Cocheira do Imperador e Cocheira da Rainha

Marconi Andrade – do grupo S.O.S. Patrimônio – denunciou o estado de abandono das antigas cocheiras do Imperador há mais de dois anos. O descaso para com o importante patrimônio cultural foi objeto de críticas por parte do historiador Nireu Cavalcanti e também denunciado neste Urbe CaRioca, por ocasião da proposta inimaginável e absurda de se construir uma rodoviária no local “pra olimpíada”, como desejava a gestão anterior (v. o post RODOVIÁRIA EM SÃO CRISTÓVÃO – LANÇADO O EDITAL, de 19/06/2015, e as publicações anteriores, inclusive com críticas do ponto de vista urbanístico, além da perda de um bem cultural inestimável).[...] Leia mais

Estação Imperial de São Cristóvão – Patrimônio abandonado, de Claudio Prado de Mello

Importante análise do arqueólogo Cláudio Prado de Mello chama a atenção para a importância histórica da construção. A Prefeitura do Rio de Janeiro poderia se interessar em restaurar o prédio mediante convênio caso o imóvel seja Próprio Federal, ou esteja sob a tutela da Supervia. O terreno está sendo usado como estacionamento de veículos.

Urbe CaRioca

ESTAÇÃO IMPERIAL DE SÃO CRISTOVÃO – PATRIMÔNIO ABANDONADO[...] Leia mais

ENCONTROS, ETC.: GUARATIBA, VARGENS, MARECHAL HERMES PATRIMÔNIO CULTURAL

=&0=& =&1=& =&0=& =&3=&


02/07/2016

05/07/2016

=&4=& =&4=& =&6=&

Museu da Humanidade / IPHARJ – Evento ligado à História da fundação de Marechal Hermes, em 1913, como o primeiro bairro proletário do país. O ensejo do evento foi a doação de uma importante documentação reunida, naquela época, pelo jornalista Pinto Machado. Fundado em 1° de maio de 1913, Marechal Hermes foi o primeiro bairro operário planejado do Brasil. Estritamente residencial, com direito a ampla rede de serviços públicos como escolas, hospitais e teatro, o bairro de Marechal Hermes nasceu como vila proletária, idealizada pelo então Presidente da República Marechal Hermes da Fonseca.

[...] Leia mais