipais. A estimativa do terminal é atender cerca de 150 mil pessoas por dia. As obras do Terminal Gentileza foram feitas em uma área de 77 mil metros quadrados que a gestão municipal comprou da Caixa por R$ 40,8 milhões. O investimento na construção foi próximo de R$ 300 milhões pela Parceria Público Privada (PPP) do VLT do Centro, sendo R$ 257,8 milhões financiados pelo Banco do Brasil para a reestruturação do sistema do BRT. Urbe CaRioca Terminal Gentileza é inaugurado no Rio Agência Brasil – Edição: Roberto Piza(Leia mais)

Liberada pela Justiça, obra da tirolesa não têm data para continuar por pendências no licenciamento

O imbróglio envolvendo a construção de uma tirolesa no alto do Pão de Açúcar ganhou novo capítulo com a revogação da liminar que suspendeu as obras, por dois votos a um, no Tribunal Regional Federal (TRF). Os trabalhos não têm data para continuar, já que existem pendências no licenciamento. Há um ano, a Secretaria municipal de Meio Ambiente (Smac) pediu esclarecimentos à concessionária Companhia Caminho Aéreo Pão de Açúcar (CCPA) sobre alguns pontos dao projeto. A origem das pedras retiradas para a execução da obra é o principal ponto do questionamento. Montanhistas e ambientalistas que integram o Movimento Pão de Açúcar Sem Tirolesa e o Ministério Público Federal afirmam que a empresa teria removido partes das rochas da encosta, ação ilegal porque o monumento é protegido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Confira mais detalhes na matéria(Leia mais)

Movimento contrário a tirolesa ganha apoio de ONG alemã

No último dia 4 de março, a presidente da  Organização Não-Governamental World Heritage Watch, Maritta Koch-Weser encaminhou solicitações à Presidência da República e ao diretor Diretor do Centro do Património Mundial em apoio ao movimento contrário ao projeto que pretende instalar tirolesas no Pão de Açúcar. A ONG alemã dá consultoria à Unesco sobre a conservação de sítios que são considerados patrimônios culturais de todo o mundo. A entidade divulgou uma carta aberta ao presidente Lula em que manifesta preocupações de associados brasileiros sobre o projeto e fez um apelo pela interrupção do projeto. Eles citam a intervenção de “séria transgressão que afeta a paisagem mais emblemática do Brasil — Rio de Janeiro, a Baía de Guanabara e o Pão de Açúcar.’’ A World Heritage destaca que as estruturas usadas na montagem e operação da tirolesa contribuíram para a desfiguração(Leia mais)